Por TV Aparecida Em Aparecida Debate Atualizada em 21 AGO 2019 - 11H19

Aparecida Debate discute a “Intolerância Religiosa” no Brasil

Juan Ribeiro
Juan Ribeiro
Aparecida Debate

Todas as religiões levam à paz e à fé. Diante dessa realidade, o Aparecida Debate vai discutir, na quarta-feira (21), às 21h15, os motivos que levam à Intolerância Religiosa no Brasil. O jornalístico da TV Aparecida mostrará estatísticas que dão conta de um alto número de boletins de ocorrência abertos por vítimas desse tipo de discriminação. E para discorrerem sobre o tema com o jornalista Marcelo Zanini, a produção reuniu dois convidados, representantes de religiões, e convocou o repórter Guilherme Machado para saber a opinião do povo nas ruas sobre o assunto.

A triste realidade levantada pela produção do Aparecida Debate é a de que, infelizmente, no Brasil existe muita discriminação religiosa. Para se ter ideia, no ano passado, oito casos de intolerância religiosa foram registrados diariamente. Isso só em São Paulo, que é o segundo maior Estado em número de denúncias. O Rio de Janeiro é onde se registra a maior incidência de intolerância. Os dados são do Disque Direitos Humanos, que também computaram, entre 2017 e 2018, quase 6 mil e 500 boletins de ocorrência abertos.

Leia MaisDia de Combate à Intolerância Religiosa: ‘Somos chamados a respeitar, acolher e dialogar’CNBB envia mensagem contra fundamentalismo e intolerância a símbolos da féPapa faz tweet sobre racismo e intolerância

Outro dado levantado é o de que as religiões que mais sofrem esses ataques são as de origem africana. Apesar disso, entre os anos de 2000 e 2010, o número de adeptos de religiões afro-brasileiras cresceu mais de 40%.

Mas qual é o motivo dessas discriminações à fé, se todas as religiões levam à paz – ou pelo menos deveriam levar? Por que então a religião do outro incomoda tanto? E onde fica a liberdade de expressar a fé?

Juan Ribeiro
Juan Ribeiro
Dom Francisco Biasin e o advogado Hédio Silva Júnior


Essas e outras questões serão analisadas por Hédio Silva Júnior, advogado das religiões afro-brasileiras no Supremo Tribunal Federal, idealizador e coordenador executivo do Idafro, Instituto de Defesa dos Direitos das Religiões Afro-brasileiras, e Dom Francisco Biasin, bispo emérito da Diocese de Barra do Piraí e Volta Redonda, no Rio Janeiro. Ele foi membro do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso do Vaticano e também foi Presidente da Comissão Episcopal Pastoral sobre o assunto na CNBB.

Aparecida Debate, quarta-feira, às 21h15.Aparecida Debate, quarta-feira, às 21h15.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por TV Aparecida, em Aparecida Debate

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.