Por Polyana Gonzaga Em Liturgia Atualizada em 27 NOV 2019 - 09H00

Advento: Tempo das promessas

O tempo do Advento é o tempo da esperança. Com os olhos voltados para o alto, todos nós cristãos esperamos pelo nascimento de Jesus, na manjedoura.

 

De acordo com o Missionário Redentorista, padre Luiz Carlos de Oliveira, o povo de Deus clamou por um salvador durante séculos, mas não perdeu a esperança.

 

Na expectativa do Natal, já ouvimos os rumores da festa. A festa vai além do que nossos olhos veem.

 

“A grande festa é a vida do Filho de Deus que vem viver conosco e em nós. Ele está para chegar. Esta certeza responde às profecias que o anunciaram. Um dia aconteceu esta chegada de Deus em nosso meio pelo nascimento de Jesus”, afirmou.

 

Para o padre, nosso Natal é uma celebração memorial que quer repropor à memória os fatos, e ao mesmo tempo é uma celebração onde a Igreja vive a presença de Jesus, a manifestação das misericórdias de Deus.

 

“Esta celebração da encarnação e nascimento de Jesus tem por finalidade propor para nós o que aconteceu naquele dia. Não se repete o fato, mas por dom da sabedoria de Deus, nós nos fazemos participantes, não um fato histórico do passado, mas de toda a ação do Deus que se manifestou. Nossa relação com o mistério do Natal é maior do que a própria visão humana dos que presenciaram os fatos, pois o que vê pela fé e recebe tudo o que Deus oferece em seu Filho”.

 

O Missionário Redentorista ressalta que Deus nos faz presentes não ao fato histórico, mas nos une ao próprio acontecimento redentor. Se nos abrirmos, pela disposição da fé, e levamos para nossa vida sua presença e missão, nós vivemos bem o Natal.

 

“Nós o tornamos presente e nós somos Natal. Abri as portas ao Redentor! É o grito desta festa. Abrindo as portas de nossa vida, o mistério de Jesus (sua vida, palavra e graça) invadem nossa vida de modo que somos uma continuação deste acontecimento de Deus ser Emanuel, Deus conosco, fazendo-o presente por nossa vida. Toda a celebração é um momento especial para a comunidade”.

 

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Liturgia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.