Por Raquel de Godoy Retz Em Igreja

Quando dizer não aos filhos...

Colocar limites para crianças ou adolescentes é, sem dúvida, uma das mais importantes e difíceis tarefas dos pais.

Quando dizer não aos filhos

Todos sabem como isso é necessário para o bom desenvolvimento de qualquer pessoa. Não nascemos sabendo todas as regras sociais e nem os perigos da vida e precisamos que adultos nos digam o certo e o errado, até termos total autonomia para a reflexão e o enfrentamento das consequências na vida.

Uma criança ainda bebê já faz birra, se a mãe não lhe dá atenção por alguns minutos, porém precisa enfrentar esta pequena frustração para que perceba que nada irá acontecer de mal, quando ela não tem a mãe por perto o tempo todo, como desejaria.

Quando vai crescendo, diferentes nãos devem ser dados às crianças e depois ao adolescente, de forma a orientá-los para o caminho que os pais desejam que sigam. Pais e crianças apresentam sentimentos diferentes, quando o não aparece na relação.

Alguns pais sofrem ao aplicarem o limite do não a seus filhos. Sabe-se que o grande desejo dos pais, em nossa sociedade moderna, é a realização de todos os sonhos e vontades dos filhos. Vários pais trabalham muito mais horas, em busca de recursos financeiros, a fim de obter condições para realizar qualquer tipo de pedido de suas crianças.

O sentimento experimentado pelo adulto pode ser de impotência por não ter conseguido atender aos pedidos, ou de tristeza por ter que desagradar ao filho. Todavia, não se percebe que os limites são para todos, durante toda a vida. Nunca teremos todos os sonhos realizados e essa verdade deve ser ensinada às crianças, desde pequenas.

As crianças também não reagem sempre com compreensão. Algumas vezes, podem até ser bastante agressivas ao receberem o não, a seus planinhos e desejos. O sentimento que fica mais evidente é o de frustração. Choro, birra e até agressões verbais como "eu não gosto mais de você, já que não me dá isso ou não me deixa fazer aquilo" são as ferramentas encontradas pelos pequenos ou até adolescentes, para expressar o sentimento de frustração que ainda não está desenvolvido.

 

Pais que explicam as razões do não, agem com coerência, demonstram que gostariam de realizar os desejos do filho, mas que nem sempre isso é bom para ele ou é possível (...)

Em geral, pais que explicam as razões do não, agem com coerência, demonstram que gostariam de realizar os desejos do filho, mas que nem sempre isso é bom para ele ou é possível; a criança compreende e a reação ao limite tende a ser de compreensão, mesmo que ainda tenha algum pequeno e passageiro sofrimento.

Quando o limite é sobre um comportamento, por exemplo "você não estudou, tirando notas baixas e agora a consequência é ficar sem o computador, já que este equipamento é que afasta sua atenção dos estudos", indica o comportamento errado e liga-se à consequência de um castigo, com forte relação entre os fatos. Desta forma, é mais fácil uma criança ou adolescente aceitar o castigo e compreender o limite.

Jovens ou crianças sem limites, sem receber não, pensam que mandam na vida, mandam nos pais, professores, colegas. Mas a vida é dura e irá ensiná-los, sem o carinho e a segurança da família. As drogas, os bandidos mais violentos, o eterno desemprego e a falta de amigos verdadeiros é a herança para a falta de limites.

Estabelecer limites, quanto for necessário, pode até atormentar os pais e provocar lágrimas passageiras em crianças ou reclamações em adolescentes e jovens, mas aprender a lidar com frustrações e ter limites na vida é um presente de amor profundo pelo seu próprio filho. Diga não sempre que preciso.

Assinatura Raquel de Godoy Retz

Escrito por
Assinatura Colunista Raquel
Raquel de Godoy Retz

Raquel de Godoy Retz

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.