Por Valquíria Vieira Em Igreja

Projeto no Litoral Norte de SP motiva devoção a São José de Anchieta

A Diocese de Caraguatatuba (SP) irá realizar nos dias 24,25 e 26 e junho o projeto “Caminhando com Anchieta” que consiste em uma caminhada de Ilhabela (SP) a Ubatuba (SP) conhecendo os lugares por onde o santo passou e participando de celebrações.

Foto de: Diocese de Caraguatatuba

peregrinos caminhando com anchieta litoral norte de sp diocese de caragua

Peregrinos participantes do projeto
"Caminhando com Anchieta"

O projeto visa motivar a devoção a São José de Anchieta, o coordenador dessa peregrinação padre André Luiz Ouriques, vigário da Catedral Divino Espírito Santo em Caraguatatuba falou sobre o papel de Anchieta na evangelização no Brasil.

“Penso que São José de Anchieta ainda fica muito vinculado apenas nos livros de história. Mas, ele foi muito mais que apenas o apaziguador. Foi homem de Deus, um evangelizador que através de tantos recursos primários e com toda a sua fragilidade humana, de saúde inclusive, se colocou ao lado dos índios. Sofreu também por eles”, ponderou.

 

"Foi homem de Deus, um evangelizador que através de tantos recursos primários e com toda a sua fragilidade humana, de saúde inclusive, se colocou ao lado dos índios. Sofreu também por eles”.

Em sintonia com o projeto essa é uma oportunidade de conhecer mais sobre Anchieta que também é considerado o fundador do teatro brasileiro, escreveu peças de teatro, ensinava latim e português aos colonos, seminaristas e aos índios, cuidava dos feridos, dava conselhos, escrevia poesias e autos em vários idiomas, inclusive o "tupi", conquistando de maneira concreta a confiança dos nativos.

Padre André destacou que o trabalho do Padre Anchieta foi digno e admirável sobre todos os aspectos

“ O Padre Anchieta além de auxiliar de modo eficiente a divulgar o cristianismo e a enraizá-lo no Brasil, levou o seu conhecimento, a sua fé e o seu imenso amor a grande parte do território nacional, percorrendo as distâncias quase sempre a pé, ou a cavalo e em embarcações, atendendo e socorrendo pequenos. Lançou os fundamentos da catequese e da educação dos jesuítas, útil e benéfica a todo o povo, e com seu carisma de comunicador, conseguiu um amplo e amigável entendimento com todos os índios”,enfatizou.

Segundo padre André, o santo Jesuíta era muito devoto de Nossa Senhora e em uma ocasião de conflito compôs um poema homenagenado a Mãe de Jesus.

“Como a situação do Tratado de Paz não se resolvia em São Vicente, Padre Manuel da Nóbrega decidiu voltar sozinho, deixando o Anchieta em Iperoig, Ubatuba, pois o retorno de ambos ia acabar com as esperanças de paz na região.        Sem a companhia de Nóbrega, o Irmão José passou a enfrentar sozinho o difícil problema da convivência com os índios. E como era o seu costume, rezava muito para Nossa Senhora, suplicando a preciosa proteção da Mãe de Deus e, sobretudo o auxilio Divino, para vencer todas as tentações e cumprir sempre a vontade do Senhor.Foi nesta ocasião que ele compôs o admirável e famoso poema a VIRGEM MARIA, escrevendo com uma vara, nas areias da praia de Iperoig. Como não tinha papel, decorou todo o poema e meses mais tarde, escreveu-o num caderno”, contou.

O projeto “Caminhando com Anchieta” está na segunda edição e é uma caminhada reflexiva, tendo a cada dia a possibilidade de participar de momentos litúrgicos. Os interessados podem fazer inscrição pelo blog saojosedeanchieta.blogspot.com.br.

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Valquíria Vieira, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.