Por Redação A12. Em Igreja

A família na ecologia humana

A realização da Semana da Família em todos os municípios é uma iniciativa importante que revela a decisão de promover a família como um valor fundamental para a vida da sociedade. 

Entre muitas abordagens possíveis a serem feitas sobre o tema, desejo ressaltar neste artigo o papel da família dentro da “ecologia integral”, retomando algumas reflexões do Papa Francisco em sua Encíclica “Laudato Si”, publicada no dia 24 de maio deste ano.

famillia_ecologia

A expressão ‘ecologia integral’ revela que tudo está interligado no planeta e no universo, e quando falamos de “meio ambiente” devemos considerar a íntima relação entre a natureza e a sociedade humana. Há uma relação entre os ecossistemas e entre os diferentes mundos de referência social, por isso, “a análise dos problemas ambientais é inseparável da análise dos contextos humanos, familiares, laborais, urbanos e da relação de cada pessoa consigo mesma, que gera um modo específico de se relacionar com os outros e com o meio ambiente”.

Não existem duas crises, uma ambiental e outra social, afirma o Papa, mas “uma única e complexa crise sócio-ambiental”, que requer uma “abordagem integral para combater a pobreza, devolver a dignidade aos excluídos e, simultaneamente, cuidar da natureza” (Cf. LS, n. 139 e 141).

Afinal, a família é nosso lar, e a natureza a nossa casa comum!

 

De fato, na família deve-se desenvolver a “ecologia da vida cotidiana”, pois os “ambientes onde vivemos influem sobre a nossa maneira de ver a vida, sentir e agir. 

Dentro desta visão, a realidade das instituições da sociedade tem consequências no ambiente e na qualidade de vida das pessoas. Citando a encíclica Caritas in veritate de Bento XVI, o Papa afirma que “toda a lesão da solidariedade e da amizade cívica provoca danos ambientais”. E assim, a família, como instituição base da vida social, torna-se um espaço fundamental para a formação das pessoas para o convívio social e para a sua relação positiva com relação ao meio ambiente.

De fato, na família deve-se desenvolver a “ecologia da vida cotidiana”, pois os “ambientes onde vivemos influem sobre a nossa maneira de ver a vida, sentir e agir. Ao mesmo tempo, no nosso quarto, na nossa casa, no nosso lugar de trabalho e no nosso bairro, usamos o ambiente para exprimir a nossa identidade. Esforçamo-nos por nos adaptar ao ambiente e, quando este aparece desordenado, caótico ou cheio de poluição visiva e acústica, o excesso de estímulos põe à prova as nossas tentativas de desenvolver uma identidade integrada e feliz” (LS, n. 147).

A ecologia humana envolve muitas coisas, desde a condição de ter uma casa própria onde morar, condição fundamental para a dignidade das pessoas e o desenvolvimento das famílias, passando pelo cuidado para desenvolver relações calorosas de vizinhança, a inserção das pessoas numa rede de comunhão e pertença, tudo respaldado por arquitetura e organização urbana que favoreçam a convivência das pessoas e o sentimento de “estar em casa”, mesmo tratando-se de uma grande cidade, e a promoção do bem comum. A família tem um papel importante na promoção do bem comum, porque ela é célula basilar da sociedade e favorece o desenvolvimento do respeito pela pessoa humana.

Entre os vários âmbitos educativos importantes para o meio ambiente, o Papa ressalta o papel central da família, porque “é o lugar onde a vida, dom de Deus, pode ser convenientemente acolhida e protegida contra os múltiplos ataques a que está exposta, e pode desenvolver-se segundo as exigências de um crescimento humano autêntico. Contra a denominada cultura da morte, a família constitui a sede da cultura da vida”.

Na família, cultivam-se os primeiros hábitos de amor e cuidado da vida, como, por exemplo, o uso correto das coisas, a ordem e a limpeza, o respeito pelo ecossistema local e a proteção de todas as criaturas. A família é o lugar da formação integral, onde se desenvolvem os distintos aspectos, intimamente relacionados entre si, do amadurecimento pessoal. Na família, aprende-se a pedir licença sem servilismo, a dizer “obrigado” como expressão duma sentida avaliação das coisas que recebemos, a dominar a agressividade ou a ganância, e a pedir desculpa quando fazemos algo de mal. Estes pequenos gestos de sincera cortesia ajudam a construir uma cultura da vida compartilhada e do respeito pelo que nos rodeia” (LS. n. 213).

A família pode educar as pessoas a criarem novos hábitos, a não se tornarem escravas do consumismo, a praticarem a sobriedade, a evitar o desperdício com atitudes simples, como a de plantar árvores, economizar água, apagar as luzes desnecesárias, e “a recuperar os distintos níveis de equilíbrio ecológico: o interior consigo mesmo, o solidário com os outros, o natural com todos os seres vivos, o espiritual com Deus” (LS, n. 210).

Cuidar da família é cuidar da vida, é contribuir para o cuidado da criação, para o cuidado da casa comum que nos foi confiada por Deus.

Dom Tarcísio Scaramussa
Bispo de Santos (SP)

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12., em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.