Por Rádio Aparecida Em Notícias Atualizada em 08 OUT 2020 - 16H41

Candidaturas femininas batem recorde nas eleições municipais

Shutterstock
Shutterstock

Ouça a reportagem ou, se preferir, leia:

A eleição deste ano marca um recorde de candidatas mulheres na disputa. Ao todo até o momento, são 183 mil 236 candidaturas femininas. Com isso, de acordo com os dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), houve avanço de 17,8% na comparação com o pleito municipal de 2016. Segundo a deputada federal Tábata Amaral, do PDT, o número mais elevado se deve aos movimentos de incentivo para participação das mulheres.

Mesmo assim, a participação das mulheres na corrida eleitoral ainda tem mais relação com a lei que prevê a reserva de pelo menos 30% de candidaturas e de recursos. Por isso, Tábata Amaral acredita que é preciso fiscalizar mais de perto a participação de todos os segmentos no pleito. A deputada reforçou que o mais importante neste momento é buscar o melhor representante para os anseios da coletividade.

Apesar do crescimento nos cargos legislativos, as mulheres aparecem também mais como vice nas chapas que disputam as prefeituras. O número de mulheres que se colocaram como opção para assumir prefeituras das capitais em 2016 era de 38 dos 209 concorrentes (18,1%). A quantidade de candidaturas femininas até subiu para 56. Mas com um número maior de candidatos, no total de 314, a participação se manteve estável: 17,8%.


Brasil se aproxima de 150 mil óbitos por Covid-19

Shutterstock
Shutterstock


Ouça a reportagem ou, se preferir, leia:

A queda de um único avião provoca comoção mundial. Imagine 285 aeronaves Airbus terem despencado em solo brasileiro desde março. A média seria superior a um acidente aéreo por dia. Essa comparação vai se tornar real agora que o país atinge praticamente a marca de 150 mil pessoas mortas por Covid-19.

O número impressiona, assusta e deve continuar preocupando até que maior parte da população ser imunizada com uma vacina eficiente.

Um dos motivos para alcançar essa triste marca, segundo o Dr. Antonio Pithon Cyrino, professor do Departamento de Saúde Pública da Unes foi o negacionismo, por parte de membros do Governo Federal e também uma falta de coordenação nacional no enfrentamento do problema.

Na visão da professora e doutora em saúde pública da Universidade Estadual do Paraná, Maria Antônia Costa, o número de óbitos poderia ter sido evitado se houvesse uma maior atenção e promoção aos cuidados com saúde primária dos brasileiros.

Não são apenas números, são pessoas que morrem e deixam entes queridos. Doutor Marco Akerman, professor de saúde pública da USP destaca que para ele, esses dados devem gerar em nós uma reflexão: Qual projeto de país, queremos para o futuro?

🔊 Gostou desse podcast? Compartilhe com os amigos e ouça mais conteúdos!
Na parte superior da página (logo abaixo do título) clique no botão do WhatsApp ou das demais redes sociais.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Receba novidades

Cadastre seu e-mail e receba notícias mensalmente

Parabéns, seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Você deve receber nossas novidades em breve.

Ops, tivemos um possível erro no cadastro de seu e-mail.
Tente novamente por favor.

Tentar novamente
Facebook

Boleto

Carregando ...

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Rádio Aparecida, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Carregando ...