Por Polyana Gonzaga Em Assembleia Geral CNBB

Em coletiva, bispos abordam conjuntura política e tragédia em Mariana (MG)

A conjuntura política, econômica e social do Brasil e a tragédia do rompimento da barragem em Mariana (MG) foram assuntos destacados na coletiva de imprensa do 1º dia da 54ª Assembleia Geral da CNBB, na tarde desta quarta-feira (06). Atenderam a imprensa, o arcebispo de Mariana (MG), dom Geraldo Lyrio Rocha, e o bispo de Campos (RJ), dom Roberto Francisco Ferrería Paz.

Conjuntura política e tragédia em Mariana (MG) são assuntos comentados na AG CNBB

Ainda foram apresentados aos jornalistas outros assuntos que estão na agenda de trabalho dos bispos em Aparecida (SP), como atuação dos leigos e leigas na Igreja e na sociedade, o XVII Congresso Eucarístico Nacional, o 5º Centenário da Reforma de Martinho Lutero (1483-1546), além dos jogos olímpicos e paraolímpicos do Rio de Janeiro.

Sobre a conjuntura político-social do Brasil, dom Geraldo Lyrio Rocha destacou que foi formada uma comissão para elaborar um texto que será aprovado e divulgado durante o período de realização da Assembleia Geral.

Sobre o assunto, dom Roberto Francisco Ferrería Paz, acrescentou que neste ano de eleições municipais é necessário resgatar o sentido da política e promover um diálogo acerca da crise que vive o país. O bispo de Campos (RJ) integra a comissão que vai preparar uma nota sobre as Eleições 2016.

“As eleições 2016 são municipais e se teme que com todo este panorama de descrédito ou até mesmo de acusação leviana de toda classe política existam um absentismo eleitoral bastante volumoso, expresso seja em voto em branco ou voto em nulo. Nós temos que resgatar o sentido da política”, afirmou.

Respondendo ao questionamento de um jornalista sobre a situação atual do país, dom Roberto Francisco Ferrería Paz salientou que a CNBB como Igreja não pratica política partidária, não apoia nenhum partido e cabe aos leigos fomentar e animar a política no Brasil.

“Isso é incumbência justamente do documento dos leigos. Cabe aos leigos pertencerem, animarem os partidos”, afirmou.

Tragédia de Mariana – Dom Geraldo Lyrio Rocha falou sobre a tragédia ocorrida em 5 de novembro, no Distrito de Bento Rodrigues, município de Mariana (MG), provocada pelo rompimento da barragem de rejeitos Fundão, da empresa Samarco Mineradora, vitimando centenas de pessoas.

“Nós não estamos diante de uma catástrofe provocada pela natureza, estamos diante de uma grande tragédia ambiental, de magnitude incalculável, provocada pela mão humana. Portanto há responsabilidades das empresas mineradoras, o Estado e uma ausência de fiscalização por parte dos órgãos públicos”, afirmou.

Dom Geraldo afirmou que as empresas mineradoras estão dando apoio às famílias vitimas da tragédia, mas salientou que as ações ainda estão longe de recuperar as vidas perdidas.

“Tudo o que tem sido feito ainda está longe de vislumbrar soluções efetivas que permitam uma recomposição de um quadro que foi destruído desta maneira”, finalizou.

Acompanhe a cobertura completa no endereço: a12.com/CNBB e interaja por meio das hashtags: #‎AGCNBB2016 #CNBB #A12

 Veja abaixo a coletiva na íntegra:

 

 

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Assembleia Geral CNBB

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.