Notícias

Com isenção do IOF, brasileiro terá mais facilidade de crédito

Escrito por Rádio Aparecida

21 DEZ 2020 - 14H07 (Atualizada em 21 DEZ 2020 - 15H02)

Shutterstock

Ouça a reportagem ou, se preferir, leia:

Até final de dezembro o brasileiro terá mais facilidade de obter crédito. Isso porque volta a valer, nesse período a isenção do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). A alíquota original, de 3%, foi zerada em abril, para ajudar a mitigar os impactos da pandemia do coronavírus sobre a economia. A medida, que inicialmente deveria valer por três meses, foi sendo prorrogada - na última, foi estabelecido prazo até 31 de dezembro.

O economista Dr. José Dari Krein acredita que a medida é um incentivo, mas não deve surtir efeito pelas incertezas econômicas do país. E que o índice de endividamento do brasileiro está alto e isso deve impedir que o consumidor busque novos créditos.

O principal alerta do economista, é justamente sobre a instabilidade do mercado de trabalho, já que o endividamento não é da cultura do brasileiro, que presa pelo nome limpo, mas que pode sofrer com demissão inesperada.

Ajuste fiscal e sinalizações positivas no combate a pandemia podem ditar ritmo mais positivo do dólar




Ouça a reportagem ou, se preferir, leia:

Mesmo ainda sentindo a crise econômica causada também pela pandemia do novo coronavírus, a expectativa do mercado é de melhora e, com isso, diminuição das pressões, fazendo com que o Brasil volte a receber olhares de investidores.

Segundo o economista Reinaldo Cafeo, da Abracam (Associação Brasileira de Câmbio), entre as razões para que isso aconteça estão a mudança de comando nos Estados Unidos, a promessa de uma vacinação em larga escala contra a Covid-19 e a expectativa de avanço de reformas no Brasil. E essas sinalizações positivas já tem dado mais estabilidade ao dólar.

Para Reinaldo Cafeo, o ajuste fiscal é primordial para dar mais segurança no câmbio brasileiro, demonstrando que o governo terá austeridade para lidar com as dívidas.

Observatório Covid-19 BR pede medidas mais duras para frear segunda onda

Shutterstock
Shutterstock


Ouça a reportagem ou, se preferir, leia:

O Brasil está acompanhando um novo crescimento nos casos de coronavírus e novos recordes estão sendo registrados. Diante dessa situação, um grupo de pesquisadores emitiu um comunicado no qual pede o fechamento de comércio e serviços não essenciais.

O Observatório Covid-19 BR alerta ainda que, talvez, seja necessário a implantação de um toque de recolher noturno.

- Uma pesquisa divulgada pelo Datafolha aponta que 66% dos brasileiros aprovam o fechamento de escolas e restrições a lojas, bares e restaurantes neste final de ano. Seria este o melhor momento para que os governos adotassem novas medidas? Essas restrições precisam ser implantadas por quanto tempo?

- A permissão para bares e academias funcionarem faz com que as pessoas não compreendam a gravidade da situação que estamos enfrentando?

- A expectativa com relação a vacina também pode estar fazendo com que as pessoas percam o medo e deixem de se cuidar?

- Se a pandemia não for controlada, uma campanha de vacinação daria conta disso?

🔊 Gostou dessa reportagem? Compartilhe!

Na parte superior da página (logo abaixo do título) clique no botão do WhatsApp ou das demais redes sociais.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Receba novidades

Cadastre seu e-mail e receba notícias mensalmente

Parabéns, seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Você deve receber nossas novidades em breve.

Ops, tivemos um possível erro no cadastro de seu e-mail.
Tente novamente por favor.

Tentar novamente
Facebook

Boleto

Carregando ...

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Rádio Aparecida, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Carregando ...