Por Elisangela Cavalheiro Em Igreja

Dom Demétrio pede que CNBB reflita sobre leigos que possam presidir a Eucaristia

O bispo emérito de Jales, Dom Demétrio Valentini disse durante homilia no Santuário Nacional de Aparecida, na manhã desta terça-feira (14), que a Igreja no Brasil precisa refletir sobre a questão dos católicos que não tem acesso à Eucaristia com frequência. O bispo sugeriu para resolver esse problema a escolha de leigos engajados na vida comunitária para assumir essa tarefa de presidir a Eucaristia. O bispo esteve no Santuário em virtude da comemoração dos 25 anos da Associação Nacional dos Presbíteros do Brasil.

“Somos uma Igreja que parte o pão ou uma Igreja que submete as suas comunidades à escassez que leva à sua debilidade e a própria dissolução eclesial", disse o bispo que fez memória de uma fala do Papa Emérito Bento XVI em Aparecida durante o CELAM.

"Sem Eucaristia não existe comunidade cristã. Isso foi afirmado solenemente aqui nesta Basílica pelo Papa Bento XVI, na abertura da 5ª Conferência Geral dos Bispos da América Latina e do Caribe. Sem Eucaristia não existe comunidade cristã. Falta agora então conferir que consequências práticas tiramos dessa verdade tão importante afirmada pelo Papa. E aí entra em cheio de novo a questão presbiteral”, exortou o bispo emérito.

Dom Demétrio Valentini (Elisangela Cavalheiro)

No centro de sua reflexão, o bispo falou sobre a necessidade da Igreja refletir sobre a realidade que alcança muitas comunidades eclesiais, não somente no Brasil, mas em muitos lugares no mundo: a ausência de presbíteros para presidir a Eucaristia.

“Hoje a Igreja precisa escutar os apelos das comunidades que manifestam as suas necessidades que devem ser atendidas, e nisso entra em jogo de novo a questão presbiteral. Ela precisa ser resolvida adequadamente e para tanto é urgente recuperar a visão ministerial do Concílio Vaticano II”, disse.

O assunto já foi discutido pelos bispos do Brasil em assembleia e pelo Papa Francisco, mas carece de maior envolvimento e atenção por parte dos membros da Igreja segundo o bispo que foi enfático ao dar sua opinião sobre o tema.

“O Papa Francisco com sua coragem e ao mesmo tempo prudência pediu que a CNBB apresentasse um projeto, já seria uma motivação a ser assumida com presteza e dedicação. Pessoalmente, me permito aqui colocar minha posição bem consciente que pouco peso ela poderá ter. A vida ensina a relativizar as aspirações pessoais e situá-las na dimensão mais ampla da história. Não importa se não virmos ver realizados todos os nossos sonhos, ainda mais agora como bispo emérito não mando mais nada. Mas não mando dizer. Tomo a liberdade de pedir à CNBB que agilize a discussão do problema para a questão de contarmos com presbíteros de comunidade possa ir se definindo nos seus detalhes para que possamos providenciar e implementar a disposição do Papa Francisco de dar andamento a esta providência, para que nesse assunto que envolve profundamente a vida da Igreja o Papa não se veja talvez obstaculizado pela resistência eclesial interna mas conte com o claro apoio da CNBB em especial dos presbíteros do Brasil representados hoje aqui pela Associação Nacional dos Presbíteros do Brasil”, afirmou. 

Dom Demétrio chamou esses leigos de "Presbíteros de Comunidade", em contrapartida dos "Presbíteros Diocesanos".

Veja a homilia de Dom Demétrio: 

47 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Severino Ribeiro comentou:

Desde que sejam compromissados no conhecimentos aos serviços de Deus e viverem no policiamento de seus atos de vida e compromisso com Deus. Concordo a messe ê grande e precisa de operários. A igreja precisa é acompanhar essa progressão de desenvolvimento que o desenvolver da vida humana e espiritual oferece. Tem que haver precaução e todos os cristãos colaborarem.

Joana Mensor comentou:

Primeiramente quero saudar nosso Dom Demetrio, sua abertura, sua lucidez as necessidades real da época. A Igreja de Jesus Cristo não é marxista, ela não começou nos palácios e nem nas Igrejas e sim nas famílias e com o partir do pão. Hoje a miséria cresce pela falta de partilha, também na Igreja. Parabéns por somar com um projeto do Papa Francisco e comungo dessa maravilhosa ideia. Vamos deixar que Jesus chegue a todos os povos e saia da prisão de nossos sacrários... Muita gente com fome de Deus

José comentou:

Só para lembrarmos que o presbítero em sua formatação atual submetido a uma anterior longa formação, celibato, e etc é uma construcao histórica de uma Igreja demasiadamente institucional.

Catia Regina comentou:

Ainda me escandaliza essas mudanças na Igreja. Um por um vão abalando os Sacramentos. O Batismo não apaga mais pecado original, virou simbólico (tem até Padre dizendo que o Batismo tem que ser dado na adolescência). O Matrimônio na prática é dissolúvel. A Confissão virou uma "celebração comunitária". A Unção dos Enfermos virou uma bênção pra velhos. O Crisma virou uma exposição de "dons" bizarros. E a Missa virou a partilha de um pãozinho com os irmãos. Agora é a vez da Ordem...

José comentou:

Povo bitolado e sem conhecimento primeiro vamos estudar como o senhor bispo até para contra argumentar. Porém o que ele fala tem fundamento, pois há relatos que na comunidade primitiva anciãos em cada comunidade cantavam hinos, faziam preces, davam graças, partiam o pão, ou seja celebravam a Eucaristia.

Marcelo comentou:

A falta de sacerdotes não está ligada ao celibato, estar ou nao casado, se a crise fosse essa muita gente nao estaria se separando, a crise vai alem disso, Deus continua chamando, e muitos nao estão aceitando este chamando, ou o contexto a qual vivem nao os incentiva para seguir tal vocação. Deus continua chamando, e já está levantando um florescer vocacional na igreja...

SEBASTIAO FREITAS comentou:

DOCUMENTO 105 CNBB: um prefácio dos planos da cnbb. Se você reza um rosário, comece a rezar 3.

Alessandra comentou:

Humildemente eu discordo desse plano. Jamais imaginei que uma coisa dessa ia existir! É muito grave!!! De jeito nenhum A Santa Eucaristia deve ser jogada a fiéis porque na Igreja alguns são de um jeito e soltas no mundo são pessoas diferentes (não vive com preceitos). Jogando a Santa Eucaristia a fieis leigos vocês irão profanar a Sagrada Eucaristia e ofender o Coração de Jesus que já está muito ofendido! Revejam! Humildimente peço que acordem bispos! Siga ao Senhor Jesus e não o mundo!

Isabela Cenachi Pesce comentou:

Isso não afronta o Código de Direito Canônico? Acaso isso não separa o Brasil da Santa Sé? E os documentos da Igreja, no seu Magistério e Tradição? Como fica o Catecismo da Igreja Católica no meio deste contexto? Não se pode alterar a fé para agradar o mundo! Cuidado!!! Isso contraria a própria Bíblia e os ensinamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo! Nossa Igreja é Católica Apostólica Romana, o que quer dizer que ela é Universal, ou seja, a mesma doutrina em todas as partes do mundo!

Rafael comentou:

Infelizmente este é mais um sinal da mundanização da Igreja.

Essa opinião somente é um ato romantizado, mas que na verdade vai contra o sacramento da Eucaristia. Um ato mau apresentado como um ato bom

A única pessoa responsável por este ministério é o sacerdote. Um leigo jamais terá este poder.
Realmente a mensagem de Nossa Senhora em La Salette é atual e demonstra como vários padres e Bispos estão fazendo um desserviço para a Igreja de Cristo.

CNBB dessacralizando a Igreja =/

Matheus Silva comentou:

A solução não é deturpar o sacerdócio e querer inventar o que Cristo não fez.
Se houvesse fidelidade à Igreja e bom testemunho, os seminários estariam todos lotados e não faltaria padre para comunidade alguma. Mas, claro, como não querem abrir mão da TL, do marxismo e afins, preferem inventar mil e um absurdos para tentar maquiar a esterilidade que estas ideologias fantasiadas de "preocupação com o povo" geram.
Se estivessem genuinamente preocupados com o povo, seriam fiéis e litúrgicos.

Leonilso Souza comentou:

Isso não é uma iniciativa, graças à Deus!! Mais o devaneio de quem viveu a fundo a fracassada Teologia da Libertação, que de libertadora não tem grande coisa e que só faz espalhar a confusão na Igreja de Cristo.

Felipe Barrozo Arboith comentou:

Heresia pura! Bem coisa de Teologia da Libertação que não entende o que realmente é a Eucaristia! Não duvido nada que a CNBB não várea entrar nessa! Cada vez mais me entristeço com a outra que estão transformando a Igreja! Misericórdia meu Deus!

Ricardo Alexandre Flegler de Almeida comentou:

Absurdo dos absurdos o que esse Bispo falou....
Lamentável....simplesmente lamentável...
Com todo respeito, pode ser tudo, menos lúcido o discurso dele...
Deve ter lido aquele livro herético da Ione Buyst chamado "A Missa", só pode.

Luiz Eduardo comentou:

Esse bispo pode ser tudo menos católico afronta a moral e a tradição católica,e uma loucura o que ele disse, deve está fora de si.A igreja sim tem que insentivar as vocações não como é feita hoje,formamos padres não como vocação mais com proficao padre sem amor com os sacramentos sem amor com o povo sem desejo de salvar almas,padres não por vocação mais por proficao.a lembrete temos esxessoes.

Hugo comentou:

Isso é um absurdo. Vocês falam heresias

Julio Maria comentou:

Tempos de apostasia na igreja, lobos disfarçado de ovelha

Sergio comentou:

Isto põe fim a toda uma tradição da igreja

Leonardo comentou:

Não conheço o senhor Bispo e não duvido da boa vontade dele... Mas isso é absurdo! É cuspir na face de Jesus Cristo que, por livre e espontânea vontade, escolheu 12 homens, os consagrou INTEIRAMENTE a Seu serviço e inspirou que a Igreja seguisse esse caminho por 2000 anos!!

Marcos lopes comentou:

Em algumas Diocese alguns Bispos persegue os MECES ministro extraordinário da comunhão. Em alguns lugares os meces que seguram as comunidades distantes.

Hercules Feitosa comentou:

As pessoas "católicas" tem que aprender de uma vez por toda que a Eucaristia não é apenas a partilha de um pão, mas um sacrifício perfeito que se renova a cada missa, ou seja não é qualquer um que pode celebra-la e nem comunga-la!!!

Rafael comentou:

Não há necessidade de estabelecer "Presbíteros de Comunidade".

A Eucaristia pode ser distribuída pelos ministros da Eucaristia por meio de celebração.

Neste caso, as Eucaristias são consagradas pelos verdadeiros sacerdotes formado de acordo com a tradição da Igreja e vontade de Deus.

Nossa Senhora Aparecida, rogai pela Igreja e Santificação do Clero!

Gilvando Cruz comentou:

Esse cara está ocupando um lugar de alguém que sem sobra de dúvida iria SER MAIS ÚTIL PARA NOSSA IGREJA E TRADIÇÃO CATÓLICA.Todos os teólogos da libertação deveriam abrir sua própria igreja e não destruir a que tem uma milenar tradição que vem dando certo e é a rocha cita nas Escrituras, e esses caras poderiam ser mais inteligentes e utilizar os meios para educar o povo, tirá-los da ignorância política-religiosa.

Elvira comentou:

Concordo com você, meu irmão! Deveriam, em primeiro lugar, estarem preocupados com a catequese. Faço missões em comunidades afastadas, e quando lá se chega para celebrar a Eucaristia, da vontade de chorar. Não respeitam nem o sacerdote na hora da celebração. Os ministros(as) extraordinários da comunhão não sabem nem segurar a âmbula e muito menos o sanguíneo para que o Sangue de Cristo não caia no chão. As pessoas não sabem nem o que têm nas mãos!! Uma tristeza!

Evandro Vilas Bôas comentou:

Penso e defendo que a igreja católica reveja, com certa urgência e flexibilidade, a possibilidade de os sacerdotes(padres que se casaram) voltarem a celebrar a missa; esta é uma tendência geral em todo o mundo. Já existem seminários fechados em muitos países e uma das grandes razões é a Disciplina obrigatória do celibato. Entre os ortodoxos, é permitido ao presbítero se casar, ao menos 1 vez. O Concílio de Trento colocou uma pedra neste assunto, aos sacerdotes do rito latino. Lamentável...

Luiz Fernando comentou:

Chegando ao ocaso de sua vida terrena, ao invés de sugerir medidas para incentivar o surgimento de novas vocações, quer "clericalizar" os leigos. Lamentável! Deus tenha pena de sua Igreja militante.

Pedro Aragão comentou:

Exerci o ministério por 4 anos e depois resolvi deixar e hoje sou casado, existem questões complicadas para se resolver em relação ao ministério ordenado sobretudo na Igreja do ocidente. Se abre para Padre casar é complicado, pois hoje temos um grande número de padres que vivem a homossexuadade, seria mais visível os leigos perceberem tal situação. Escolher alguém na comunidade para celebrar a Eucaristia, seria uma forma de dizer que o ministério ordenado e instituído por Jesus foi farsa.

Pedro Aragão comentou:

Porém, numa Igreja cheia de líderes misogênios é complicado a valorização do ministério feminino que poderia ser também uma saída. Logo, cada linha de pensamento teológico tem seus interesses pessoais e de suas vantagens, e o que de fato Jesus pensou para seu povo já era.

Pedro comentou:

Boa resposta sobre uma questão não fácil para resolução.

Eduardo Augusto Belão comentou:

Sem Eucaristia não há comunidade cristã. Sem padre não há Eucaristia.

José Celestino comentou:

Discordo completamente das palavras do Bispo. O que resolve os problemas da Igreja são vocações verdadeiras e famílias verdadeiramente católicas.

Rafael Malanquini Esteves comentou:

Está seguindo a cartilha de Boff no livro "Igreja Carisma e poder" um manual de guerrilha e luta de classes para dentro da igreja. Lamentável a visão torta do evangelho, dos sacramentos e principalmente da eclesiologia deste bispo. Quer ter mais vocações??? Siga exemplos de movimentos que tem muitas vocações e que não faltam padres como os vários movimentos conservadores e fiéis a Tradição da Igreja. Não falo de concílio de Trento tão odiado pelos progressistas, mas cito o concílio de Elvira.

Rafael comentou:

Nos primórdios da Igreja, haviam os presbíteros e bispos que estavam casados. Na Igreja irmã Ortodoxa, os padres podem ser ordenados padres, algumas igrejas orientais em comunhão plena com a Igreja de Roma também possui. Há ainda aqueles que são originários da igreja da Inglaterra e da igreja Luterana que retornaram à Santa Igreja e permanecem casados. Seria uma oportunidade de a Igreja permitir aos casados tornarem-se presbíteros para a administrar dos sacramentos.

Antonio Carlos dos Santos comentou:

Porque não permitir que os diáconos permanentes presidam a eucaristia:seria o mesmo que acabar com o celibato

Lázara comentou:

Dom Demétrio sempre lúcido e preocupado com o bem das comunidades. Tomara que os presbíteros não se oponham, por medo ou ciúmes, á esta iniciativa!

Thiago AC comentou:

Já tem. Alguns são chamados de anglicanos :P

rafael elais comentou:

opa!!! da pra sentir que ainda tem homens de Deus preocupado com a partilha do pão, ou seja, unir todos a partilha do pão (eucaristia) que suas palavras seja iluminadas

Higor Moreira comentou:

Isso apenas para o começo de conversa afronta o próprio sacramento da Ordem. esta questão vai ainda mais além da CNBB , que não tem poder pra decidir sobre isso. A questão de numero de pessoas pra presidir a Eucaristia não resolver o problema, uma vez que a quantidade não significa qualidade. Não adianta querer levar a Eucaristia a todos, se todos não sabem o que é a Eucaristia, se não entendem seu valor.

Juliana Fragetti comentou:

A excomunhão reservada à Santa Sé de maneira especial se prende na maioria dos casos a delitos contra a fé: simulação de celebração da S. Missa e de administração do sacramento da Penitência por parte de quem não seja sacerdote (cân. 2322 S 1)

rafael comentou:

todo depende do espirito santo, hoje nos não temos ministros da eucaristia que faz o viático, levar comunhão para os doentes, que faz a celebração da palavra? isso não afeta o sacramento da ordem. o espirito santo sopra aonde precisa

Maria do Carmo Navarro comentou:

Ele tem razão, sobre ausência de presbíteros para presidir a Eucaristia ... porém, se os presbíteros estivessem seguindo o que dia o Documento de Aparecida sobre a missionariedade e o Papa, quando fala em igreja em saída, a falta seria muuuito menor.
Moro numa diocese pequena, proxima a São Paulo, mas os padres não saem da igreja, não gostam de atender confissões, não vão de encontro ao povo, ficam só dentro da igreja, e devido a formação fraca, tem enormes dificuldades.

JOSE EDUARDO AREAS CAETANO comentou:

Penso que esse seria uma caminho relativizado para resolver um problema, porém a solução vem da promoção vocacional presbiteral que já deveria acontecer dentro da família verdadeiramente católica. O que falta são padres e não leigos!

Jefferson Ferreira comentou:

Pra quê presbítero leigo? se eu quero comer pão eu não preciso de comunidade eu vou na padaria da esquina.

Leony comentou:

Pelo Amir de Deus gente. Não é escassez de padres. Tem padres sobrando sim senhor tanto que tens um ai que dá aulas de Direito todos os domingos é é Diocesano bem remunerado por essas aulas. Não é para seminaristas. Na minha paróquia um padre preside a Santa Mussa e uns oito ficam ao lado do presbítero para receber a eucaristia. Sinal que não presidem celebração ...Dom Demétrio é TL ferrenho. Essa sugestão dele não cabe para a nossa catolicidade. Leigos engajados vão distribuir pão.

José Renato comentou:

Só existe uma possibilidade de um leigo celebrar Missa: tornando-se, antes, um sacerdote. Ponto final. Os potenciais padres existem. DEUS CHAMA OS OPERÁRIOS. Cumpre a CNBB ir atrás das vocações escondidas. Não se pode prescindir do Sacramento da Ordem, com todas as suas consequencias, como o celibato. Querem leigos no altar? Façam deles sacerdotes. Encontrem vocações.

Francis comentou:

Com todo o respeito ao Bispo, esse discurso foi totalmente incoerente.,

Marcelo comentou:

Interessante, há um tempo atrás pra valorizar a participação do leigo na igreja de maneira entendida de maneira errada, abriu-se a possibilidade de inúmeras celebração da palavra com distribuição da eucaristia, não estavam nem um pouco preocupados com a Santa Missa, e agora tão ai preocupados com Santa Missa. Deus continua chamando jovens, Deus não deixou de chama-los. O que acontece são homens já sacerdotes que não acreditam no seu sacerdocio. e para isso não trabalham pelas vocaçoes...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Elisangela Cavalheiro, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.