Por Miguel Júnior Em Artigos

Cristiano Araújo e a mitificação

Antes de tirar conclusões a respeito do texto, aviso de antemão que a tese a ser defendida não vilipendia a morte do cantor Cristiano Araújo, pelo contrário. A intenção é refletir sobre a forma instintiva como os seres humanos tornam pessoas com um pouco mais de visibilidade em mitos.

A palavra mito significa relatos heroicos realizados pelos gregos antigos. Nessas histórias, exaltavam-se heróis e tentava-se explicar a realidade, os fenômenos naturais, a gênese do mundo, enfim, tudo aquilo que não era compreendido por eles.

A simbologia representava a essência da figura analisada. Nem sempre a representação era fundamentada. Qualquer ser ou criação poderia ser transformado em mito quando a própria cultura daquele povo permitia que acontecesse. Obviamente, naquele tempo as tradições se duravam mais, já que os meios de comunicação eram primitivos e a renovação era demorada.

Hoje, o poder do marketing e da mídia em geral tem a capacidade de transformar seres comuns em mitos. Sem nenhuma comparação, podemos citar, a priori, a morte do piloto Ayrton Senna. Houve uma comoção nacional pela perda do maior piloto de Fórmula 1 que o Brasil já teve. A movimentação ocorreu anda mais pelo fim trágico do esportista. Ainda hoje, sua imagem é uma das mais usadas para vendas de produtos e serviços. A marca Ayrton Senna é sinônimo de vitória e confiabilidade.

Recentemente, o cantor sertanejo Cristiano Araújo, na volta de um show, morreu por consequência de um acidente automobilístico gravíssimo. A tragédia do fato alçou-o a uma condição de celebridade nacional. Não discuto que a música dele não tenha chegado ao grande público, pois isso aconteceu. Mas a superexposição do acontecido, com pitadas de lirismo shakespeariano no qual o mocinho permaneceu com o amor da sua vida até o fim, tornou-o um herói.

Talvez seja um exagero considerar o cantor um mito. Porém, o fato de ele ter sido alçado à condição de astro pela tragédia e fama de bom moço romântico, deram-lhe a oportunidade, pos mortem, de torná-lo um ser especial.

Não é possível analisar a causa com exatidão, por isso tratamos do mito em si. Como todo fenômeno que não possa ser explicado causa espanto ou reflexões, a morte de Cristiano não chegou a parar o país, mas comoveu quem o conhecia e aos que não o conheciam surgiu a indagação: “Quem é Cristiano Araújo?”. Quase todos falamos alguma coisa sobre ele e o tornamos um herói em ascensão. Eis a mitificação!

Miguel Júnior é mestre em Linguística, jornalista e professor universitário

 

Escrito por
Miguel Júnior
Miguel Júnior

Miguel Júnior é mestre em Linguística, jornalista e professor universitário

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Carolina Alves, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.