Por Redentoristas Em Notícias

Religioso fala sobre experiência missionária em Moçambique na África

Arquivo pessoal.
Arquivo pessoal.

Na cidade de Inhambane, região central de Moçambique, foram realizadas as Santas Missões Populares Redentoristas com o lema: “Reavivai Senhor a nossa fé, para saírmos e anunciarmos o Evangelho”.

Depois de uma longa preparação, mais de 2 anos, uma equipe formada por diversas nacionalidades evangelizaram essas terras no mês passado. Lá o termo Santas Missões não é conhecido nem pelos leigos nem pelo clero local. 

Na equipe de Missionários Redentoristas eram 4 brasileiros, 4 argentinos e 1 angolano, ainda formandos, dentre eles um que irá ao noviciado este ano,e ainda irmãs e missionários leigos. 

A cidade de Inhambane é encravada em uma bela baía do país e onde está historicamente o marco zero da chegada do português Vasco da Gama em suas buscas pela melhor rota até as Índias, e também palco da última grande resistência por parte dos nativos que aqui moravam.

Leia MaisSeja feita a vossa vontadeRedentoristas manifestam solidariedade ao povo da NicaráguaA vocação de São Geraldo MagelaNão muito diferente das Santas Missões no Brasil, saímos de casa em casa no anúncio do evangelho e ao encontro daqueles que são os nossos destinatários por excelência: os pobres. Visitamos os doentes, abençoamos as casas e acima de tudo demos um minutinho de nossa atenção para ouvir seus anseios, sonhos e medos.

Em cada casa pudemos encontrar um traço de luta e de resistência em meio a tanta dor e sofrimento. Soava quase como um hino quando perguntávamos: “Você quer rezar pelo quê?" e respondiam “Pela Paz, padre, pela paz”. A fina paz que aqui se vive é a maior sombra que persegue este povo, pois com a guerra sempre vem os exílios, as mortes, separação das famílias, enfim, se destrói o que mais prezam; o seio familiar.

Outro drama do catolicismo moçambicano é o sincretismo que se vive. Os curandeiros e feiticeiros são uma incógnita, o que levam muitos católicos a abandonarem suas crenças ou ficarem na dubiedade. Este problema é sempre levantado em reuniões dos bispos e dos religiosos (casos de padres/religiosos (as) que buscam feitiçaria) em Moçambique, enfim é algo que não podemos compreender tão facilmente e que não está só em meio aos pobres e incultos, mas no traço do próprio povo.

É justamente por este motivo da fé que nosso lema foi: “Reavivai Senhor a nossa fé, para saírmos e anunciarmos o Evangelho” numa clara tentativa de solidificar a catequese muito forte que aqui existe. Em média, são seis anos para receber a Eucaristia e a Crisma. Isso já foi semeado em seus corações.

Uma das mais belas lições que este povo nos concede é a sua imensa crença. O povo Moçambicano é um povo crente, seja qual for sua profissão de fé, eles creem e acolhem o diferente. Tivemos participações em nossas celebrações de evangélicos (uma variedade de igrejas), religiões tradicionais e até mesmo de islâmicos.

As celebrações sempre marcadas pelo jeito festivo moçambicano de celebrar, apesar da rigidez da Igreja local, pudemos celebrar com maior flexibilidade litúrgica. O percurso celebrativo girou em torno do Kerigma cristão e a cada dia dávamos atenção maior aos grupos; crianças, jovens, homens, mulheres, famílias.

No dia 13 de maio, festa da Ascenção do Senhor e Celebração da Virgem de Fátima, encerramos as Santas Missões com uma grande procissão de mais de oito quilômetros. A cada comunidade, os núcleos formados iam se agregando à grande procissão até a comunidade de Santa Cruz de Nhampossa. Nesta grande festa em torno da Palavra e da Eucaristia encerramos a Semana Missionária, mas com a certeza da continuação da missão em cada comunidade e pedindo ao Redentor que sempre reavive nossa fé para sairmos e anunciarmos ao Evangelho.

Diácono Jean Carlos, C.Ss.R
Furacungo, Tete, Moçambique 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redentoristas, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.