Santo Padre

Papa rejeita renuncia de Arcebispo de Munique

Escrito por Redação A12

10 JUN 2021 - 10H38 (Atualizada em 10 JUN 2021 - 13H07)

Vatican News cardeal-marx (Vatican News)

 "Obrigado por sua coragem cristã, que não tem medo de ser humilhado diante da tremenda realidade do pecado. Assumir a crise, pessoal e comunitariamente, é o único caminho frutuoso", disse o Papa em carta enviada ao Arcebispo de Munique e Freising, Cardeal Reinhard Marx.

De acordo com publicação da Vatican News, Marx havia pedido ao Papa para poder deixar a condução da Arquidiocese alemã por causa do escândalo de abusos na Alemanha e da resposta por ele julgada insuficiente do episcopado. Mas Francisco lembra que "toda a Igreja está em crise por causa do caso de abusos" e que "a Igreja hoje não pode dar um passo adiante sem assumir esta crise", porque a política do avestruz não leva a lugar algum, e a crise deve ser assumida por nossa fé pascal. Os sociologismos e os psicologismos são inúteis". Portanto, "enfrentar a crise, pessoal e comunitariamente, é o único caminho frutuoso, porque não se sai de uma crise sozinho, mas em comunidade", respondeu o Papa.

Leia MaisPapa Francisco: a alegria que nos contagia!O Papa concorda com a descrição da crise proposta pela carta de Marx:

"Concordo contigo ao descrever a triste história dos abusos sexuais e a maneira como a Igreja tem lidado com ela até recentemente como uma catástrofe.

Perceber esta hipocrisia na forma como vivemos nossa fé é uma graça, é um primeiro passo que devemos dar. Devemos assumir a história, tanto pessoalmente como em comunidade. Não podemos ficar indiferentes a este crime. Aceitar significa colocar-se em crise".

Francisco ainda respondeu que as situações históricas devem ser interpretadas com a hermenêutica da época em que aconteceram, mas isso não nos isenta de assumi-las e assumi-las como a história do 'pecado que nos sitia'.

Portanto, todo bispo da Igreja deve assumir isso e se perguntar: o que devo fazer diante desta catástrofe?

"Hoje nos é pedido uma reforma, que - neste caso - não consiste em palavras, mas em atitudes que tenham a coragem de enfrentar a crise, de assumir a realidade quaisquer que sejam as consequências. E toda reforma começa por si mesmo. A reforma na Igreja foi feita por homens e mulheres que não tiveram medo de entrar em crise e deixar-se reformar pelo Senhor", detalha o Santo Padre.

O Pontífice também afirma que não seremos mais do que 'ideólogos da reforma', que não arriscam sua própria carne, como fez Jesus, que o fez com sua vida, com sua história, com sua carne na cruz. "É o caminho, a maneira que tu mesmo, querido irmão, assumiste ao apresentar tua renúncia, porque 'enterrar o passado não nos leva a nada'. O silêncio, as omissões, dar muito peso ao prestígio das instituições só leva ao fracasso pessoal e histórico".

Francisco também escreve que aprecia o final da carta de Marx e sua disposição de continuar, de bom grado, "a ser sacerdote e bispo desta Igreja", comprometendo-se com a renovação espiritual"E esta é minha resposta, querido irmão" - conclui o Papa. "Continua como tu propões, mas como arcebispo de Munique e Freising", recordando que o Bispo de Roma, Sucessor daquele Pedro que tinha dito a Jesus "Afasta-te de mim, porque sou um pecador", pode compreendê-lo bem e o convida a ouvir a resposta que o Nazareno deu ao Príncipe dos Apóstolos: "Apascenta as minhas ovelhas".

Fonte: *Com informações da Vatican News

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Santo Padre

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.