Por Sidney Oliveira Em Artigos

Caminhos para a felicidade

Com o passar do tempo vamos tomando consciência de que nossa caminhada é muito mais que trabalho, deveres e muitas obrigações. Temos que olhar para os lados e perceber que deve haver um equilíbrio entre a responsabilidade e a vontade de ser feliz. Ou melhor, a necessidade de ter prazer em viver.

Você já acordou sentindo-se imensamente feliz?

Garanto que sim! E, podemos dizer mais: essa sensação de plenitude, na maioria das vezes, vem acompanhada de uma imensa vontade de agradecer ao mundo e às pessoas que estão do seu lado.

Principalmente, esse agradecimento demonstra que houve um reconhecimento das maravilhas operadas por Deus e a confiança de que mais e mais novidades podem surgir.

Esse sentimento, a gratidão, faz um bem enorme para o corpo e para a alma. Além de trazer paz, harmonia e entusiasmo, impulsiona nossa capacidade criadora e nos mostra que há vários caminhos que podem nos levar a felicidade.

Se passarmos a encarar a vida sabendo que, apesar dos problemas e obstáculos, temos de focar na superação e no conhecimento próprio; temos que ir em frente, lembrando que tudo passa muito rápido; ou ainda, que devemos guardar no coração tudo o que faz bem; nós podemos ser felizes. O resto? Apenas passa!

Por isso, devemos prestar muita atenção em como resolvemos os problemas e como administramos os sentimentos. Mesmo sem perceber, você pode estar servindo de exemplo para alguém, não é mesmo? Para sua família, para os colegas de trabalho.

O mundo está repleto de exemplos de pessoas que usaram a inteligência, sabedoria e, principalmente, a vontade para superar as adversidades que a vida, vez ou outra, nos apresenta.

E voltamos ao início do nosso texto quando falamos da vontade de ser feliz. Essa determinação faz toda a diferença. Por isso, gosto muito de citar a eterna escritora Cora Coralina, um exemplo, de sabedoria e perseverança. Prova disso é que aos 75 anos ela conseguiu realizar o sonho de publicar seu primeiro livro.

Sabe o que ela dizia? “Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas. E isso não é coisa do outro mundo.”

Ela conclui que “feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina!”

Um belo exemplo para todos nós. E fica a certeza que ser feliz não é uma utopia, mas um trabalho pessoal que deve ser realizado minuto a minuto. Renovando sentimentos e aprendendo a respeitar as opções alheias.

Sem esquecer da vontade de acordar, todos os dias, sentindo-se muito feliz!

Sidney Oliveira é empresário, presidente da Ultrafarma

Escrito por
Sidney Oliveira
Sidney Oliveira

Sidney Oliveira é empresário, presidente da Ultrafarma

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jornal Santuário, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.