Por Roberto Girola Em Artigos

A autorização para existir

Tenho medo de dizer o que penso para evitar ser alvo de críticas ou magoar as pessoas. O que fazer para me libertar disso?” (Tânia Borges, Jundiaí – SP)

A pergunta nos remete a dois tipos diferentes de incômodo que afligem quem a formulou. O primeiro é relacionado à possibilidade de “ser alvo de críticas”. O segundo é de “magoar as pessoas”, provavelmente isto se aplica principalmente àquelas pessoas que são relevantes do ponto de vista afetivo.

Ao analisarmos os sentimentos que emergem, percebemos uma aparente contradição. No primeiro caso prevalece um senso de vulnerabilidade, que remete a uma sensação de fragilidade diante do olhar crítico do outro. No segundo caso, prevalece o sentimento de que o outro possa “se magoar” com as reações do sujeito. É como se o psiquismo, ao se “autorizar a existir”, com suas próprias formas, representasse uma ameaça para os outros, percebidos como frágeis, incapazes de suportar sua existência. Tanto num caso, como no outro parece faltar uma estrutura interna suficientemente estruturada, capaz de sobreviver, de existir com naturalidade e espontaneidade na presença do outro.

Esse tipo de funcionamento psíquico, quando submetido ao processo de análise, frequentemente remete a situações ambientais primitivas em que o bebê não pôde completar o seu desenvolvimento afetivo normal que envolve um processo inicial de fusão com o ambiente (mãe) e, sucessivamente, de separação em relação a ele (percebido como outro, não eu).

É esse processo de desenvolvimento, que define a possibilidade de coexistência sem confusão do mundo interno do indivíduo com o mundo externo, que pode permitir o “relacionamento” sem submissão e sem prevaricação.

Quando isso acontece, o relacionamento com o mundo externo se torna possível, envolvendo a “preocupação” com o outro sem, por outro lado, impedir que o indivíduo tenha acesso a sua agressividade, para se separar do outro quando necessário, a partir de sua forma específica de existência (self) e de sua personalidade.

O indivíduo mede sua “saúde” psíquica no equilíbrio entre o uso de sua agressividade (o simples fato de existirmos supõe estarmos impondo nossa existência ao outro) e a capacidade de empatia e identificação com o outro.

Roberto Girola é psicanalista e terapeuta familiar

 

Escrito por
Roberto Girola
Roberto Girola

Roberto Girola é psicanalista e terapeuta familiar

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Alexandre Santos, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.