Por Redação A12 Em Igreja Atualizada em 26 OUT 2018 - 12H37

Agentes da Pastoral da Aids refletem tratamento como prevenção da doença

Reprodução.
Reprodução.

No Brasil, um trabalho realizado pela Igreja atua junto às pessoas que vivem e convivem com o HIV. A Pastoral da Aids, que já beneficiou mais de 4 milhões  de brasileiros, esteve reunida durante seminário nacional na última semana e, durante esse encontro, reafirmou a sua posição enquanto promotora do respeito, tolerância, humanização e seu papel na conscientização e orientação quanto à prevenção, entre outros. 

O 16º Seminário Nacional, que ocorreu em Porto Alegre entre os dias 19 e 21 de outubro, discutiu a atuação do agente de pastoral na estratégia de tratamento como prevenção. Hoje, a pastoral está presente em 21 estados, e são milhares de agentes que realizam um trabalho desafiador, em união com organismos de saúde e outras instituições. 

Ao final do encontro, os agentes da pastoral formalizaram seus compromissos, entre eles: 

- Informar e orientar a população sobre a epidemia da Aids – formas de transmissão e de prevenção do HIV – e sobre o acesso à Rede de Saúde, principalmente nos eventos de grande concentração de pessoas (romarias, feiras, festividades etc), bem como nas ações comunitárias, nas campanhas da vigília pelos mortos de Aids e do Dia Mundial de Luta contra a Aids – 1º de dezembro;

- Continuar trabalhando no incentivo ao diagnóstico precoce, lançando mão de todas as oportunidades e meios disponíveis (teste rápido, convencional, fluído oral, auto-teste), respeitando os princípios de espontaneidade e sigilo, para que a população conheça sua sorologia e acesse o tratamento, evitando doenças oportunistas e mortes prematuras;

- Contribuir na difusão da importância do tratamento como prevenção, pois beneficia a pessoa, em primeiro lugar, e repercute na diminuição da propagação do HIV;

- Incentivar a organização de grupos de adesão, como espaços de acolhimento, escuta e suporte, que facilitam o acesso a serviços e profissionais de saúde qualificados para a realização do tratamento, que possibilita vida com qualidade;

- Propagar por todos os meios disponíveis que com os avanços da ciência e da tecnologia, com o acesso facilitado aos medicamentos que temos disponíveis, com boa adesão ao tratamento e com condições sociais favoráveis, mesmo tendo sido infectado por um vírus que ainda não tem cura, é possível viver com qualidade e dignidade e vencer a epidemia do HIV;

- Colaborar, enquanto Rede da Pastoral da Aids da Igreja Católica, na construção de respostas à epidemia, em conjunto com outros atores sociais, com os órgãos governamentais nas diferentes esferas, com outras religiões, movimentos, organizações e universidades, pois a complexidade da epidemia exige respostas multissetoriais.

Campanha para o Dia Mundial 

Durante o evento foi lançada a Campanha para o Dia Mundial de Luta contra a Aids – 1º de dezembro, que neste ano tem como tema “Aids tem tratamento: quem ama cuida e se cuida”. A data é importante para o movimento de Aids, tanto por ser um momento para sensibilizar a população sobre a realidade da epidemia, quanto por ser um momento de reafirmar a cidadania das pessoas que vivem com HIV.

Dom Eugênio Rixen e Frei José Bernardi, em entrevista ao A12, falaram sobre o trabalho realizado por essa pastoral, sua história, o preconceito que ainda persiste na sociedade. Confira: 


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.