Por Polyana Gonzaga Em Igreja

Consumidor consciente e o descarte correto do lixo eletrônico

No Dia Internacional do Consumidor, comemorado neste dia 15 de março, vamos falar sobre os efeitos do consumismo. O tema é propicio e traz à tona debates sobre nossa responsabilidade quanto ao cuidado do planeta. 

Se você pensa que os efeitos do consumismo apenas dizem respeito a sua própria vida, se engana! Através das nossas escolhas e ações no dia a dia todo o planeta é afetado.

Reciclagem - Crédito do arte: cashy.me

Arte: Cashy.me

 

Mas em uma sociedade baseada no consumo como podemos contribuir para a diminuição dos impactos ambientais?

A resposta já é conhecida de muitos, mas praticada por poucos: Reciclagem do lixo, economia de água, economia de energia elétrica, não desperdiçar alimentos, não comprar o que você não precisa e isso vale para alimentos, brinquedos, produtos eletrônicos ou até mesmo cosméticos.

Poderíamos elencar aqui inúmeras maneiras de você contribuir com um planeta mais sustentável através de pequenas ações em sua rotina. Mas hoje vamos destacar o problema também recorrente do lixo eletrônico.

Rapidez na troca de equipamentos - Você já parou pra pensar em quantos celulares já comprou sem mesmo que ele parasse de funcionar ou quantas vezes você deu destino correto às pilhas e baterias?

Enquadram-se na categoria lixo eletrônico os celulares, aparelhos eletrodomésticos, ferramentas, equipamentos de som e vídeo, equipamentos de informática, brinquedos, objetos de iluminação e controles descartados por seus usuários.

A vida útil destes equipamentos pode parecer terminar quando simplesmente os descartamos, mas a partir deste ponto ele faz um caminho que pode interferir mais em nossas vidas do que quando eles estavam em nossa casa ou em nossa bolsa.

Contaminação - Existem várias classificações dos chamados e-lixo, e os danos causados ao meio ambiente e ao ser humano podem ser diretos ou indiretos dependendo do material: contaminação de solo, lenções freáticos, intoxicação, envenenamento. Além do dano indireto que é a escassez dos recursos naturais de nosso planeta, elevação da poluição devido à busca de novas matérias-primas (ex.: Mineração), além do desperdício de minerais que já foram um dia retirado de nossos recursos naturais.

Os números impressionam - Tais resíduos já representam 5% de todo o lixo produzido pela humanidade. Este valor não parece tão alarmante, entretanto, ele represente 50 milhões de toneladas de resíduos desta espécie, jogadas fora anualmente. O Brasil produz, aproximadamente, 1% deste total, sendo uma quantia aproximada de 2,5kg por habitante.

Então o que fazer com o lixo eletrônico que descartamos? 

A resposta não é fácil e a solução ainda não é animadora. Os fabricantes são obrigados a recolher pilhas e baterias por meio de uma rede de coleta, mas isso ainda não está acessível a todos. O mercado da reciclagem de eletroeletrônicos apresenta desafios como a tecnologia envolvida nos equipamentos, custos altos, destinação das peças entre outros.

De acordo com a Bióloga e Mestre em Sanidade, Segurança Alimentar e Ambiental, Marjorie D. A. Rodrigues, desde 2008, no Estado de São Paulo, o acesso das pessoas aos locais de coleta e reciclagem de lixo eletrônico ficou mais fácil. Em conjunto com o Instituto Sérgio Motta, a Secretaria do Meio Ambiente criou o projeto “e-lixo maps”, que associa um banco de dados de postos de coleta com a plataforma Google Maps.

No site, inserindo o CEP e o tipo de lixo eletrônico a ser descartado, é possível encontrar os locais mais próximos que recebem e reciclam esse tipo de resíduo eletrônico.

Os desafios são grandes. Mas o importante é começar a fazer a sua parte. As nossas pequenas ações fazem sim a diferença! 

 

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.