Por Joana Darc Venancio Em Igreja Atualizada em 27 FEV 2019 - 09H53

O Bem Comum como consequência da harmonia entre os cidadãos

Shutterstock.
Shutterstock.

A CNBB propôs a Campanha da Fraternidade 2019 com o tema "Fraternidade e Políticas Públicas' e o lema "Serás libertado pelo direito e pela justiça", inspirado em Isaias 1, 27. Mas qual a relevância de uma Campanha da Fraternidade sobre Políticas Públicas?

O Papa emérito Bento XVI, na Carta Encíclica Deus Caritas Est, n. 28, explica:

"A Igreja não pode nem deve colocar-se no lugar do Estado. Mas também não pode nem deve ficar à margem na luta pela justiça. Deve inserir-se nela pela vida da argumentação racional e deve despertar as forças espirituais, sem as quais a justiça não poderá afirmar-se nem prosperar. A sociedade justa não pode ser obra da Igreja; deve ser realizada pela política, mas toca à Igreja, e profundamente, o empenhar-se pela justiça".

O texto base da campanha, que indicamos a leitura, aprofunda de forma didática e fundamentada o tema. Nesta reflexão, vamos nos centrar na importância de educar para a política, sinônimo de cidadania, ação tão tímida em nossa sociedade desencantada com tão bela arte.

O homem só existe na e pela sociedade; e a sociedade, na relação com o outro, em busca do bem comum. O Catecismo da Igreja Católica afirma:

Em conformidade com a natureza social do homem, o bem de cada um está necessariamente relacionado com o bem comum. Este só pode ser definido em referência à pessoa humana: Não vivais isolados, retirados em vós mesmos como se já estivésseis justificados, mas já estivésseis justificados, mas reuni-vos para procurar juntos o que é o interesse comum. (§1905)

Aristóteles nos fornece o conceito de phrónesis, que significa a prudência ou a sabedoria prática. As virtudes éticas e a phrónesis acontecem na experiência das relações humanas, no contexto da Polis (do grego: cidade); Civitas (Do latim: cidade). É nesse contexto político que o sujeito cumpre suas determinações e cria novas, que o identificam como cidadão. Portanto, não há como buscar novos rumos, novo tempo, ignorando a dimensão política. Vale conferir a Doutrina Social Igreja Católica:

A pessoa humana é fundamento e fim da convivência política. Dotada de racionalidade, é responsável pelas próprias escolhas e capaz de perseguir projetos que dão sentido à sua vida, tanto no plano individual como no plano social. A abertura para a Transcendência e para os outros é o traço que a caracteriza e distingue: somente em relação com a Transcendência e com os outros a pessoa humana alcança a plena e completa realização de si. Isto significa que para o homem, criatura naturalmente social e política, «a vida social ... não é qualquer coisa de acidental» mas uma dimensão essencial e incancelável. (384)

A busca pelo Bem Supremo somente pode ser alcançada na convivência e harmonia, com e na Pólis. No entanto, o viver bem não é definitivamente alcançado, já que não está preso em um tempo específico, mas se refaz na medida em que o homem decide para si novas determinações no seu ato constitutivo e reconstitutivo. Papa Francisco, na Encíclica Evangelli Gaudium, exorta com firmeza:

"Lembremo-nos que «ser cidadão fiel é uma virtude, e a participação na vida política é uma obrigação moral». Mas, tornar-se um povo é algo mais, exigindo um processo constante no qual cada nova geração está envolvida. É um trabalho lento e árduo que exige querer integrar-se e aprender a fazê-lo até se desenvolver uma cultura do encontro numa harmonia pluriforme. (220)".

Cada vez que o sujeito constitui a sua determinação, o que somente pode acontecer a partir da vida na Pólis, ele exerce a phrónesis, que é uma verdade prática que o contextualiza, humaniza e o coloca frente à interrogação sobre sua existência. No desvelamento de seu tempo, espaço e lugar, se torna criador e recriador de sua própria condição, superando a condição passiva e inclinando-se para o bem (agathós).

A Doutrina Social da Igreja também ensina:

"Viver e agir politicamente em conformidade com a própria consciência não significa acomodar-se passivamente em posições estranhas ao empenho político ou numa espécie de confessionalismo; é, invés, a expressão com que os cristãos dão o seu coerente contributo para que, através da política, se instaure um ordenamento social mais justo e coerente com a dignidade da pessoa humana [1185]".

Shutterstock.
Shutterstock.

O ser humano não é um ser pronto, mas se faz aos poucos, até que possa atingir seu desenvolvimento potencial. Nisto consiste a estreita ligação entre o éthos (costume) e o êthoshéxis (hábito), que se encontram no cotidiano da existência humana. Que o homem seja um animal e, como tal, limitado por uma série de determinações, é uma evidência, mas ele pode transcender sua mera condição biológica. Isso significa que, embora imerso na lógica determinista, o homem não se reduz à ela, mas se refaz, inclusive pela Política.

Neste sentido, a Educação é convocada a ser uma Poiésis, ou seja, ser criadora e criativa. Sem essa condição, estará presa aos determinismos que a impedem de contemplar novos horizontes. A Educação é, essencialmente, uma ação Política. Ela é lócus de formação do Político, do Cidadão. O sujeito da Educação não deve se contentar sobre todas as determinações que pesam sobre si, mas criar novas deliberações. Assim, podemos concluir que a Poiésis não é a indeterminação, mas a constituição de novas determinações. A vida deve ser constituída por escolhas, e não por fatalidades. Este é um dos grandes objetivos da Educação. A criação, entendida como novas determinações, não se estabelece numa relação de contrariedade entre o homem e a sociedade, pois esses são parte de um mesmo processo criador. Não existem dois domínios separados; o domínio da sociedade e domínio do homem. A Política unifica esses domínios e refaz a história humana.

.:: Acesse aqui a página da CF 2019

Escrito por
Joana Darc Venancio (Redação A12)
Joana Darc Venancio

Pedagoga, Mestre em educação e Doutora em Filosofia. Especialista em Educação a Distância e Administração Escolar, Teóloga pelo Centro Universitário Claretiano. Professora da Universidade Estácio de Sá. Coordenadora da Pastoral da Educação e da Catequese na Diocese de Itaguaí (RJ)

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.