Por Vinícius Paula Figueira Em Igreja

O presépio e a vitrine

Na última semana, ao palmilhar pelas calçadas da cidade e observando as vitrines das inúmeras lojas do comércio, senti certo desconforto: em meio aos manequins, acessórios, sapatos e tantos outros produtos que enchem os olhos dos transeuntes, visualizei discretos presépios.

Natal Iluminado no Santuário Nacional de Aparecida - Thiago Leon

Presépio de Natal do Santuário Nacional de Aparecida - Foto: Thiago Leon

 

Em alguns dos estabelecimentos eu parei para contemplar, digamos, o “conjunto”, mas era quase impossível compreender o mistério da tremenda simplicidade misturado (e ou perdido) no meio do sofisticado e superabundante “cardápio” de opções oferecidas ao público. Pior, qual estereótipo à medida que caminhava, o esquema se repetia. Brotavam-se tantas inquietações... 

Sim, ao menos tive uma consolação: muitos comerciantes excluíram o velho barbudo do cenário. Pena que muitos não compreendem a espiritualidade que emana do presépio, isto é, a exposição dos símbolos cristãos funcionam como uma espécie de isca. Entendemos que o presépio não pode ser compreendido como um conjunto de peças para enfeitar o Natal. O escritor Octávio Paz escreveu: “O presépio tem que nos impelir a querer voltar para lá (ao estábulo), para esse lugar onde as coisas são sempre assim, banhadas por uma luz antiquíssima e ao mesmo tempo acabada de nascer. Nós também somos de lá. Estamos encantados. Adivinhamos que somos de um outro mundo”.

 

O Natal é a celebração do nascimento do Filho de Deus na História. 

Na verdade o que não podemos esquecer é que o Natal é a celebração do nascimento do Filho de Deus na História. As celebrações trazem à memória, ou seja, tornam presente e atualiza o mistério celebrado. Rubem Alves pontua: “No passado, os presépios evidenciavam estrelas no céu, uma cabaninha na terra coberta de sapé, Maria, José, os pastores, ovelhas, vacas, burros, misturados com reis e anjos numa mansa tranquilidade”. Não tínhamos tantos acessórios ricos, eletrodomésticos, roupas de marca e outros penduricalhos. Logo, precisamos nos ater no essencial: a celebração deve se focar no fato celebrado. Do contrário, que sentido faz? Seria pura teatralidade”.

Todas as vezes que queremos adaptar o sagrado ao nosso jeito, pecamos. Mas acertamos todas as vezes que adaptamos o nosso jeito ao sagrado. Via de regra, nós vivemos de excessos; o sagrado vive do essencial. É verdade, enfeitar as vitrines como também as nossas casas faz parte da celebração. Evoca-O. Natal também é tempo que muita gente troca presentes, mas o mais importante é ser presença. Precisamos nos conscientizar que o fato celebrado não se confunde com suas representações. Presépio não combina com ouro, muito menos com comércio, afinal, o Menino que nele nasce, foi envolvido com paninhos numa estrebaria, não com roupas finas e outros adereços.

 

O presépio tende a nos ensinar a arte da partilha com os pobres que continuam a sofrer nas grutas e nos estábulos fabricados pela sociedade consumista.

Natal só combina com uma coisa: Alegria. Há quem se alvoroce com faustas ceias, festas, farras, bebidas e outras atrações. Poucas pessoas param pra refletir, por exemplo: qual foi a ceia de Maria, José e o Menino naquela noite fria de Belém? Certamente um pão seco com água. Que sentido faz celebrar o nascimento do Menino no contexto da cultura do consumo e das aparências? É Natal, é melhor reunir-se em e com a família, e se alimentar do silêncio contemplativo daquela criancinha que amansa o universo, do que empanturrar o ego com tantas lambanças e comilanças. Que tal inventar e/ou investirmos num Natal mais evangélico e cristão, como por exemplo, fazer campanhas para minorar a fome de alguma família, reconciliar-se com alguém cujas relações não fluem; sorrir mais, abraçar mais, rezar mais, amar mais...

Portanto, o presépio não combina com as amostras dos palpitantes produtos que enfeitiçam os sentidos expostos nas vitrines. A beleza e o luxo estampados nas vitrines não combinam com a simplicidade da família de Nazaré. Ou seja, o natal comercial apenas pega carona no maravilhoso evento de Salvação, mas não pode fixar-se nele. O presépio tende a nos ensinar a arte da partilha com os pobres que continuam a sofrer nas grutas e nos estábulos fabricados pela sociedade consumista e indiferente à sorte daqueles que são obrigados a contentarem-se com as migalhas que caem das mesas dos ricos. E olhe lá...

assinatura vinicius colunista

 

Escrito por
assinatura Vinicius Figueira
Vinícius Paula Figueira

Vinícius Paula Figueira

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.