O Pantanal é considerado uma das maiores extensões úmidas do planeta com grande beleza e rica em biodiversidade. O ecossistema mantém boa parte da sua cobertura vegetal nativa, responsável pela permanência de espécies que, em outros biomas, sem mostram em extinção. A Amazônia é o maior bioma do Brasil. Com extenso território, formada pelos Estados da região Norte, a Amazônia tem grande diversidade de espécies de árvores, plantas e animais. A Caatinga é o único bioma com distribuição exclusivamente brasileira. Encontra-se envolvida pelo clima semiárido, entre a estreita faixa da Mata Atlântica e o Cerrado. O Cerrado é uma vegetação típica de locais com estações bem definidas (Uma época chuvosa e outra seca). Compõe as regiões de solo de composição arenosa, sendo considerado o bioma brasileiro mais antigo. A Mata Atlântica é uma das áreas maisricas em biodiversidade e mais ameaçadas do planeta. Sua vegetação nativa vem sendo destruída, restando uma pequena área para preservação das espécies. É o nome dado aos campos do Sul do Brasil. Sua característica principal é a vegetação, que apresenta uma composição herbácea, ou seja, formada basicamente por gramíneas e espécies vegetais de pequeno porte. Todos os anos, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) apresenta a Campanha da Fraternidade como caminho de conversão quaresmal, reflexão e proposta de ações concretas. Em 2017, a temática da CF ‘Fraternidade: Biomas brasileiros e defesa da vida’ quer fomentar o cuidado com a criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações à criação que Deus nos deu para cultivá-la e guarda-la. Cuidar dos biomas brasileiros além de ser uma ação de fé e cidadania é uma ação de comprometimento com Deus. O Papa Francisco propõe a defesa da vida e ecologia através da encíclica Laudato Si. O A12.com listou algumas das propostas da CF 2017 como ação concreta para o cuidado com os biomas brasileiros, confira: Promover campanhas de conscientização quando ao descarte adequado dos resíduos sólidos e esgotos sanitários, para preservar os rios, lagoas e igarapés. Fortalecer as políticas públicas para melhoria do saneamento básico e transporte público de qualidade. Reformular e ampliar a rede de captação de água de chuva para beber e produzir. Desenvolver a captação de energia solar descentralizada, como fonte de renda para as família e produção de energia. Incentivar o desenvolvimento de projeto de preservação, recuperação e valorização das frutas, ervas medicinais. Fomentar e/ou apoiar ações relacionadas a despoluição e revitalização das bacias hidrográficas e baías: Alto Tietê, Baía da Guanabara, Bacia do Rio Doce e Rio Paraíba do Sul. Fortalecer aRede Panamazônica (REPAM), como espaço de articulação e intercâmbio das várias redes eclesiais que atuam em conjunto na sociedade amazônica. Fortalecer as iniciativas como as cooperativas, baseadas no agroextrativismo, pois tem gerado renda para muitas famílias. Reforçar as articulações e resistências apoiando os povos tradicionais (indígenas/quilombolas) nas mobilizações e nas lutas por direitos e regularização de seus territórios. Incentivar a criação de um Projeto de Lei que impeça o uso de agrotóxicos.