Por Irmão Diego Joaquim, C.Ss.R Em Igreja

Corrupção: um desafio para a humanidade

É preciso fazer justiça: a corrupção não é um patrimônio brasileiro. Em 2013, a União Europeia (UE) divulgou um relatório que mostrou o custo da corrupção naquele continente: 120 bilhões de euros.

Corrupção

O mais impressionante é a sensação de 75% da população, de que a corrupção esteja generalizada, e em crescimento. Seja na política, no crime organizado ou no setor privado: a obtenção de vantagens pessoais é um fenômeno que causa um pesado prejuízo na economia dos membros do bloco europeu.

E também por lá o financiamento privado dos partidos políticos é um dos principais catalisadores dos casos de corrupção. O ex-presidente da França, Nicolas Sarkozy, é suspeito de corrupção e tráfico de influência.

No ano passado, foi interrogado por mais de 15 horas para explicar uma doação em sua campanha eleitoral de 2007. Atualmente, a investigação está suspensa, mas a acusação ainda existe na Justiça francesa.

No Japão, a questão é enfrentada de forma mais radical. Em fevereiro deste ano o técnico da seleção japonesa de futebol, o mexicano Javier Aguirre, foi demitido após ser revelado que o resultado de uma partida do campeonato espanhol de 2010 teria sido vendido pelo treinador.

Em 2013, a imprensa japonesa revelou que o prefeito de Tókio, Naoki Inose, teria recebido um empréstimo de uma empresa privada em sua campanha eleitoral, o que não é permitido pelas leis do país. Inose admitiu o erro, pediu desculpas e se demitiu.

Recentemente, em visita à cidade italiana de Nápoles, o Papa Francisco usou palavras fortes para falar deste tema. “A corrupção fede, a sociedade corrupta fede. Um cidadão que se deixa corromper não é cristão”. O pontífice reconheceu que todos nós temos o potencial de cair nesta criminalidade, mas lembrou que precisamos ter a coragem de excluir da sociedade o “fedor da corrupção”.

No Brasil, com 30 anos de democracia em funcionamento, estamos vivendo o momento crucial de encontrarmos a maneira brasileira de identificar, punir e excluir a corrupção da máquina pública e privada.

O primeiro passo é ter a coragem de eliminar os vícios que alimentam o desejo de obter vantagem sobre os outros. E esta não é uma questão institucional, mas sim, individual.

Assinatura Ir. Diego Joaquim

Escrito por
Irmão Diego Joaquim, C.Ss.R.
Irmão Diego Joaquim, C.Ss.R

Missionário Redentorista da Província de Goiás

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.