Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R Em Notícias

Homilia da Apresentação do Senhor

Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R

 

Direito de consagrado

 

 

Acolher em seu templo

A festa da Apresentação de Jesus no Templo, dia 2 de fevereiro, está em união com a festa do Natal, pois, pela Lei, “depois da purificação da mãe e do menino, todo primogênito masculino deveria ser consagrado ao Senhor” (Ex 13,2). Jesus cumpriu todas as leis e costumes de seu povo.

 

A festa de hoje não pretende descrever o fato, mas dizer que Jesus é consagrado ao Pai. A Apresentação de Jesus relata, como cantamos no salmo 23, a gloriosa entrada de Deus no Seu templo: “Ó portas, levantai vossos frontões! Elevai-vos bem mais alto antigas portas, a fim de que o Rei da glória possa entrar!”. Esta é a glória predita pelo profeta quando se reconstruía o templo: “A glória futura deste Templo será maior do que a passada, disse Javé dos Exércitos, e neste lugar eu darei a paz, oráculo do Senhor dos Exércitos” (Ageu 2,9).

 

Jesus veio trazer a paz (Lc 19,42). Jesus é levado ao Templo para ser apresentado ao Senhor. O verbo apresentar tem conotação sacrifical. Como o primogênito pertencia Deus e deveria ser entregue em sacrifício, é resgatado (Ex 13,11-15), por ser pobre, por dois pombinhos. O Menino é oferecido a Deus, por Lhe pertencer. Por que o primogênito pertencia a Deus? No Egito, no momento da morte dos primogênitos, os filhos dos hebreus foram poupados. Como passaram a pertencer a Deus, deviam ser adquiridos através do sacrifício. Para Lucas Jesus não é resgatado, pois continua pertencendo a Deus.

 

Na festa de hoje temos a continuação do símbolo da luz do Natal e dos Magos como lemos no cântico de Simeão: “Luz para iluminar as nações, glória de Israel vosso povo” (Antífona de entrada). Esta luz vai irromper na madrugada da Ressurreição. Vir a Seu templo significava restabelecer o povo. Ele vem para a purificação. Assim serão aceitos por Deus. O mensageiro que vem preparar o caminho é João.

 

Consagrados para Deus

 

 

A Carta aos Hebreus dedica-se a mostrar que Jesus... “devia fazer-se em tudo semelhante aos irmãos, para se tornar um Sumo Sacerdote misericordioso... pois tendo Ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação” (Hb 2,17-18).

 

 

A entrega de Cristo ao Pai, por Lhe pertencer, leva consigo todos seus irmãos que “tem em comum a carne e o sangue” (14). Somos consagrados ao Pai em Jesus, por isso participamos também de sua entrega aos irmãos. Consagração exige crescimento como em Jesus. A luz é recordada na vela do Batismo, da Crisma e dos funerais. É o símbolo de estar vigilante, como na parábola das 10 virgens que levavam lâmpadas acesas (Mt 25,1ss).

 

Envelhecer na fé

 

 

A narrativa da Apresentação se encerra com uma curiosa presença de dois anciãos. Simeão é justo e piedoso. Ana servia a Deus com jejuns e orações. Simeão era cheio do Espírito Santo e pôde identificar em Jesus, o Messias. Maria, José e os dois anciãos representam o “resto fiel – os pobres de Javé” que mantiveram a fé na esperança do Messias e O acolhem.

 

A festa, em sua conclusão, mostra a necessidade de envelhecer vivendo a fé, deixar-se guiar pelo Espírito Santo, ouvi-Lo e distingui-Lo no meio dos rumores e saber entregar a vida após ter visto a salvação. Como Ana, contar a todos a alegria de ter encontrado o Messias. A Igreja é convidada a dar proteção e saber aproveitar-se dos bens espirituais que acumularam. Todos são convidados a crescer como Jesus em todas as dimensões. Só assim poderemos amadurecer na fé como consagrados a Deus.

 

Leituras: Malaquias 3,1-4;Salmo 23;Hebreus 2,14-18; Lucas 3,32

Ficha nº 1306 - Homilia da Apresentação do Senhor (02.02.14)

 

A festa da Apresentação de Jesus no Templo (02.02) está em união com o Natal. O primogênito deveria ser consagrado ao Senhor. É Deus que vem com sua glória a seu templo. O primogênito deveria ser resgatado através de um sacrifício. O primogênito pertencia a Deus.

 

 

A Carta aos Hebreus mostra Jesus semelhante em tudo aos irmãos para ser um sacerdote misericordioso, capaz de socorrer, pois passou pela mesma tentação. Somos todos consagrados ao Pai em Jesus. Por isso participamos de sua entrega. Temos o símbolo da Luz. Este nos acompanha no Batismo, Crisma e Funerais.

 

 

A presença de Simeão e Ana ao lado de Maria e José lembram os pobres de Javé, o resto fiel que manteve a fé na esperança do Messias. Mostra a necessidade de envelhecer vivendo a fé e deixando-se guiar pelo Espírito. Como Ana, contar a todos a alegria de ter encontrado o Messias. A Igreja deve proteger e aproveitar-se dos bens espirituais que acumularam.

 

Sossegando os velhos

 

O povo de Deus viveu as esperanças de ver um dia o Messias prometido. Havia uma profecia que dizia que a glória do templo que estava sendo reconstruído, seria maior que a de Salomão (Ageu 2,9). Esta glória foi Jesus. Simeão e Ana representam a esperança dos antigos realizada: Viram o Messias. Que delícia para o coração deles!

 

José e Maria cumprem a lei levando o primogênito ao templo, pois Ele pertence a Deus. Jesus vem ao templo. Ele é o Rei da glória que toma posse do que é Seu. Ele vai purificar. Quem é Ele? O infinito Filho de Deus que se faz homem igual a nós. Assim pode compreender-nos e por isso é misericordioso e capaz de socorrer os que são tentados.

 

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.