Por Fr. Rimar Em Redentoristas

Experiências do estágio pastoral na Vice Província de Luanda

No mês de julho, dois estudantes junioristas, um da Província de São Paulo e outro da Vice-Província de Recife realizaram o seu Estágio Pastoral em Angola. Depois de nos contarem um pouco da história da presença dos redentoristas em Angola, de falar de seu aprendizado trazem aqui a conclusão de sua experiência apostólica e porque não, cultural. 

Vida e missão

A presença, a visita e o convívio que tivemos com os confrades da vice Província de Luanda em nossa experiência de Estágio Pastoral, nos trouxe diversos nexos vivenciais diante de uma desafiante realidade pastoral. Esta experiência nos proporcionou a oportunidade de alargar os nossos horizontes e romper certas muralhas preconceituosas.

A Congregação do Santíssimo Redentor, presente em diversas partes do mundo, mostra-se viva e eficaz em sua missão. Pudemos contatar como o povo angolano expressa uma experiência de fé profunda e singular e como aqui a Congregação Redentorista se inculturou.

Visita a escola Missionário Vilasseca, no Huambo
Visita a escola Missionário Vilasseca, no Huambo.

Diante de uma realidade profundamente marcada pelos resquícios da guerra brutal do passado e de uma economia em processo degenerativo que parece obscurecer as possibilidades de um futuro promissor, a Igreja, externada no carisma redentorista, ajuda a suscitar em cada olhar um sentido para o viver. As danças, os cânticos, as cores e o sorriso nos lábios dos fiéis nas igrejas contrastam com a dura realidade da vida e, em si se torna uma força motriz que renova a esperança de viver.

Neste chão que é terra santa, os nossos sentimentos se findaram com profunda gratidão.

Em diversos momentos nos sentimos como uma folha seca levada pelo vento. Diante de tantos desafios parecíamos “atados” e sem possibilidades. No entanto, no silêncio era como se Deus nos dissesse a todo o momento: “Eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos tempos” (Mt 28, 20b). Nas asas da confiança em Deus podemos contemplar a planta verde no deserto e fazer verter água das rochas (Nm 20, 11). A fé é a ponte para o intransponível. Nela está a esperança da ressurreição, a utopia de um novo amanhecer.

:: Acolhidos em outras terras: experiência missionária em Luanda

:: O outro, o distante, o além de mim: experiência missionária em Luanda

Fratres visitam Paróquia Sagrada Família localizada no centro de LuandaCom todas essas vivências e com tanto aprendizado, ficou muito difícil voltar de uma experiência tão profunda do mesmo jeito. Somos jovens e trazemos no coração grandes motivações. Percebemos o quanto é importante estudar línguas e estar preparados para a missão, em qualquer parte do mundo. Tudo isso nos fez perder o medo de deixar o país e seguir para terras distantes porque lá existem pessoas boas que também sabem acolher bem e cuidar.

Fr. Rimar César Diniz, C.Ss.R.  
Fr. José Sebastião Nascimento, C.Ss.R. 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Fr. Rimar, em Redentoristas

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.