Por Redação A12 Em Artigos Atualizada em 17 MAI 2018 - 08H59

A Virgem Maria envolvida pelo Mistério da Santíssima Trindade


Shutterstock
Shutterstock

Leia MaisPentecostes: Maria conforta os apóstolos e discípulosO que é a Ascensão do Senhor?Nossa Senhora, uma questão de devoção? Quando chegamos aos relatos da Paixão e Morte de Jesus, a Virgem Maria aparece com seu amor de mãe, do mesmo modo em que ela esteve no nascimento de seu Menino. Chamada de a “Nova Eva” ao lado do “Novo Adão”, foi o instrumento primordial para a Encarnação, tendo também um papel primário na Crucifixão, Morte e Ressurreição e na descida do Espírito Santo no Pentecostes. Descobrimos assim que a Escritura faz a ligação da “Mãe de Jesus” (Jo 19,25) com esses três momentos da mediação absoluta de Cristo.

Um dado material e biológico não podemos perder de vista: a carne e o sangue humanos de Maria foram necessários tanto para Encarnação, quanto para Morte de Cristo, tornando assim “cooperação” dela na ação redentora realizada pelo Filho de Deus.

Se analisarmos com a ótica da teologia trinitária, entenderemos a profecia de Simeão; “movido pelo Espírito Santo” foi ao Templo, tomou Jesus nos braços, fruto do ventre da esposa de José, e orou ao Pai Criador: “Agora Senhor já podes deixar...” (Lc 2,29-32). O velho servo do Senhor decretou o que viu e, nessa visão, estava presente ativamente a Mãe, e, reclamando dela a consciência de sua cooperação, assim lhe disse: “Uma espada de dor lhe atravessaria a alma” (cf. Lc 2,53). Encontramos a figura materna de Maria sendo preparada para o futuro! Não sabia ao certo o que Deus lhe reservara, mesmo assim não duvidou; aquilo que não podia entender “guardava todas essas coisas em seu coração” (Lc 2,48) com grande respeito. Resumindo, para entendermos a participação ativa de Nossa Senhora na Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, temos de voltar exatamente ao episódio da apresentação do menino no Templo. [...]

Maria não se torna mãe da Igreja por afinidade dos cristãos, mas por dom de Deus, dado aos novos membros de Jesus Cristo por meio do Batismo. É aqui que entendemos com toda a sua força o testamento material e espiritual do Senhor no alto da Cruz: “Mulher, eis aí o teu filho, filho eis aí tua mãe! Daquela hora em diante, o discípulo a recebeu em sua família” (cf. Jo 19,27-28).

Concluo dizendo: “A multifacetada missão de Maria, em relação ao povo de Deus, é, efetivamente, realidade sobrenatural, operante e fecunda no organismo da Igreja”. Em nossa vida cristã, devemos estar dispostos a seguir o exemplo de vida, que nos mostrou o Senhor, mas também podemos seguir o exemplo que nos deixou Maria quando amou, bendisse a Deus, protegeu, cuidou, seguiu e obedeceu a Jesus Cristo, nosso Messias, na aceitação dos homens redimidos como seus filhos adotivos, desde o evento da Cruz.

Imploro a Nossa Senhora da Conceição Aparecida a graça de ver sempre a Igreja no Brasil sempre impelida a ser uma Comunidade eucarística, missionária e conhecedora da mensagem de vida contida nas Escrituras.

Cônego José Wilson Fabrício da Silva, crl

Membro da Academia Marial de Aparecida


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.