NOTÍCIAS
Por A Rádio POP Em Notícias Atualizada em 19 SET 2018 - 15H17

Jornal Regional traz especial sobre presídios do Vale

Shutterstock
Shutterstock

A partir de segunda-feira, o Jornal Regional traz uma série de reportagens no especial "A realidade dos presídios da região", que vai ao ar de 17 a 19 de setembro, a partir das 11h.

Composto por 12 unidades, o sistema prisional do Vale do Paraíba encontra-se superlotado. As penitenciárias têm, juntas, capacidade para receber 10 mil detentos, mas atualmente abrigam 14 mil, o que representa um excedente de 40%.

Carolina Barros, jornalista responsável pela reportagem, afirma que é sobre esta realidade nos presídios e centros de detenções provisórias que vai ser tratado nessa série especial.

Superlotação e dia a dia do agente penitenciário é doloroso nas prisões brasileiras

A realidade de superlotação nos centros de detenção do país também está bem presente na região do Vale do Paraíba. As cidades de Caraguatatuba, São José dos Campos, Taubaté, Tremembé e Potim abrigam nove unidades prisionais, entre presídios e Centros de Detenção Provisória (CDPs).

Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), a capacidade total é de 7.391 internos, mas atualmente abriga 11.773, o que resulta numa superlotação de mais de 50% (cerca de 4 mil detentos a mais).

“A superlotação é um problema em todo o país. A cada dia há vários crimes acontecendo e estão entrando vários sentenciados nas unidades prisionais. São Paulo é o estado que mais detém presos, e também é o que mais tem presos condenados, o que representa boa parcela de todo o Brasil”, afirma Márcio Santos Assunção, diretor jurídico do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado de São Paulo, o Sindasp.

O diretor jurídico do Sindasp ainda lembra que os agentes trabalham hoje em condições precárias, com de falta de equipamento, gestão e treinamento. Ele afirma que, apesar do estado ter uma boa estrutura, as condições de trabalho estão bem defasadas; a violência dentro das unidades prisionais é sempre muito presente.

Ouça a primeira reportagem da série:

Entenda a realidade dos agentes penitenciários no Brasil

Considerada uma das profissões mais antigas da humanidade, também a segunda profissão mais perigosa do mundo pela organização internacional do trabalho, o agente penitenciário tem papel importante na vida do encarcerado.

No país há mais de 65 mil agentes penitenciários, hoje em média cada agente penitenciário é responsável por 8 a 9 prisioneiros. Para o Conselho Nacional de Políticas Criminais e Penitenciárias, o recomendado seria que houvesse um agente penitenciário para cada cinco.

Conheça o dia a dia através dos olhos de quem trabalha no sistema prisional e das pessoas que atuam de forma voluntária com os internos na reportagem de Carolina Barros com trabalhos técnicos de Marcos Prado:

Entidades atuam na garantia de direitos nas unidades prisionais

Dentro das unidades prisionais, além dos funcionários, existem pessoas que fazem o acompanhamento de forma voluntária da vida dentro dos presídios.

Seja acompanhamento religioso, jurídico ou social o Conselho da Comunidade de Taubaté foi criado dentro da lei de execuções penais. A Presidente do Conselho, Maria Tereza de Oliveira Ivo, conta como é o trabalho desenvolvido.

“A principio ajudamos no trabalho de correição nas penitenciárias. Somos credenciados a entrar na penitenciária e verificar as suas condições. O intuito não é inquisitório, mas de ajudar a levantar aspectos com deficiência da unidade para que a juíza tome as devidas providências”, explicou.

Ouça também pela FM 90,9, pelo player da Rádio POP ou pelo app Aparecida!

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por A Rádio POP, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.