Por Andresa Custódio Em Notícias

Mitos e verdades da ração canina e o impacto na saúde do bichinho

 

Muitos pensam que as rações industrializadas provocam doenças, em razão do excesso de conservantes químicos, mas os veterinários especializados em nutrição animal discordam. Rações de melhor qualidade passam por certificação rigorosa e utilizam conservadores como vitamina E e antioxidantes naturais ou conservantes químicos em baixíssima quantidade.

Dietas caseiras sem balanceamento têm levado animais aos consultórios com deficiências nutricionais. Quando a opção for a alimentação natural, é necessário que a orientação e o preparo da rotina alimentar sejam realizados por profissionais capacitados para compreender as necessidades e demandas específicas de cada cão.

As rações chamadas “premium” e “super premium” reúnem carboidratos, gorduras, fibras, minerais, vitaminas e proteínas. Também deve-se observar o extrato etéreo, ou seja, a gordura da ração. O índice considerado bom gira em torno de 14% da composição. O teor de gordura é importante para garantir energia ao cão.

Na embalagem encontram-se discriminados os prebióticos como mananoligossarideo, inulina e frutooligossacarideos, que tornam o produto mais digestivo. A presença de hexametafosfato de sódio também é importante, pois o composto ajuda a prevenir a formação da placa dentária.

As rações com grande quantidade de fibras ou minerais são consideradas de pior qualidade, mas dependendo da necessidade, são indicadas para ajudar no tratamento de animais obesos ou diabéticos. De forma geral, o mais prático para uma boa alimentação é optar por rações mais elaboradas e ficar atento à quantidade oferecida, evitando o sobrepeso. Evite os produtos de baixa qualidade (compostas por grãos), que podem conter substâncias tóxicas produzidas por fungos e causar danos à saúde dos cães.

Os alimentos classificados como de manutenção ou terapêuticos apresentam características para que os bichos respondam melhor à determinada sensibilidade, como por exemplo, predisposição para doenças de pele e devem ser indicados por veterinários.

Para os animais com problemas renais, há rações com baixa quantidade de sódio e potássio. Do mesmo modo, existem produtos para os diabéticos ou com colesterol alto. Mas atente-se: os alimentos terapêuticos funcionam apenas como coadjuvantes no tratamento de enfermidades.

Fonte: Uol Estilo de vida 

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Andresa Custódio, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.