Por Campanha dos Devotos Em Multimídia

Iria Lonardoni Danhoni – Cuiabá-MT

Nossa Senhora Aparecida sempre esteve presente em nossa família, de seis  irmãos. 

Todos os dias, rezávamos na hora do almoço, agradecendo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida, o alimento de cada dia.

Todo ano, no dia 12 de outubro, ao meio dia, meu pai soltava fogos em louvor a Nossa Senhora Aparecida. Cresci ouvindo meu pai e minha mãe contarem as graças alcançadas.Minha família morava numa casa coberta por tábuas, na cidade de Indianópolis-PR, em 1966.

Certo dia, meu pai, Getulio Lonardoni, autodidata, ourives, trabalhava com o maçarico fazendo solda, bem próximo ao rosto, quando o pequeno botijão de gás explodiu.Imediatamente, ele invocou  Nossa Senhora Aparecida e aconteceu que teve a sensação de que alguém teria virado o seu rosto para o lado contrário ao da explosão.

Em seguida, ele saiu correndo da casa com a roupa do corpo em chamas. Sua esposa, Ivaldina Lonardoni, abafou o fogo com um cobertor.Na casa havia uma imagem de Nossa Senhora  Aparecida em cima de um rádio. Somente a toalhinha que estava sob a imagem foi atingida pelo fogo.

O teto de madeira parou de queimar quando meu pai chamou por Nossa Senhora Aparecida.

Graças a Deus e a intercessão de Nossa Mãe, meu pai sofreu apenas uma queimadura leve no calcanhar.Em 2009, meu pai foi operado para a retirada de um aneurisma. A cirurgia teve uma complicação, então, ele pediu novamente a ajuda de Nossa Senhora Aparecida.

Hoje ele está ótimo. Agradeço a Nossa Senhora Aparecida por sempre nos proteger e interceder por nós, dando-nos sinais de sua graça.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Campanha dos Devotos, em Multimídia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.