Por Pe. Antônio Queiroz, C.Ss.R Em Histórias de Vida

Amor e justiça, qual está acima?

Havia, certa vez, uma tribo de índios, cujo cacique era admirados por todos, devido à sua sabedoria, honestidade e bondade. Desejando que seus súditos vivessem em segurança, ele criou leis abrangendo todos os aspectos da vida tribal.

Um dia, surgiu um problema na tribo. Alguém estava cometendo pequenos furtos. O cacique reuniu a tribo e, com tristeza no olhar, frisou que não havia necessidade de furtos, pois todos tinham o necessário para viver. Assim, ele frisou que o responsável teria o castigo habitual: 20 chibatadas.

Os furtos, entretanto, continuaram. O cacique reuniu a tribo novamente e aumentou para 30 chibatadas. Apesar disso, os furtos não cessaram.

Por favor – suplicou o cacique – estou suplicando para o bem de vocês! Os furtos precisam parar. Eles estão causando sofrimento entre vocês! E aumentou o castigo para 40 chibatadas. Aqueles que estavam próximos dele viram que uma lágrima escorreu pela sua face.

Finalmente, um índio veio dizer que havia identificado o autor dos furtos. A notícia se espalhou e todos se reuniram para ver quem era. Um murmúrio de espanto percorreu a pequena multidão, quando a pessoa foi trazida por dois guardas. A face do cacique empalideceu de susto e sofrimento. Era sua mãe, uma senhora idosa e frágil.

Todos pensaram: E agora? Será que o cacique, mesmo assim, será imparcial? Seria o amor à sua mãe capaz de impedir o cumprimento da lei? O cacique disse:

- Meu amado povo, as 40 chibatadas serão aplicadas. Faço isso pela nossa segurança e pela nossa paz.

Acenou com a cabeça e os guardas fizeram sua mãe dar um passo à frente. Um deles retirou o manto dela, deixando à mostra suas costas ossudas e arqueadas. O carrasco, armado de chicote, aproximou-se e começou a desenrolar o seu instrumento de punição.

Nesse momento, o cacique deu um passo à frente, retirou o seu manto e todos puderam ver seus ombros largos e bronzeados. Com muito carinho, passou os braços ao redor de sua querida mãe, protegendo-a por inteiro com o próprio corpo. Encostou o seu rosto ao dela, misturando suas lágrimas. Fez sinal afirmativo ao carrasco e este desferiu 40 chibatadas nos ombros fortes do cacique.

Foi um momento inesquecível para toda a tribo, que aprendeu, naquele dia, como se podem harmonizar o amor e a justiça.

O amor tudo vence e encontra saída para as situações mais complicadas, sem quebrar a justiça. Este mesmo gesto fez Deus Pai conosco, enviando-nos seu Filho. “Deus amou tanto o mundo que lhe deu seu Filho único” (Jo 3,16).

(Fonte: Pe. Jesus Bringas)

Escrito por
Padre Antônio Queiróz dos Santos (Pe. Antônio Queiroz, C.Ss.R)
Pe. Antônio Queiroz, C.Ss.R

Mais conhecido como Padre Queiróz (in memoriam) recolheu ao longo de seu ministério centenas de histórias que falam de forma simples e popular da fé e das realidades do povo de Deus.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Queiróz, C.Ss.R., em Histórias de Vida

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.