Por Pe. Eugênio Bisinoto, C.Ss.R. Em Artigos Atualizada em 20 DEZ 2018 - 09H18

Mãe de Deus

Mãe de Deus

Em seu mistério profundo, Maria é Mãe de Deus. Como vocacionada do Pai, Maria aceitou livremente ser a mãe de Jesus Cristo, o Filho de Deus que assumiu nossa natureza humana. “Mãe de Deus” aparece na oração da Ave-Maria, na Salve-Rainha e na Ladainha de Nossa Senhora.

Shutterstock
Shutterstock

A maternidade divina de Maria constitui o seu título mais importante. Esse privilégio não só interessa a ela, mas a toda a humanidade. “Deus quer ser homem, isto é, deseja autocomunicar-se a um diferente de si mesmo. Maria é o meio escolhido por Deus para a encarnação de seu Filho. Os caminhos de Deus e da humanidade cruzam-se nela. O que valoriza a participação de Maria é sua liberdade: livremente dá a Deus o seu ‘sim’. Não se pode aceitar um Deus encarnado sem aceitar Maria que lhe deu a carne humana” (Dom Murilo S. R. Krieger, bispo e escritor mariano).

Dogma Mariano mais antigo

A maternidade divina de Maria é o mais antigo dogma mariano, que foi proclamado oficialmente pela Igreja. Surgiu como reação às pregações de Nestório (380-451), patriarca de Constantinopla. De início pastor zeloso, o patriarca incorreu na heresia que desviava a verdadeira concepção do mistério da encarnação.

Nestório afirmava duas naturezas de Cristo muito unidas, mas constituindo duas pessoas. Por isso, manifestava que Maria é a Mãe do homem Jesus, mas não a Mãe de Deus. Consequentemente, Deus tinha habitado num homem, mas não se tinha feito homem. Não existiu verdadeira encarnação. Com isso, a própria redenção do homem caiu por terra. Essa heresia nestoriana causou grave escândalo no meio do povo e do clero, provocando divisões e paixões dentro da Igreja.

O nestorianismo foi combatido por São Cirilo, patriarca da Alexandria, que buscou recuperar a fé ortodoxa. Em 430, o Sínodo de Roma condenou as idéias de Nestório.

Desqualificando o nestorianismo, o Concílio de Éfeso definiu explicitamente que Maria é Mãe de Deus (“Theotokos”), aos 22 de junho de 431. Classificou o nestorianismo como heresia e depôs Nestório de sua sede patriarcal. O povo acolheu com alegria e grande festa os resultados do Concílio.

O objetivo do Concílio de Éfeso era afirmar a unidade da pessoa de Cristo. Maria é Mãe de Jesus Cristo, o Filho de Deus que se encarnou. Toda Mãe é Mãe de uma pessoa. Qual a pessoa que nasceu de Maria? A pessoa que nasceu de Maria é a segunda pessoa da Santíssima Trindade, que dela assumiu a carne humana. Maria não é, porém, a mãe apenas de carne humana, mas de toda a realidade do seu Filho, que tinha uma só Pessoa. Daí dizer que Maria é Mãe de Deus, não enquanto Deus sem mais, mas enquanto Deus feito homem. Portanto, “Theotókos” significa, teologicamente, não genitora da divindade, mas geradora do Verbo encarnado.

::Dogmas Marianos – A Maternidade Divina::

Origem do Título

Os estudiosos estimam que o título Mãe de Deus (“Theotókos”) apareceu pela primeira vez, na literatura cristã, nos escritos de Orígenes de Alexandria (+ 250).

Diversos Padres da Igreja afirmavam a maternidade divina de Maria. São João Damasceno (675-749) explicava tal dogma do seguinte modo: “Nós dizemos que Deus nasceu de Maria, não no sentido de que a divindade do Verbo dependia de Maria, nas no sentido de que o Verbo, o qual, fora antes do tempo, nasceu do Pai, é eterno como o Pai e o Espírito Santo; na plenitude dos tempos viveu no seu seio, para nossa salvação e sem mudança, tornou carne e nasceu dela. A Virgem não gerou simplesmente um homem, mas um verdadeiro Deus, Deus não sem carne, mas feito carne”.

Vários Concílios da Igreja referiram-se à maternidade divina de Maria, reafirmando e esclarecendo o dogma. Realizado em 451, o Concílio de Calcedônia deu uma formulação mais verbal e jurídica às afirmações do Concílio de Éfeso. Com sua linguagem própria, dizia tal Concílio: “O Filho que antes dos séculos é gerado pelo Pai segundo a divindade, do mesmo modo, nos últimos dias, por nós e por nossa salvação, é gerado por Maria virgem Mãe de Deus segundo a humanidade”.

Raízes Bíblicas

A maternidade divina de Maria tem profundas e sólidas raízes bíblicas. Os evangelhos referem-se, várias vezes, a Nossa Senhora como Mãe de Jesus. Com o título de “Mãe”, a Virgem Santíssima é designada 25 vezes no Novo Testamento.

De maneira concisa, São Paulo afirma: “Quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou o seu Filho. Ele nasceu de uma mulher, submetido à Lei para resgatar aqueles que estavam submetidos à Lei, a fim de que fôssemos adotados como filhos” (Gl 4,4-5). Assim, Jesus Cristo, aquele que foi enviado do Pai, é também filho de Maria.

A fundamentação bíblica encontra-se, explicitamente, em todos os evangelistas. São Mateus mostra que Maria gera Jesus Cristo por obra do Espírito Santo (Mt 1,18-25). Deixa claro que Jesus, o Filho de Maria, é o Salvador prometido por Deus nas Sagradas Escrituras (Mt 2,1-12). Chama também Maria de mãe de Jesus (Mt 13,55).

São Lucas diz que a concepção de Jesus por Maria procede da ação do Espírito Santo (Lc 1,26-38). Mostra que ela é reconhecida como mãe do Salvador (Lc 1,39-45). Descreve que ela dá à luz a Jesus Cristo em Belém, na Judéia (Lc 2,1-7).

São Marcos menciona que Jesus Cristo é o filho de Maria (Mc 3,31-35;6,3).

No Evangelho de João, Maria não é indicada pelo nome próprio, mas pela sua missão de ser mãe. Nas bodas de Cana, o título “Mãe de Jesus” é repetido 3 vezes (Cf. Jo 2,1.3.5); “sua mãe” aparece 1 vez (Cf. Jo 2,12). No Calvário, a denominação “Mãe de Jesus” é referida 1 vez (Cf. Jo 19,25); “sua mãe” encontra-se 3 vezes (Cf. Jo 19,26-27). Em outro texto, João faz referência que Maria é mãe de Jesus (Jo 6,42).

Ao apresentar a primeira comunidade cristã, o livro dos Atos dos Apóstolos narra que os apóstolos tinham os mesmos sentimentos e eram assíduos na oração, junto com algumas mulheres, entre as quais Maria, a mãe de Jesus (Cf. At 1,12-14).

Base da Teologia Marial

A maternidade divina de Maria é base e princípio fundamental da teologia marial. Está na origem dos demais dogmas marianos. Todas as graças, privilégios e títulos de Maria estão fundamentados nesta verdade mariana. A maternidade divina de Maria é a chave explicativa de seu mistério e missão. Mais do que um privilégio pessoal, a maternidade de Nossa Senhora está a serviço da salvação do povo.

O dogma da maternidade divina nos ensina que Deus, na pessoa de Jesus Cristo, entrou na história humana. “Proclamar Maria Mãe de Deus significa proclamar que, realmente, o Reino de Deus ‘já está no meio de nós’ (Lc 17,21;Mt 4,17). Deus já está dentro de nossa história e é um dos nossos, tendo assumido tudo, menos o pecado. Maria é aquela que, em nosso nome, colaborou para que isso acontecesse” (Dom Murilo S. R. Krieger, bispo e escritor mariano).

::1585 anos da proclamação do Dogma da Maternidade divina de Maria::


Escrito por
Pe. Eugênio Bisinoto, C.Ss.R. (Pe. Eugênio Bisinoto, C.Ss.R.)
Pe. Eugênio Bisinoto, C.Ss.R.

Redentorista da Província de São Paulo, formado em filosofia e teologia. Atuou como formador, trabalhou no Santuário Nacional, onde foi diretor da Academia Marial.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Eugênio Antônio Bisinoto, C.Ss.R., em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.