Por Irmão Diego Joaquim, C.Ss.R Em Igreja

Natal: reabastecer de esperança

Há quem não goste das festas natalinas. Pode ser um tanto cansativo mesmo: são muitas confraternizações, “amigos-secretos”, trocas de presentes e músicas características. Mas é tudo próprio deste tempo, que nossa sociedade vive com um viés consumista, mas que para nós, cristãos, deve ser vivido como tempo de renovação de nossa esperança e fraternidade.

 

Natal em familia

Ao celebrar o nascimento de Jesus Cristo, recordamos esta ação de amor que Deus realiza pela humanidade. “Ele tinha a natureza de Deus, mas não tentou ficar igual a Deus. Pelo contrário, ele abriu mão de tudo o que era seu e tomou a natureza de servo, tornando-se assim, igual aos seres humanos” (Fl 2,6-7a). E como Santo Afonso, podemos exclamar diante do presépio: “Deus está com problemas, louco de amor, perdeu a cabeça de tanto amor”.

 

Ao celebrar o nascimento de Jesus Cristo, recordamos esta ação de amor que Deus realiza pela humanidade.

Contemplando o mistério da Encarnação do Verbo, os homens e mulheres de hoje encontram a coragem para renovar a fé em si mesmos e no próximo. Quando vemos Deus se tornar um de nós, por amor, e viver esta existência com fidelidade, Ele prova que todos nós hoje podemos fazer este mesmo caminho. Eis a esperança desta celebração: a humanidade tem jeito! Você e eu temos jeito, e chance de recomeçar! Precisamos, para isso, seguir o modelo divino, praticar a renúncia e ser próximos das pessoas, amando-as verdadeiramente.

É por isso que, mesmo sem perceber, as famílias se reúnem nesta época do ano; que os amigos querem trocar presentes; que os corações se tornam mais generosos e solidários às necessidades do próximo. E a humanidade parece ficar mais bonita, mais iluminada nestes dias de dezembro, mais cheia de esperança.

Aproveite bem este tempo para reencontrar os filhos que moram longe; o parente de que há tempos não se tinha notícia; perceber os cabelos brancos chegando e as crianças crescendo. Em torno da mesa da ceia de Natal, estando ela mais ou menos farta, o que realmente importa são os sorrisos e os olhares numa comunicação que só parece possível com quem nos viu nascer, crescer, e que tem o nosso sangue nas veias. E que este coração renovado na esperança faça com que o próximo ano seja, realmente, “novo” para todos nós.

Assinatura Ir. Diego Joaquim

Escrito por
Irmão Diego Joaquim, C.Ss.R.
Irmão Diego Joaquim, C.Ss.R

Missionário Redentorista da Província de Goiás

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.