Por Laura Galvão Em Assembleia Geral CNBB

CNBB estuda trabalhos pastorais com Famílias, Juventude e Amazônia

coletiva_bispos_ag_cnbb

No terceiro dia da Assembleia Geral da CNBB, as discussões refletiram importantes trabalhos pastorais da Igreja do Brasil. O arcebispo emérito de São Paulo (SP), cardeal Cláudio Hummes, o bispo de Caxias (MA), dom Vilson Basso, e o bispo de Osasco (SP), dom João Bosco Barbosa, atenderam a imprensa na tarde desta sexta-feira (08) e comentaram assuntos relacionados.

Igreja na Amazônia e desafios ambientais

Dom Cláudio Hummes, que também é o presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia, ressaltou problemáticas ambientais e pontuou a responsabilidade da Igreja nestas questões.

“A igreja tem que ajudar a proteger o planeta. O Papa Francisco nos mostrou que temos motivos religiosos e éticos para cuidar do planeta, portanto a Igreja deve ser uma das grandes estimuladoras dessa mudança”, afirmou.

Foto: Ivan Simas/A12

dom_claudio_hummes_coletiva_cnbb

Dom Claudio Hummes - Comissão Episcopal para a Amazônia

O arcebispo emérito também explanou o panorama da realidade Amazônica: “A Igreja da Amazônia é dinâmica, mas muito sacrificada por falta de recursos. Faltam missionários e como não ocupamos todos os espaços, outras crenças têm chegado à Amazônia”.

Ele ainda ressaltou a importância de se ter uma Igreja mais “inculturada” e destacou a situação dos indígenas, dizendo que é necessária uma “igreja católica indígena”, que devolva a esses povos o “protagonismo da sua cultura religiosa”.

Dom Cláudio Hummes encerrou sua fala chamando a atenção para a realidade específica do Marajó. “Saí de lá de coração cortado por conta do abandono que aquela região sofre”.

Segundo ele, o povo marajoara não tem possibilidades de emprego e há o grande problema de prostituição de menores e abuso sexual infantil cuja responsabilidade o bispo remeteu à falta de vigilância e punição. “Impunidade é inaceitável! É intolerante, ela tem que ser denunciada constantemente”, encerrou.

Pastoral Juvenil e Romaria Nacional da Juventude

Dom Vilson Basso, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, deu sequência à coletiva abordando os trabalhos da Igreja com os jovens do Brasil.

Foto: Ivan Simas/A12

dom_vilson_basso_coletiva_cnbb

Dom Vilson Basso - Comissão Episcopal para a Juventude

Ele iniciou dizendo que a Igreja tem se preocupado com a realidade dos jovens que enfrentam violência e drogas, muitos não trabalham, não procuram emprego e nem estudam. “Essa realidade faz parte da representação pastoral da Igreja. Temos a missão de animar a juventude, fazer chegar ao coração essa preocupação da igreja, dizendo: ‘vocês são importantes, queremos que vocês possam crescer com a dignidade de filhos de Deus’”.

Como linha de atuação da Pastoral, o bispo destacou o projeto Rota 300, que prepara a juventude para a celebração do Jubileu de encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida. Dentro deste projeto, acontece a Romaria Nacional da Juventude neste final de semana, no Santuário Nacional. “Queremos colocar os jovens no coração dos bispos e os bispos no coração dos jovens”, completou. 

Exortação “A Alegria do Amor” e Pastoral Familiar

Sobre a exortação apostólica de Papa Francisco “A Alegria do Amor”, publicada nesta sexta-feira, o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, dom João Bosco Barbosa, refletiu sobre pontos importantes para a atuação da pastoral familiar.

Segundo ele, “a grande novidade é o tom de misericórdia. As palavras que o Papa mais repete diante das situações difíceis são: misericórdia, acolhimento carinhoso, inclusão e o papel de mãe da Igreja”.

Foto: Ivan Simas/A12

dom_joao_bosco_coletiva_cnbb

Dom João Bosco - Comissão Episcopal para a Vida e a Família

Nesse sentido, o bispo explicou que um decreto da Igreja não pode acabar com as polêmicas e resolver os problemas do mundo. Ao invés disso, “o papa insiste no acompanhamento pastoral de maneira de que cada situação tome sua possível resolução”.

O bispo encerrou ressaltando que a Exortação será objeto de estudos da Comissão e da Pastoral Familiar, como próximos passos. Ele também anunciou a publicação de um subsídio anual para grupos da Pastoral Familiar, chamado “Hora da Família” que está disponível no site da Comissão.

Também divulgou o 6º Simpósio Nacional da Família, que será realizado em Aparecida nos dias 21 e 22 de maio, e a 8ª Peregrinação da Família a Aparecida, no dia 22, com o tema: “Família e misericórdia se encontram no coração da Mãe”.

Outras temáticas a Assembleia Geral da CNBB 

Dom Darci Niciolli, presidente da Comissão de Comunicação, afirmou também que durante a sexta-feira da Assembleia estão sendo discutidos temáticas como o Dízimo, o projeto Pensando o Brasil – que trata da realidade social, econômica e política no Brasil – e o trabalho da Comissão dos Bispos Eméritos.

 

 

54ª Assembleia Geral da CNBB

Acompanhe a cobertura completa no endereço: a12.com/CNBB e interaja por meio das hashtags: #‎AGCNBB2016 #CNBB #A12

  

Veja abaixo a coletiva na íntegra: 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Laura Galvão, em Assembleia Geral CNBB

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.