Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR Em Notícias

Homilia do 2º Domingo da Páscoa

Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR

“Meu Senhor e meu Deus”

 

A paz esteja convosco

O centro da liturgia de hoje é a profissão de fé de Tomé: “Meu Senhor e meu Deus” (Jo 20,28).

No apóstolo descrente encontramos todo homem que tem dificuldades de acolher a proposta de Jesus. Ele aparece aos discípulos no primeiro dia da semana, que simboliza o primeiro dia da nova criação. Jesus se faz presente como o Homem Novo ressuscitado. E diz: A paz esteja convosco. É uma saudação habitual.

 

homilia

Nesse momento, contudo, adquire um sentido novo: É a sua paz, como disse na Ceia (Jo 14,27), a salvação total, o repouso em Deus.

Soprando sobre os discípulos faz o homem novo como fizera Deus ao primeiro homem, Adão. Soprando em suas narinas, dá-lhe o hálito de vida (Gn 2,7). Agora é o hálito Divino que faz os discípulos novas criaturas.

Jesus doa o Espírito Santo para a remissão total. Ele nos redimiu e o Espírito Santo atua em nós a redenção, como rezava a antiga liturgia romana: “O Espírito é nossa Redenção”. Esta remissão traz a paz. Não é um perdão dado no escurinho a pecados ocultos, em voz baixa, numa atitude intimista que tira a responsabilidade que o cristão tem pela paz e redenção de todos. É mais cômodo. Deus veio para curar os males que estão vivos e destruindo e seus filhos queridos, males inclusive que mataram seu Filho querido.

Tomé não aceitou o testemunho dos companheiros apóstolos. Ele quer um Jesus físico que pode ser tocado como uma prova humana. Jesus se mostra e pede a aceitação pela fé. Jesus dá a Tomé a demonstração que nós somos felizes por crermos sem ter visto (Jo 20,29). Dizemos com ele: “Meu Senhor e meu Deus!”.

Está é a fé completa, dom do Espírito Santo. A ela todos são chamados.

 

Comunidade, ninho da fé.

O ato de fé constrói a Igreja, pois une “num só coração e numa só alma” (At 4,32) os que creem. A nova criação se concretiza na vida da comunidade com as dimensões de fé, fraternidade, Palavra de Deus e Eucaristia.

É Espírito Santo que a anima gerando o Shalom de Deus, o tempo novo no qual todas as coisas são renovadas (Ap 21,5). Modo de viver a fé na comunidade é o primeiro evangelho escrito com fé e amor da comunidade. Ela é o primeiro testemunho que impressionava o povo. Ser um só coração e uma só alma chegava ao concreto colocando os bens em comum (sonho dourado que não se vê realizar).

O testemunho da comunidade era uma pregação constante: “Vede como se amam!” diziam os pagãos. Os requisitos para uma comunidade ser apostólica é a frequência ao ensinamento do Evangelho. Os apóstolos o faziam diretamente. Não havia ainda o texto. O segundo elemento é a Eucaristia, chamada de Fração do Pão, elemento fundamental do domingo.

Os cristãos da Bitínia diziam: não podemos viver sem o domingo. Por este gesto reconhecemos o Cristo e aprendemos a viver na fraternidade como as refeições em comum.

Era uma comunidade de oração. O contato com Deus em Cristo é fundamental.

Frutos da fé

São Pedro bendiz a Deus Pai por sua misericórdia que, “pela Ressurreição de Jesus nos fez renascer para uma esperança viva, para uma herança incorruptível reservada a nós nos céus”.

Pela fé temos a vida eterna. O sofrimento que Pedro já sofria e via os cristãos sofrerem pela perseguição não destruía sua fé. Pedro elogia nossa fé: “Sem ter visto O Senhor vós O amais. Sem o ver ainda, nele acreditais. Isso será uma fonte de alegria, pois obtereis aquilo em que acreditais: a vossa salvação” (1Pd 1,8-9).

Não vemos o Ressuscitado, mas O amamos. Celebramos o Tempo Pascal bebendo desta fonte. Leituras: Atos 2,42-47; Salmo 117; 1Pedro 1,3-9;João 20,19-31

Ficha nº 1330 – Homilia do 2º Domingo da Páscoa (27.04.14)

A profissão de fé de Tomé é o centro da liturgia da Palavra. É o primeiro dia da nova criação, o dom do Espírito que dá a paz e a remissão do universo. Soprar simboliza o hálito divino dado ao homem novo. Tomé quer um testemunho físico, Jesus quer a fé. Os que creem sem ter visto são felizes.

A fé constrói a Igreja, pois une num só coração e numa só alma. A nova criação se concretiza na vida da comunidade com as dimensões de fé, fraternidade, Palavra de Deus e Eucaristia. É o Espírito Santo que a anima gerando o Shalom de Deus. Viver a fraternidade é por os bens em comum.

Pedro bendiz a Deus por sua misericórdia que fez renascer para uma esperança viva, herança incorruptível reservada a nós nos Céus. Os sofrimentos não destruíam a fé. Nós vemos o Ressuscitado, mas O amamos.

Aula do primeiro dia

Depois da Ressurreição Jesus Se mostrou aos discípulos.

Estando fechadas as portas, entrou e colocou-Se no meio deles e os cumprimentou: “A paz esteja convosco”. Jesus estava lhes dando tudo o que a Ressurreição Lhe dera.

Mais ainda, dá-lhes o Espírito Santo para que a Paz de Deus esteja com todos na reconciliação dos pecados. Ao dar o Espírito enviando-os para a missão de perdão dos pecados, inicia o novo tempo.

Agora é o tempo do Espírito. Para ter a certeza da Ressurreição, não é necessário tocar as chagas do Ressuscitado, mas ter a fé, pois a fé nos introduz na ação do Espírito, como Jesus explicou a Tomé.

A missão de reconciliação e paz se concretiza na constituição da comunidade que é uma união de pessoas ao Corpo de Cristo. Ela se constitui a partir da Palavra, da fraternidade, da Eucaristia e das orações. Só assim o Espírito pode nos dar os frutos da Ressurreição.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.