Portal A12

Santo do Dia

Busque por:

São Juan Diego Cuauhtlatoatzin
Intercede por: América Latina | Localização: Cidade do México

Juan Diego nasceu em 1474 em Cuauhtitlan, atual cidade do México, pertencendo à mais baixa casta do Império Asteca; antes de ser batizado, seu nome era Cuauhtlatoatzin. Era pobre e dedicava-se ao difícil trabalho no campo e à fabricação de esteiras. Convertido com sua esposa pelos franciscanos chegados ao México em 1524, caminhava 20 quilômetros para participar da Santa Missa em Tlatelolco.

Era muito piedoso. Em 9 de dezembro de 1531, Nossa Senhora lhe apareceu pela primeira vez, chamando-o de “Joaõzinho”, “meu filho caçula”, em sua língua nativa (nahuatl). Queria Ela a construção de uma igreja naquele local, na região de Guadalupe, o que dependia da licença do Bispo, Dom João de Zumárraga. Este pediu a Juan provas da aparição; então no dia 12 a Virgem disse a Juan Diego para colher flores no alto da colina de Tepeyac, embora não fosse época delas, e as apresentasse ao bispo.

Ao abrir a sua túnica, feita de fibras de cacto, um tecido chamado tilma ou ayate, não apenas o bispo reconheceu o milagre das flores, como sobre o manto de Juan ficou a imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, que, à luz de estudos modernos, apresenta várias e impressionantes condições milagrosas – incluindo o fato da imagem não estar tingida ou impressa no manto, mas “flutuando” sobre ele.

 Depois disso, e já estando viúvo, Juan passou a morar numa sala ao lado da capela onde ficou o manto. Dedicou o resto da vida à divulgação das aparições de Guadalupe aos seus conterrâneos astecas, conseguindo inúmeras conversões. Faleceu em 3 de junho de 1548, com 74 anos.

Colaboração: José Duarte de Barros Filho



Reflexão:

Nossa Senhora de Guadalupe é padroeira da América Latina. A importância deste fato é tanto maior quanto gravíssima é a crise de fé no mundo católico atual, que na América Latina se apresenta nos governos anticatólicos em quase todos os seus países, e nas campanhas políticas de fundo ateu e materialista que procuram confundir os povos com promessas de utópicos “paraísos terrestres” igualitários e dirigidos por regimes ditatoriais. “Sempre tereis pobres entre vós” (Mc 14,7), preveniu o Cristo (o que não quer dizer que devam ser ignorados, mas sim que este mundo jamais será perfeito), “mas a Mim não tereis sempre”: Jesus Se referia à Sua morte na Cruz, mas também ao fato de que, se nos preocuparmos mais com as coisas deste mundo, acabaremos por perdê-Lo na vida infinita que vem após a morte. A caridade e a preocupação legítima com os mais necessitados são parte da ação normal da Igreja, e de qualquer homem de boa vontade; mas mesmo isto não é mais importante que amar primeiro a Cristo – antes que à política, antes que ao mundo, antes que a si mesmo, antes que ao próximo. Tentativas de “justiça social” que oferecem métodos que afastam de Deus não são obra Dele: os fins não justificam os meios.

Oração:

Deus de infinito amor, que quereis a plenitude da felicidade humana, e não apenas bens passageiros para os Vossos filhos, concedei-nos por intercessão de Nossa Senhora de Guadalupe a mesma riqueza que destes a São Juan Diego, o de nos preocuparmos mais em Vos levar ao próximo e buscar a conversão dos pecadores, motivo pelo qual ele mereceu o Céu, do que desejarmos a impossível perfeição material deste mundo que passa. Amém.

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.