Por Pe. José Carlos Pereira Em Artigos

Dai a César o que é de César

Todo tempo é tempo de refletirmos sobre a vida e avaliarmos se ela está sendo respeitada ou não. A vida é o dom mais precioso e esse dom pertence a Deus. Cabe a nós cuidar da vida, de toda forma de vida. Cuidar da vida significa defendê-la, protegê-la, estar atento para ver se ela não está sendo destruída, ou desrespeitada por coisas e situações que não são da vontade de Deus. Daí deveria decorrer nossa preocupação política e social, porque dessas situações dependem a vida. Sem uma política do bem comum, com investimentos sociais, a vida não apenas perde qualidade, mas fenece. Abster-se dessas questões é o sinal mais evidente de alienação.

Vez por outra nos deparamos com textos bíblicos que nos levam a refletir sobre política. Vejamos este (Mt 22,15-21) que reflete sobre impostos. Esse é um tema estritamente político, com sérios desdobramentos sociais. Antes de olhar o texto, cabem alguns questionamentos:

Você sabia que o Brasil está entre os países de maior carga tributária? Você sabia que cinco meses de nossos trabalhos, ao ano, são apenas para pagar impostos? Você sabia que cada produto que você compra, por menor que ele seja, há embutido nele uma pesada carga tributária? Ao comprar um pão para tomar o café da manhã, por exemplo, você pagou imposto sobre ele. Sobre tudo que envolve compra, pagamos impostos. Você sabe para onde vão os impostos que você paga? A maioria do povo brasileiro não sabe. E pior, não faz questão de saber. A maioria deixa que os políticos "cuidem" dos impostos que nós pagamos.

Porém, alguns sabem que a maior parte dos impostos que nós pagamos não são destinados para fazer melhorias nas diversas áreas, como deveria ser feito. Eles são desviados para contas de políticos e seus comparsas. São desviados para contas na Suíça ou em outros paraísos fiscais. Você acha que a maioria do povo brasileiro está preocupada com isso? Infelizmente não está. Sabem por quê? Veja a lista dos candidatos que foram eleitos ou reeleitos na última eleição. Alguns deles tiveram votação expressiva, avassaladora, e estão entre os mais votados. E esses têm "ficha suja", ou seja, tem um histórico de corrupção comprovado, com contas em paraísos fiscais e procedimentos que agridem a vida de milhões de pessoas, e foram eleitos para continuar praticando as mesmas atrocidades, ou ainda piores. É o povo gritando mais uma vez nas urnas: "solte Barrabás"! E Barrabás continua sendo solto em cada voto inconsciente, inconsequente.

E, voltando aos impostos...

Aqueles impostos que você pagou não foram aplicados na saúde, nem em moradia, nem em educação, nem na melhoria do seu bairro, nem da sua cidade, nem do seu município, nem do seu Estado e nem nas instâncias federais. Foram parar num paraíso fiscal, engordando a conta bancária desses mesmos políticos que o povo elegeu para matá-lo de alguma forma. Eles vão continuar gastando o suado dinheiro do povo em mordomias, em coisas supérfluas, enquanto grande número de pessoas passa fome, não tem o que vestir nem o que calçar e morre na fila de hospitais.

Você não fica chocado com isso? Você que é cristão, uma pessoa de fé, que frequenta sua Igreja, ou que diz acreditar em Deus, não fica estarrecido com isso? Em que Deus você acredita? No Deus da vida, ou no "deus" dos Imperadores de nossos tempos? Quando Jesus diz: "Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus", ele está dizendo com todas as letras: acorda! Toma tenência! Veja o que você está fazendo para o mundo com sua atitude de alienação política! Veja com que tipo de agressão você está compactuando ao não se posicionar na política, ou a se posicionar do lado de corruptos só porque ele comprou seu voto ou sua consciência. Pior que vender o voto é vender a consciência!

Opa, o texto bíblico sugerido (Mt 22,14-20) não está dizendo para você não pagar impostos. Pelo contrário, ele diz que temos, sim, de pagar impostos se nós queremos que a nação tenha recursos para melhorias. Mas ele diz também que o que nós não podemos, nem devemos, é simplesmente pagar impostos e depois se esquivar de cobrar que esses impostos sejam aplicados onde devem. Eles precisam ser revertidos em serviço público. Se isso não vem acontecendo, esses impostos estão indo para o bolso de alguém. E você vai se calar diante disso?

Por isso a postura política é fundamental para a vida! Mas a política do comprometimento com a vida, e não a de defesa deste ou daquele candidato que se apresenta como "salvador da pátria" em véspera de eleição. Ah, e não basta rezar para as coisas melhorarem. É preciso fazer a nossa parte. De nada adianta ir à igreja e rezar para o país melhorar, se continuarmos a eleger pessoas corruptas, ou que tenham histórico de corrupção na sua vida pessoal e partidária. Ou então apenas votar, mas depois não participar da administração, ou gestão, daqueles que foram eleitos.

Precisamos ter memória e não nos deixarmos ludibriar com promessas em véspera de eleição. Quem acredita em promessa em véspera de eleição é no mínimo ingênuo, para não dizer outra coisa. Olhe para trás, bem para trás, e reaviva sua memória. Veja o que era o nosso país uns anos atrás. Não venha com a desculpa de que você é muito jovem. Jovem também tem obrigação de conhecer história. Olhe hoje e compare com o passado. Basta isso para uma decisão consciente na hora de eleger quem vai administrar nosso país, nossos impostos.

Não continue dando a César o que não pertence a César. Dê a César o que lhe pertence: o pagamento em dia dos impostos e o seu compromisso de cobrar deles que cumpram com a obrigação para as quais foram eleitos, para que eles cumpram com seu dever político. Se eles forem bons políticos, não estarão lhe fazendo nenhum favor, estarão apenas cumprindo com a obrigação, e estão sendo muito bem pagos para isso. Pagos por nós que pagamos nossos impostos.

Enfim, você quer ser um bom cristão? Dê a César o que é de César, mas não se omita na hora de dar a Deus o que é de Deus. É de Deus a sua vida e a vida do seu povo, como disse a Rainha Ester diante do rei (Ester 5,3). Dar a Deus o que é de Deus é sermos pessoas conscientes de nossas obrigações; partícipes da construção de um mundo melhor; comprometidos com a vida de todos e todos os dias, e não apenas em época de eleição.

Padre José Carlos Pereira, CP é sociólogo e escritor de mais de 50 livros

Escrito por
Pe, José Carlos Pereira
Pe. José Carlos Pereira

Padre José Carlos Pereira, CP é sociólogo e escritor de mais de 50 livros

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Carolina Alves, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.