Por Pe. José Carlos Linhares Pontes Júnior, CSsR Em Igreja

Migração e fé

fé, fidelidade, migração,

“Sai da tua terra e vai” (Gn 12,1): assim começa a caminhada de Abraão, pai da fé, segundo a tradição judaico-cristã. A fé tem, portanto, uma dimensão itinerante que começa com a experiência de migrar... Quando saí do Brasil, para uma missão em Moçambique, tive a oportunidade de vivenciar a fé na simplicidade da vida e no simbolismo dos gestos e ritos. A acolhida foi a porta de entrada num mundo fascinante e encantador. Fui envolvido pela cultura, tradição e alegria do povo que me ensinou a ressignificar o que é essencial para a fé, para a vida. E, acredito que em cada povo, por meio das suas tradições, línguas, danças e estilos de vida, podemos contemplar “o rosto plural da fé”[i].

Abrir-se ao próximo, fazer-se presente na vida da comunidade e viver em família para além dos laços de sangue são valores tão fortes que rompem com a lógica do ter, do poder e do prazer. Ainda hoje, na região de Furancungo, onde morei, o anfitrião lava as mãos dos seus convidados antes das refeições e todos partilham do mesmo prato; quando alguém fala, os outros sentam para ouvir com atenção; sempre que você entrega ou recebe alguma coisa deve fazer isso com as duas mãos, gesto que significa a totalidade da pertença na troca de vivências.

Em Moçambique, fui missionário e fiz a experiência de ser migrante. Tive a oportunidade de perceber que sou diferente, de aprender outra cultura e língua (chichewa), de me encantar com a pluralidade da nossa fé comum. O encontro com o outro na gratuidade da vida, é o encontro amoroso proposto por Jesus. A fé se incultura quando percebemos que Deus foi se revelando e se dando a conhecer ao ser humano, respeitando a história e a caminhada dos povos. Em Jesus, a revelação plena de Deus Pai se faz assumindo a nossa humanidade: Ele é o Verbo encarnado (Jo 1,1).

Jesus assumiu a identidade humana em sua totalidade. Sentiu frio, fome, sede, alegrias e tristezas. Esteve ao lado dos mais pobres, abandonados, doentes, viúvas, órfãos, estrangeiros. Jesus se aproximou e se envolveu com a realidade das pessoas sem fazer pré-julgamentos. Essa foi a atitude de Jesus e deve ser a nossa, através de quem Ele continua atuando na história da humanidade.

Disse o Papa Francisco aos participantes do encontro sobre mobilidade humana na Cidade do México: “é necessário passar de uma atitude de defesa e de medo, de desinteresse ou de marginalização – que, no final, corresponde precisamente à ‘cultura do descartável’ – para uma atitude que tem por base a ‘cultura do encontro’, a única capaz de construir um mundo mais justo e fraterno, um mundo melhor”.

Ver o mundo com o olhar de Jesus é perceber a diversidade cultural e promover a cultura do encontro. A pluralidade da fé, dos povos e dos costumes se fazem cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia em virtude da globalização e da migração. No passado, foi criado um senso comum no qual as tradições indígenas eram tidas como ritos folclóricos e as raízes africanas eram estigmatizadas como rituais demoníacos. Precisamos superar essas falsas ideias e sentir a Boa-Nova de Jesus viva nos diversos povos.

O rosto de Deus nos fascina pelo amor, o rosto da fé nos encanta pela abertura ao próximo. Somos verdadeiramente filhos e filhas de Deus independentemente de cor, raça, sexo ou nacionalidade. Que Deus nos inspire a exercitar e promover a cultura do encontro com tantos migrantes que se encontram no meio de nós e, muitas vezes, nem percebemos.

[1] Título do livro de Pedro Rubens, edições Loyola, 2008.

Assinatura padre junior

Escrito por
Colunista Assinatura Padre Junior
Pe. José Carlos Linhares Pontes Júnior, CSsR

Padre José Carlos Linhares Pontes Júnior, CSsR

2 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
juventina comentou:

NAO IMTENDO PORQUE A IGREJA CATOLICA DEMOROU PARA ACORDAR QUE OS CRENTES ESTAVAM TOMANDO POSSE DOS CATOLICOS?

Karen Ribeiro comentou:

Texto fantástico. Alimenta minha fé ver um testemunho tão lindo

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Luana Correa, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.