Por João Antônio Johas Em Igreja Atualizada em 28 FEV 2019 - 10H42

Carnaval: É possível se divertir sem pecar?

Uma maneira caricata de pensar, comum para os que estão fora da Igreja, é a que enxerga no católico uma pessoa amargurada com a vida, reprimida por medo ou por um sentido do dever, que obedece cegamente a normas e preceitos vazios.

Nesse contexto, parece bem difícil falar que uma pessoa assim pode realmente se divertir, ainda mais quando o conceito de divertimento nos dias de hoje parece ser dar "rédea solta" para os apetites e desejos. Chegando a época do Carnaval, a coisa fica ainda mais evidente.

Shutterstock
Shutterstock

Pascal, pensador do século XVII, refletiu sobre o divertimento e como ele se mostra como um mecanismo para escapar de um contato mais profundo consigo mesmo. Ele diz, em sua obra chamada Pensamentos: “Nada é mais insuportável para o homem do que estar em pleno repouso, sem paixões, sem afazeres, sem divertimento, sem aplicação”. O homem aparece como um ser inquieto, que está sempre em busca de algo. Notemos que a palavra utilizada é “insuportável”, ou seja, é impossível, segundo Pascal, que o homem não esteja em busca de algo.

Se estamos sempre buscando algo e não sabemos bem o que procuramos, é porque não sabemos bem quem somos. E Pascal também se atém a esse ponto. Ele diz que, mesmo se nos permitíssemos entrar em nosso interior e descobrir quem realmente somos, cairíamos novamente no tédio e na fuga para o divertimento. Isso acontece pois, quando nos conhecemos, conhecemos também a nossa condição de pecadores, a nossa miséria, as nossas falhas. E isso é algo que não é fácil de assimilar. Por isso, ao ver tudo o que somos, escaparíamos de novo ao divertimento.

No Carnaval não é difícil identificar nos outros e, com um pouco de honestidade, em si mesmos, as motivações do divertimento. É uma fuga dos problemas do dia-a-dia? É uma fuga da própria identidade? É uma fuga das incertezas de nossas decisões? É a fuga de um relacionamento que não está dando certo? A fuga de um diálogo que não se está tendo?

Podem ser muitas as coisas que nos atraem para o divertimento e cada um precisa fazer um exame do momento em que vive. Para Pascal, o divertimento nos atrapalha a fazer essas perguntas realmente importantes para o homem.

Leia MaisO que seria do homem sem a virtude? Seria, então, todo divertimento um desvio? Como ser um católico alegre como nos pede tanto o Papa Francisco? Aqui temos que deixar um pouco Pascal de lado e afirmar que, junto à nossa grande miséria, a nossa condição de pecadores, ao descobrir a nossa identidade, descobrimos que Deus nos ama a tal ponto de nos dar o seu Filho único em expiação pelos nossos pecados. Ou seja, somos realmente pecadores, mas se estamos em comunhão com Deus, vivendo uma vida de Graça, somos pecadores perdoados, e esse é um motivo muito grande de alegria. Na verdade, é o maior motivo que podemos pensar para estarmos alegres. E é isso que festejamos, que celebramos, que nos dá a alegria de viver.

É claro que um católico pode se divertir sem pecar, sempre que esteja afirmando a sua identidade de filho amado e reconciliado por Deus. Uma grande dificuldade de hoje é que, até mesmo nós, católicos, queremos nos alegrar com outras coisas, nos assemelhar demais ao mundo a ponto de nos mesclar com o mundano.

É preciso sempre lembrar que estamos no mundo, mas não somos do mundo.

“Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos!” (Fl 4,4) É o convite de São Paulo para os Filipenses e para nós também. As duas partes da frase são importantes, "alegrai-vos" e "no Senhor", porque fora d'Ele não há verdadeira alegria, só euforia passageira.

Escrito por
Irmão João Antônio Johas (Redação A12.com)
João Antônio Johas

Licenciando em Filosofia pela Universidade Católica de Petrópolis, Pós-graduando em Antropologia Cristã pela Universidade Católica San Pablo em Arequipa, Peru.

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.