Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R Em Notícias

Homilia do 4º Domingo da Quaresma

Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R

 

 

“Agora sois luz no Senhor”

 

 

 

Eu sou a Luz do mundo

 

 

Na caminhada para a Páscoa, na qual celebramos os Mistérios centrais da Salvação, somos preparados para vivê-los na celebração e na vida. A liturgia de hoje tem uma mensagem de alegria como preanuncio da Páscoa. É a alegria daquele que não via a luz e, pela fé, vê Jesus que é a Luz. Nesses três domingos da Quaresma temos três ensinamentos: Jesus é a Água Viva, a Luz e a Vida, simbolizados na água oferecida à samaritana, na cura do cego e na ressurreição de Lázaro.

 

 

 

Notemos que nos três casos foi um dom foi oferecido por Jesus, sem que fosse pedido. O dom da fé é gratuito. É o ensinamento sobre nosso Batismo. João, em seu evangelho, apresenta sete sinais (milagres) escolhidos que tinham a finalidade de levar à fé e por ela chegar à vida eterna. O oitavo sinal é a Ressurreição de Jesus. Hoje ouvimos a narrativa da cura do cego de nascença. O cego lava os olhos que foram tocados por Jesus com a lama feita com saliva. Ele os lava na piscina de Siloé que significa Enviado. Jesus é o Enviado de Deus.

 

 

 

Ao encontrar Jesus que o cura, vendo-O professa a fé. Não crer é não querer ver e permanecer no pecado. Cristo é a Luz que se manifesta, pela sua Ressurreição, como Luz para o mundo para a Glória de Deus. No início de seu Evangelho João diz: “João veio como testemunha, para dar testemunho da Luz a fim de que todos acreditassem por meio Dele... a luz verdadeira que, vindo ao mundo, ilumina todo homem” (Jo 1,7.9). A Páscoa está cercada de símbolos de Luz: o fogo novo que acende o Círio Pascal, imagem de Cristo. Essa luz é repartida sem perder o seu fulgor (precônio pascal). No batismo é dada ao que foi batizado uma luz com as palavras: “Agora sois luz de Cristo”.

 

 

Deus escolhe porque ama

 

 

Nesse 4º domingo, lembrando o Batismo na etapa chamada “iluminação”, salienta-se a escolha que Deus faz de cada um como fez a Davi. A escolha é gratuita, pois “não fomos nós que amamos a Deus, mas foi Ele que nos amou primeiro e enviou-nos o Seu Filho” (1Jo 4,10) “quando éramos ainda pecadores” (Rm 5,8). Temos a declaração da humanidade de Cristo. O cego diz: “O homem chamado Jesus fez lama, colocou-a nos meus olhos e disse-me: ‘Vai, lava-te na piscina de Siloé e lava-te’”.

 

 

Acentua também que Cristo é divino: “Se este homem não viesse de Deus não poderia fazer nada”. Jesus conclui: “Eu vim ao mundo para exercer um julgamento a fim de que os que não veem, veja, e os que veem se tornem cegos” (Jo 9,39). A iluminação é o resultado da vida que recebemos, como veremos no 5º domingo quando ouviremos a ressurreição de Lázaro. Cristo é Vida, por isso dá vida aos mortos. Mais que uma vida que termina, dá a Vida Eterna.

 

 

Agora sois luz em Cristo

 

 

Ser luz em Cristo é viver como filho da luz na bondade, justiça e verdade, discernindo o que agrada ao Senhor (Rm 5,9-10). A unção de Davi lembra-nos que somos ungidos no Batismo para receber o Espírito do Senhor. Continuamos o processo de transfiguração que proclamamos no segundo domingo da Quaresma.

 

 

O testemunho cristão terá sempre oposição, como a Jesus: “A luz brilha nas trevas, mas as trevas não a compreenderam” (Jo 1,5). Voltando à reflexão sobre a Paixão e Morte de Cristo, sabemos que o discípulo passa pelo mesmo caminho do Mestre: “Se eles me perseguiram também vos perseguirão, se guardaram minha palavra também guardarão a vossa” (Jo 15,20). Somente a graça pode nos garantir: “Iluminai nossos corações com o esplendor de vossa graça, para pensarmos sempre o que vos agrada e amar-Vos de todo o coração” (Pós-Comunhão).

 

 

Leituras: 1Samuel 16,1b.6-7.10-13ª; Salmo 22; Efésios 5,8-14; João 9,1-41

 

 

Ficha nº 1322 - Homilia do 4º Domingo da Quaresma (30.03.14)

 

 

  1. Temos uma mensagem de alegria que anuncia a Páscoa. O tema de hoje é Jesus é a Luz. Ela é um dom oferecido gratuitamente, simbolizada na cura do cego. Os sinais (milagres) de Jesus são para levar à fé. O oitavo sinal é a Ressurreição que dá a Vida. Esta luz é para ser acolhida e não recusada. Na liturgia pascal temos muitos símbolos da luz.

 

 

 

  1. Este é o domingo da iluminação. Ela é puro dom como a Davi, pois Deus nos amou primeiro quando ainda éramos pecadores. A iluminação é resultado da Vida que recebemos. Cristo é Vida.

 

 

 

 

  1. Ser luz em Cristo é viver como filho da luz na bondade, na justiça e na verdade. A unção de Davi lembra que somos ungidos para receber o Espírito. Continuamos o processo de transfiguração. Passamos também pela mesma rejeição da luz de Cristo. A graça desta luz nos conduz a viver o bem.

 

 

 

Lavando com lama

 

 

 

Jesus é a Luz. Jesus curou um cego passando lama nos olhos dele. Davi, o escolhido de Deus, tinha belos olhos. Podia ver o que é de Deus. Aquele que tem fé, vê com os olhos de Deus, pois tem a luz de Deus.

 

 

Na Páscoa Jesus iluminou o mundo com a sua Ressurreição. No Batismo somos iluminados por Cristo e começamos a enxergar o mundo de um modo novo. Paulo ensina que antes éramos trevas, mas agora somos luz no Senhor. Por isso somos chamados a viver como filhos da Luz.

 

 

Na luz de Deus podemos discernir o que é certo e o que é errado. O Batismo não é só um rito, mas um ato de fé em Deus que nos dá a Luz para a Vida de Deus em nós.

 

 

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.