Por Redação A12 Em Comportamento

Abuso de álcool na família influencia adolescentes, aponta pesquisa

Adolescentes são influenciados por familiares em relação ao abuso do álcool. A constatação é de uma pesquisa desenvolvida pela enfermeira Betânia da Mata Ribeiro Gomes, em trabalho produzido junto à Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP).

Para Sonia Regina Solano Paes Breda, da Clínica Viva, experimentar droga lícita ou ilícita é uma escolha motivada por vários fatores, como influência de amigos e familiares.

Foram entrevistados 22 membros de 10 famílias, dentre eles 11 adolescentes de 14 a 19 anos que consumiam álcool. Grande parte dos entrevistados afirmou sofrer com desentendimentos, desafetos e outros conflitos dentro da família. A pesquisa mostrou também que a decisão pelo consumo da bebida foi associada ao prazer e diversão.

Na avaliação da psicóloga Sonia Regina Solano Paes Breda, da Clínica Viva, especializada em dependência química, experimentar uma droga – lícita ou ilícita – é uma escolha que pode ser motivada por uma série de fatores.

Esses fatores vão desde a influência de amigos e familiares a problemas como frustrações pessoais, timidez, insegurança, ou até mesmo pela crença que a substância aumentará a criatividade e a busca pelo prazer e novas emoções.

Família não pode estimular

A coordenadora nacional de Prevenção do Amor Exigente, Bernadete Maciel, diz que os resultados da pesquisa refletem o que acontece na sociedade. “Os pais enxergam que drogas lícitas podem ser usadas pelos seus filhos e muitos estimulam a iniciação dentro de casa”, denuncia.

De acordo com ela, pais que bebem diariamente acabam sinalizando para os filhos um modelo de comportamento. “Se o filho copiar, os pais estarão sem argumentos para rebater a conduta do filho”, adverte, lembrando que o mais adequado é que os pais não bebam ou façam isso com moderação.

A grande dificuldade, porém, é que o álcool está inserido na cultura social, conforme aponta Sonia Breda. “Está presente no lazer e nos encontros, dentro das casas, onde a família ‘cultua’ um verdadeiro altar para receber seus amigos.”

Uso traz consequências drásticas aos adolescentes

A psicóloga da Clínica Viva alerta também para consequências do abuso do álcool na adolescência. “Pode causar a destruição de neurônios e impedir a realização de sinapses, fundamentais a processos como o de aprendizagem.”

Segundo Sonia, é nessa fase da vida que o cérebro tem mais condições fisiológicas de armazenar e de processar informações. Diante disso, a ingestão da substância provoca alterações comportamentais ou psicológicas significativas.

Quanto às sequelas psíquicas, o quadro de embriaguez é acompanhado de esquecimento dos fatos ocorridos durante o estado de êxtase. “Alguns adolescentes ficam embriagados com doses muito pequenas de bebidas alcoólicas este quadro é denominado intoxicação patológica ou idiossincrática”, explica.

O álcool também pode aumentar a pressão arterial e provocar derrame cerebral. Além disso, o adolescente alcoolizado fica mais vulnerável a relações sexuais sem proteção e se expõe a doenças sexualmente transmissíveis.

A coordenadora do Amor Exigente adverte também para o risco maior de acidentes de trânsito e maior chance de envolvimento com drogas mais pesadas. “A embriaguez reduz o discernimento e encoraja o indivíduo para experimentar a droga ilícita se houver oportunidade”, justifica.

Como identificar limite que separa consumo social do vício

Há uma linha tênue que separa o chamado consumo “social” do álcool do vício na substância. De acordo com Sonia Breda, esse processo é composto de três fases.

– Leve: Estágio com baixo comprometimento em relação à saúde física e mental e o paciente mantem relações sociais, profissionais e familiares relativamente estáveis.

– Moderado: Estágio em que o dependente passa a fazer uso contínuo ou recorrente, com episódio de abusos da substância. É notado algum comprometimento da saúde física e mental.

– Grave: Nesse padrão a dependência já está instalada e não permite ao paciente escolher entre a abstinência e o uso contínuo. As relações sociais e familiares já estão totalmente comprometidas.

A especialista enumera alguns sintomas que, associados ao uso do álcool, identificam o vício:

– Ansiedade.

– Irritabilidade.

– Excitabilidade.

– Confusão.

– Aparência descuidada.

– Esquecimento.

– Fácies alcoólico (edema e eritema).

– Coloração amarelada na pele.

– Cicatrizes.

– Tremores.

– Ataxia (falta de coordenação motora).

Quando é preciso tratamento clínico

O tratamento clínico é necessário nos casos de alcoolismo, por se tratar de uma doença multidimensional e multifacetada, que atinge a pessoa nos níveis físico, mental, emocional e espiritual.

“Podemos dizer que temos a dependência psicológica, que é a forte necessidade do álcool para atingir o máximo da sensação desejada”, explica a psicóloga da Clínica Viva.

Já a dependência física da substância faz com que o organismo adapte-se ao uso crônico do álcool, apresentando sintomas, no caso de abstinência.

Quando o jovem apresentar três dos sete sintomas abaixo, há a necessidade urgente de tratamento:

– Forte desejo ou senso de compulsão para consumir álcool.

– Dificuldade em controlar o uso do álcool no início, no termino e também os níveis de consumo.

– Estado de abstinência fisiológico (síndrome de abstinência) ou a necessidade de usar para cessar o mal estar;

– Evidência da tolerância, ou seja, necessidade de doses maiores para atingir o mesmo efeito.

– Abandono progressivo de prazeres ou interesses alternativos como emprego e escola.

– Evidência de consequências nocivas, como perda do ano escolar, envolvimento com polícia, agressões físicas e verbais a familiares ou em acidentes de trânsito, entre outras ocorrências, em função do uso do álcool.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Comportamento

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.