Por Marcus Eduardo de Oliveira - Jornal Santuário Em Artigos

A resposta não é o aumento da produção

Ricardo Abramovay, em Muito Além da Economia Verde, baseando-se em diversos estudos comenta que “a maturidade dos sistemas econômicos de vários países da OCDE permite que a resposta ao desemprego não esteja no aumento da produção e sim na capacidade de converter a elevação da produtividade em mais lazer, mais vida comunitária e maior contribuição das economias locais para o bem-estar”.

Lamentavelmente, sabe-se que as diferentes orientações do pensamento macroeconômico criaram, ao longo do tempo, uma espécie de parâmetro único de prosperidade: o indicador para isso é associar o crescimento econômico ao desempenho de bem-estar, à obtenção de qualidade de vida.

Uma rápida passada de olhos pelos sistemas econômicos atuais permite concluir, sem espaço a dúvidas, que o funcionamento da vida econômica mostra que a abundância material das sociedades contemporâneas nem de longe produz o bem-estar que dela se poderia esperar, como bem assevera Abramovay na referenciada obra.

Para corroborar essa assertiva, o crescimento econômico não é, nunca foi e nunca será uma espécie de “fórmula universal” para se chegar ao bem-estar. É importante frisar que bem-estar nada tem a ver com aquisição material.

Contudo, não há dúvidas que é de extrema importância o significado do crescimento econômico para o conjunto da macroeconomia, como a ampliação da oferta de bens e serviços e o aumento da arrecadação tributária, mas, para a obtenção de bem-estar, entendido como a melhoria substancial da qualidade de vida e das condições médias de bem viver, o crescimento não é – e nunca será – uma finalidade.

Políticas econômicas desenhadas para a obtenção de elevadas taxas de crescimento passam, necessariamente, pelo mercado. O mercado, como é de conhecimento de todos, não capta a realidade social, pois está distante de “entender” a dimensão do social, do humano, da prática em ser solidário.

A única coisa que o mercado “parece entender” com precisão é de aumento de produção. E em muitos casos a resposta não é o aumento da produção.

Atividades sociais das mais importantes que conferem verdadeiro sentido à vida, como educar os filhos, dar atenção aos idosos, praticar a filantropia, a espiritualidade e o cuidado necessário com o modo de viver em sociedade, em coletividade, não “passam” pelo mercado, mas confere e agrega muita qualidade à vida.

Em outras palavras, é justamente isso que se convenciona chamar de desenvolvimento, no pleno sentido de estabelecer laços que enaltecem a qualidade de vida.

É nesse sentido que o ser humano se desenvolve, prospera, engrandece, melhora. É disso que trata a economia do desenvolvimento; de um desenvolvimento humano, social, fraterno e solidário capaz, na essência, de fortalecer os laços de sociabilidade.

Pelo prisma econômico, enquanto o crescimento sempre foi associado à quantidade, o desenvolvimento é – e sempre será – associdado à qualidade. É isso que faz toda a diferença na perspectiva de uma vida em comunidade.

Talvez esteja aí a principal e a mais ácida crítica que os ambientalistas conferem à teoria econômica. Desenvolvimento é, grosso modo, permitir ao homem moderno a possibilidade de sobreviver com dignidade e liberdade; e isso nada tem a ver com relações quantitativas do crescimento – paradigma supremo da macroeconomia tradicional.

Por fim, o que cabe constantemente reiterar é que o bem-estar não se alcança com crescimento (aumento da produção), mas sim com desenvolvimento econômico, social, ecológico e humano.

Marcus Eduardo de Oliveira é economista especializado em Política Internacional

Escrito por
Marcus Eduardo
Marcus Eduardo de Oliveira - Jornal Santuário

Marcus Eduardo de Oliveira é economista especializado em Política Internacional

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Alexandre Santos, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.