Por João Antônio Johas Leão Em Espiritualidade

A Páscoa de Jesus Cristo: Desfrutar o tempo Pascal

A Igreja nos acompanhou durante todo o nosso tempo de preparação para a Páscoa de Jesus. E agora que ele chegou, o que acontece?

Na vida, existem diversos “tempos” especiais para os quais nos preparamos de determinada maneira. Nos preparamos, por exemplo, para uma viagem de férias, para a maternidade e paternidade ou para alguma prova que precisamos estudar. Os exemplos são muitos, mas se olhamos atentamente, veremos que para cada situação nos comportamos de acordo com o que a realidade nos pede. Assim, se vamos viajar, preparamos as malas e por aí vai. Estamos chegando no tempo Pascal, para o qual nos preparamos durante quarenta dias quaresmais. E agora que ele chegou, o que acontece?

pascoa_jesus

A Igreja nos acompanhou durante todo o nosso tempo de preparação para a Páscoa de Jesus. O nosso “arrumar as malas” foram as obras de caridade, uma oração mais intensa, leituras espirituais, resumindo, um esforço particular por deixar nossos corações mais abertos para que Jesus venha fazer aqui a sua morada. Agora chegou o dia da viagem, mas o que seria isso na Páscoa?

Seria que disfrutemos com imensa alegria o dom que Deus nos faz em seu Filho ressuscitado. Todos sabemos, mas vale a pena meditar com carinho mais uma vez que “com a sua morte e ressurreição, Jesus indica a todos o caminho da vida e da felicidade”, como nos disse o Papa Francisco em sua mensagem 'Urbi et Orbi' na Páscoa do ano passado. Deus nos deu o maior de todos os presentes e espera que nós simplesmente o acolhamos em nossas vidas. Todo o tempo de preparação quaresmal foi para que possamos acolher de maneira renovada a Jesus em nossas vidas.

Por isso o tempo pascal é marcado, sobretudo, pela alegria. A verdadeira e profunda alegria cristã, que não impede as dores e sofrimentos, mas que os integra e os eleva à comunhão com Deus. No mistério da ressurreição está a fonte da nossa alegria porque aí vemos a vida vencendo a morte, o amor vencendo o ódio. “ “O amor é forte como a morte”, diz o Cântico dos Cânticos (8,6). Em Cristo, ele é mais forte do que a morte”! (Frei Cantalamessa, homilia de Sexta-feira Santa, 2013)

O Tempo Pascal, por sua vez, está inserido em um outro, que é o nosso Tempo aqui na Terra, a nossa vida cristã, que começou no Batismo e é eterna. Enquanto peregrinamos nessa vida, estamos em caminho rumo à Pátria Celeste, e ano após ano vivemos esse ciclo de tempos que chamamos de calendário litúrgico. Com ele, a Igreja caminha conosco e nos assiste na luta por uma vida cada vez mais santa.

Por que isso é importante? Porque não podemos esquecer que se bem a vitória de Cristo que celebramos no Tempo Pascal já aconteceu, precisamos estar sempre atentos para que ela se realize em nós. Pela nossa fragilidade, não podemos descuidar nunca da nossa luta contra o pecado, porque temos essa tendência a, pouco a pouco, nos afastar de Deus e esquecer de seus dons.

Vivamos esse Tempo Pascal com a maior de todas as alegrias possíveis, porque Deus se mostrou infinitamente misericordioso conosco. E por isso mesmo, nos aproximemos cada vez mais dele com um coração desejoso de ser cada vez melhor, mais fiel, mais santo.

João colunista assinatura 

 

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por João Antônio Johas Leão, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.