Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR Em Notícias

Homilia do 3º Domingo da Páscoa

Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR

 

 “Fica conosco, Senhor!”

 

A presença do Ressuscitado

 

Continuamos a alegria pela Ressurreição de Cristo quenos leva a aclamar e dar glória a Deus (antífona de ingresso).

 

 

homilia

O Cristo Ressuscitado anunciado por Pedro no dia de Pentecostes continua vivo e presente na comunidadecomo esteve com os discípulos.

 

O evangelho nos traz a narrativa dos dois discípulos que vão a Emaús. Jesus entra em sua conversa.

 

Cléofas diz do desencanto provocado pela morte de Jesus, homem acreditado junto de Deus e do povo. Apesar de as mulheres e os dois discípulos terem constatado o túmulo vazio, a Ele não viram, como não O veem agora os dois que dialogam com Ele. Não crer na Escritura é ter o coração fechado e lento (Lc 24,25). O Cristo devia sofrer.

 

Mesmo glorioso não perde sua característica de servo sofredor. Continua sofrendo o desconhecimento, a negação, a oposição a seu Evangelho e no sofrimento dos humilhados. Está presente quando se põem em comum as esperanças. Quando chegam à hospedaria, parece querer ir adiante. Os dois O convidam a estar com eles: “‘Fica conosco, Senhor, pois é tarde e a noite vem chegando’. Jesus entrou para ficar com eles” (29).

 

Quando parte o pão abrem-se seus olhos e passam a ver com a fé.  Temos esta presença de Jesus quando estamos juntos na fraternidade, na leitura dos sinais dos tempos analisando os acontecimentos, na escuta da Palavra e no partir o pão. Temos consciência que a Salvação que não foi comprada a baixo peço, como diz Pedro: “Sabeis que não fostes resgatados não por meio de coisas perecíveis, como prata ououro, mas pelo sangue precioso de Cristo cordeiro sem defeitos e sem manchas”(1Pd 1,1819).

 

É uma pena que se perca tanto tempo em busca de aparições que podem ser até boas, mas a presença que salva, Jesus Vivo na comunidade, não provoca tanto interesse. Estamos ainda de olhos fechados à fé.

 

 

Nosso coração ardia

 

 

Depois do encontro com Jesus voltam à cidade, não na lembrança de um morto, mas na presença de um Vivo: “Realmente o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão”(34). Comentavam os dois entre si: “Não estava ardendo nosso coração, quando nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?” (32).

 

Desta Palavra podemos aprender que a Comunidade é o lugar da experiência do Ressuscitado. Comunidade não é só o momento das celebrações, mas se estende pelo dia na fraternidade. Sua presença recupera o sentimento da esperança e nos liberta de nossos maus humores, equilibrando a vida.A fé é o acolhimento de uma Pessoa que entra em nossa vida e nos abre a Palavra e os olhos para tê-Lo presente. A força da Eucaristia sustenta a comunidade.

 

 

Renovação espiritual

 

A celebração de hoje nos dá confiança em nossa futura ressurreição (oração). Renovados pelos sacramentos pascais cheguemos à glória da ressurreição da carne(Pós comunhão). A Páscoa não é uma simples comemoração, mas uma grande presença da ação de Deus. A Ressurreição dá um sentido sempre novo à Eucaristia que celebramos, vitalidadeaos convívios fraternos onde se manifesta a caridade de Cristo, abre o coração para a Palavra de Deus e refundao diálogo da oração que leva ao diálogo com os irmãos. A presença de Cristo confere à fé a maturidade para sermos testemunhas, podendo dizer como Pedro: “E disso nós somos testemunhas” (At 2,32). É magnífico sentir o coração arder pela presença de Cristo Vivo.

 

 

Leituras: Atos 2,14.22-33;Salmo 15; 1Pedro 1,17-21;Lucas 24,13-35 Ficha nº 1332 -

 

 

Cristo continua vivo e presente como esteve com os discípulos. O relato da aparição aos discípulos que vão a Emaús mostra o desencanto e a alegria de encontrar o Senhor que lhes abre os olhos para vê-Lo. Para nós a presença de Cristo Ressuscitado se dá quando vivemos a fraternidade, na compreensão dos sinais dos tempos e das Escrituras, culminando com a Eucaristia. 

 

Depois do estar com Ele e descobri-Lo no partir do Pão dizem: “Nosso coração ardia quando falava conosco pelo caminho e nos explicava as Escrituras”. A comunidade é o lugar da experiência do Ressuscitado. Sua presença recupera o sentido da esperança, liberta de nossos maus humores, equilibra a vida. Fé é acolhimento.

 

A celebração de hoje nos dá confiança em nossa futura ressurreição. Renovados pelos sacramentos pascais chegamos à glória da ressurreição. A Ressurreição dá um sentido sempre novo à Eucaristia, ao convívio fraterno e à oração. Confere maturidade à fé para sermos testemunhas.

 

Bom de papo

 

Nesse Tempo Pascal ouvimos a Palavra de Deus que nos instrui sobre a Ressurreição e sua presença em nossa vida.  

 

 

Os apóstolos estavam abatidos e entristecidos. Pudera! Tudo acabara e agora era momento de reencontrar o sentido da vida. Na tarde daquele domingo Jesus se manifestou aos dois que iam a Emaús. Ali os ensinou que Ele continua presente. Para nós Ele está presente de outro modo, mas é o mesmo. 

 

No dia de Pentecostes, cheios do Espírito, estão firmes na fé. Os apóstolos mostram ao povo que o Jesus que fora crucificado agora está vivo junto do Pai. Ele é o Salvador. Ele é quem salva. E afirmam: “E nós somos testemunhas”. Com os discípulos que iam para Emaus aprendemos a perceber a presença de Jesus nos fatos da vida, na Palavra e na Eucaristia, no partir do Pão.

 

É tão grande esta presença que faz bater forte o coração. Conversando com Ele fizeram primeiro o caminho de volta à fé e depois, o caminho de volta a Jerusalém para contar que O tinham visto.  Jesus é bom de papo.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.