Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R Em Notícias

Homilia do Domingo de Ramos

Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R

“Bendito o que vem em nome do Senhor”

 

Seguindo com alegria Cristo

 

Celebramos o início da Semana Santa com a preparação ao Tríduo Pascal de Jesus no qual celebramos a Ceia, a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus. O Domingo de Ramos é uma síntese deste mistério mostrando a Paixão e a Glória de Jesus.

 

 

homilia

A liturgia destes dias tem origem em Jerusalém como podemos ler no “Diário de Etéria”, escrito do final do século IV (380), que testemunhou esta liturgia. Esta tem caráter geográfico e é celebrada onde aconteceram os fatos. Os evangelistas narram que Jesus veio de Betfagé, no Monte das Oliveiras. Este monte é um local bíblico de grande importância. Ali iniciou sua caminha final para a realização do desígnio do Pai. Ele é o grande rei que vem tomar posse de sua cidade (Sl 47,3).

 

 

Apresenta-se na humilde, como diz Zacarias (Zc 9,10). O povo O acolhe e coloca-Lhe mantos para que Ele passe. É uma entrada gloriosa. Jesus aceita a glorificação do povo, mas a assume como serviço. Até hoje, a sofrida Igreja de Jerusalém faz esta caminhada festiva. As orações da celebração conduzem os fiéis a perceberem que a caminhada continua até à Jerusalém Celeste. Esta glória prenuncia a glória da Ressurreição. O sofrimento de Cristo não é um fim de tudo, pois Deus não O abandona no poder da morte, como anuncia Pedro no dia de Pentecostes (At 2,31).

 

 

A celebração lembra que não podemos parar na morte. A liturgia de hoje ensina que Cristo continua entrando para ser acolhido. O povo O aclama. A palavra “Hosana” significa – salvai-nos! Ele é rei aclamado até na cruz: rei dos judeus. A antífona diz que as crianças cantavam. Infelizmente calaram a boca das crianças na Igreja. O altar deve continuar a ser o colo da mãe Igreja para as crianças.

 

 

 

Exemplo de humildade

 

 

A Paixão é o momento em que Cristo imprime em si com mais grandiosidade nossa humanidade realizando em Sua vontade humana a vontade Divina. A segunda leitura, que é um hino da Igreja primitiva, é uma profissão de fé em Jesus sofredor e glorioso. É o processo de transfiguração da humildade à glória.

 

 

O homem foi feito imagem e semelhança de Deus. Na Encarnação que culmina na Paixão, Ele se faz imagem e semelhança do homem escravo do pecado, servo sofredor na morte vergonhosa da cruz. Por isso Deus o superexaltou.

 

 

O nome que está acima de todo nome é a Sua Divindade. O próprio nome de Jesus revela o Pai, Deus é salvação. Ele foi o cordeiro mudo. Humilha-se e tem confiança no socorro de Deus. Como o Servo sofredor, cantado por Isaias (Is 50,4-7) ouve a voz de Deus e tem consciência de sua missão. Jesus em Seu sofrimento ouve a vontade do Pai. Ensina-nos que a humildade é estar aberto a Deus cada manhã.

 

 

 

Não calar a voz do povo

 

 

A entrada de Jesus em Jerusalém foi um momento em que o povo pôde soltar a voz e acolher Jesus como o Messias: “Bendito o que vem em nome do Senhor”... “Este é o profeta Jesus, de Nazaré da Galiléia” (Mt 21,9.13).

 

 

O povo escolhe quem o salva. Não se pode dizer que na Sexta-Feira o mesmo povo o condena. Podemos dizer que será ele a acolher as Palavras de Pedro no dia de Pentecostes. Deus está do lado do povo e o leva a manter-se de cabeça erguida e ter autonomia de sua consciência. Deus abre seus ouvidos para ouvir Sua voz.

 

 

Como o Servo, aprende com o sofrimento a confortar os que sofrem. O povo é solidário e socorre os abatidos. Por isso resiste com a cabeça erguida. É pacífico e tem confiança que seu sofrimento não é o fim, mas a passagem para a Glória.

 

 

 

Leituras: Mateus 21,1-11;Isaias 504-7;Salmo 21; Filipenses 2,6-11; Mateus 27,11-45

Ficha nº 1326 - Homilia do Domingo de Ramos (13.04.14)

 

O Domingo de Ramos é uma síntese do Mistério Pascal celebrando a glória e a dor da Paixão. A liturgia tem caráter geográfico, celebrada onde aconteceram os fatos. O monte das Oliveiras é importante na Bíblia. Jesus vem na humildade tomar posse de sua Cidade. As orações da celebração conduzem os fiéis à Jerusalém Celeste. As crianças O aclamam.

 

 

 

A Paixão é o momento da maior manifestação da humanidade de Jesus. Ele se faz imagem e semelhança do homem escravo do pecado, servo sofredor na morte vergonhosa da cruz. Por isso Deus O exaltou. Humilha-Se e tem confiança em Deus. Ensina que a humildade é estar aberto a Deus.

 

A entrada em Jerusalém foi o momento em que o povo pôde soltar a voz e acolher Jesus como o Messias. O povo escolhe quem o salva. Deus está ao seu lado e o leva a manter a cabeça erguida e ter autonomia de sua consciência. É pacífico e tem confiança que seu sofrimento não é o fim,mas a passagem para a glória.

 

 

 

 

Há dores que vem para bem

 

 

 

É fascinante contemplar a entrada de Jesus em Jerusalém. Ele era o Rei esperado. Veio em nome do Senhor. O povo vibrou como se estivesse se libertando. Era o Profeta prometido.

 

 

Mas Jesus corresponde a outras esperanças. Ele é o Servo que vai sofrer pelo povo. Assumiu completamente a condição humana a ponto de se sentir abandonado por Deus em seu sofrimento. Rezou: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes”. Ali, Nele, estava a humanidade dominada pelo mal.

 

 

 

Seu sofrimento vem para o bem, pois Deus o ressuscitou. A jubilosa entrada se concretiza na sua gloriosa ressurreição. Nós vamos nos alegrar com Ele, em nossa coragem de segui-Lo até na morte.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.