Por Pe. João Batista de Almeida, C.Ss.R. Em Notícias Atualizada em 03 ABR 2019 - 11H55

Todos são CORPUS CHRISTI à espera de salvação!

 

 Mãe do Santíssimo Sacramento: rogai por nós!

corpus_christi_2

Foto: Thiago Leon

Todo ser humano tem um corpo, que nasce de uma mãe. Quando Deus quis morar na terra, Ele não usou sua prerrogativa divina para inibir a humanidade, mas esvaziou-se e tomou o caminho natural: escolheu uma jovem mulher, que reunia as condições biológicas (era moça) e espirituais (uma virgem) para nela gerar um corpo, pela ação do Espírito Santo. Por isso, cantamos que Maria foi o “primeiro sacrário vivo” da história, porque emprestou o seu ventre para que ele fosse a primeira morada divina no meio de nós.

Hoje aceitamos com facilidade o que foi afirmado no parágrafo anterior, mas nem sempre foi assim. Nos primeiros séculos da era cristã, bispos e sacerdotes gastaram muito tempo de suas vidas argumentando que Jesus era Deus e Homem, Homem e Deus, ao mesmo tempo. Houve até Concílios (reunião de bispos e cardeais, com a presença do papa) para tratar da questão; desde o Concílio de Niceia, em 325, até o de Constantinopla, em 681. A título de exemplo, vale citar que no Concílio de Éfeso, em 421, o assunto tratado foi “o modo em que a humanidade e a divindade de Jesus Cristo se relacionam..., qual foi a maneira de Jesus Cristo vir ao mundo, e qual foi a sua natureza na encarnação. O termo mais controvertido foi “theotókos”, termo aplicado a Maria e significando “mãe de Deus/genitora de Deus”. Finalmente, ficou definido que Jesus tem as duas naturezas: a humana (porque é filho de Maria) e a divina (porque é filho do Espírito Santo, sem a intervenção do homem).

 

A solenidade de Corpus Christi surgiu como uma resposta pública àqueles que não acreditam que Jesus está presente no Santíssimo Sacramento.

Ainda com respeito ao corpo, antes de Jesus ser entregue aos seus algozes, Ele reuniu os amigos para a refeição de despedida, a “Ceia Pascal” dos Judeus e, durante a ceia, tomou o pão e disse: “ISTO É O MEU CORPO, TOMAI E COMEI”. Portanto, um corpo para ser comigo durante as reuniões de oração, a fim de se “FAZER MEMÓRIA” do mestre. Comer da carne e tomar do sangue são expressões que nos remetem à Eucaristia, a maior oração de agradecimento que os cristãos católicos fazem à Santíssima Trindade. Infelizmente, nem todos os cristãos entendem e aceitam que o Redentor da humanidade está presente no “pão consagrado” e no “sangue abençoado”. A presença real de Jesus na Hóstia Santa foi e ainda é motivo de controvérsia entre os que n’Ele creem.

A solenidade de Corpus Christi surgiu como uma resposta pública àqueles que não acreditam que Jesus está presente no Santíssimo Sacramento. Para os católicos, a Hóstia Santa é um grande gesto de amor de Deus para com a humanidade, pois Ela é o próprio Senhor que quer ficar entre nós: “Jesus Cristo está realmente, de dia e de noite, presente no altar”. Quando a comunidade reunida manifesta a sua fé, enfeitando as ruas e praças e acompanhando o cortejo que leva o ostensório com o Santíssimo, ela está dizendo que acredita nas palavras do mestre: É MEU CORPO.

O mesmo corpo de Jesus que foi alimentado pelo corpo de Maria, como todo filho que tem seu cordão umbilical unido à mãe, durante o tempo de gestação. Por isso, podemos dizer que a Virgem de Nazaré foi o primeiro ostensório que levou o corpo de Deus, Ela foi a primeira cristã/discípula a manifestar publicamente a fé na presença real de Deus no meio da humanidade. Ela é a Mãe do Santíssimo Sacramento (sinal sensível da graça divina). No mês em que festejamos a vida de nossas mães da terra, como devotos podemos dizer: Mãe do Santíssimo Sacramento, rogai por nós!

Rogai por todos os corpos desfigurados pelo uso de drogas, pelo consumo excessivo de álcool, pela fumaça dos cigarros. Rogai pelos corpos das crianças que são abusadas sexualmente pelos adultos, pelas mulheres que são obrigadas a prostituir seus corpos, pelos corpos dos menores que são explorados no trabalho. Rogai pelos corpos enfermos num leito de dor, pelos encarcerados nas cadeias, presídios e penitenciárias, etc. Rogai pelos corpos que padecem no purgatório.

Todos são CORPUS CHRISTI à espera de salvação.

Padre João Batista, Reitor do Santuário de Aparecida

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. João Batista de Almeida, C.Ss.R., em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.