Por Redação A12 Em Artigos Atualizada em 01 AGO 2018 - 08H42

Ética da compaixão


Shutterstock
Shutterstock

Compaixão não é um sentimento de pena, dó, afeição emocional. É um estado mental da consciência e compreensão de que os outros têm direito de serem felizes. Pela compaixão sentimos satisfação pelo bem-estar dos outros e passamos a viver o altruísmo. O outro é o centro. É a compaixão que nos leva à generosidade e à ca-pacidade de empatia e de consideração pelo bem-estar dos outros com o propósito de não prejudicar, não agredir.

Leia MaisO mundo precisa de redenção?É a compaixão que nos faz agir com gentileza e afeto humanos. Da compaixão brota o espírito de reconciliação que é o respeito pelos direitos e pelas opiniões alheias. Compaixão é um sentimento e uma atitude que encerram compreensão e ternura. Compreendemos as pessoas que erram, porque elas também são feridas desde longa data, são pessoas machucadas, condicionadas pelo seu passado. Erram sem opção, agem emocionalmente, sentem-se impotentes diante de tantos condicionamentos. A compaixão é capaz de compreender as circunstâncias do agir alheio errado e de não se deixar condicionar só pela ofensa recebida. A compaixão leva em conta a fraqueza do agressor, a causalidade de sua situação, a fraqueza inerente a cada pessoa humana. Compaixão é compreensão.

A ética da compaixão não se rege pela aparência das pessoas; não olha o rosto, mas o coração; não olha a ofensa, mas as raízes e causas que levam as pessoas a ofender seu semelhante. A compaixão nos faz próximos dos outros, atentos a seus interesses, prontos a perdoar e tolerar, sempre levando em consideração o bem-estar e a felicidade dos outros. A compaixão nos dá um coração de mãe, atitude de respeito e empatia pelo próximo, como também sabe ter paciência e tolerância.

Para alcançarmos a compaixão, precisamos de muita espiritualidade e forte disciplina interior, muita coragem. Esse é o endereço da felicidade e o caminho da paz interior. Um dos primeiros sinais da compaixão é a paciência, a serenidade diante das adversidades e humilhações. Quanto menos alguém se preocupar consigo mesmo, sofrerá menos e terá mais paz interior. A compaixão supõe a humildade, que é a consciência de nosso húmus, nosso barro e, ao mesmo tempo, a satisfação pelo bem dos outros, a alegria pelo sucesso alheio, até de nossos inimigos. Humildade é o esvaziamento de si, que não é autodesvalorização, mas aceitação de nosso lado fraco.

É a compaixão que nos confere felicidade, paz interior, realização pessoal e sentido da vida. Quanto mais compaixão, menos sofrimento e mais vida. Enfim, a compaixão é a suprema emoção, é a bem-aventurança, a bênção que faz a vida bela e digna de ser vivida. Por força da compaixão, nossa opção pelos pobres é duradoura, intrépida e prazerosa.

Dom Orlando Brandes

Arcebispo de Aparecida

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.