Por Sidney Oliveira Em Artigos

Vá com calma

Falta de tempo é uma das maiores queixas quando assunto é trabalho e, até mesmo, lazer. Certamente, todos já ouvimos reclamações como: “o dia precisaria ter 48 horas!” ou, ainda, “o tempo está passando rápido demais!”.

A boa notícia é que “o tempo não para”, mas podemos tê-lo a nosso favor. Basta um mínimo de boa vontade e organização.

A maioria concorda que aconteceram mudanças significativas depois que a internet tomou conta do planeta. Atualmente, é comum um profissional estar envolvido com muitos projetos, para atender vários departamentos da empresa. Todos devem ser pró-ativos!

A recomendação dos especialistas é: traçar prioridades, fazer uma coisa de cada vez e viver plenamente o presente! Com tempo, inclusive, para momentos de felicidade, lazer e amor.

E uma dica: cuidado ao reclamar que você é superocupado e que não tem tempo para nada! Isso pode significar falta de talento e de organização.

Gostaria de recordar a crônica Como os brasileiros contam o tempo, do escritor Max Gehringer, que de maneira bem-humorada explica como estabelecer prazos, sem perder a hora!

Ele começa dizendo que muitos executivos de outros países têm vindo trabalhar em empresas brasileiras. E a maioria deles se depara com uma grande dificuldade, que é entender a maneira como nós contamos o tempo no Brasil.

Uma pergunta simples é: “Quanto vai demorar para o trabalho ficar pronto?”

Uma resposta como “12 minutos” nem passaria pela cabeça de um brasileiro. Porque nós somos muito mais criativos do que isso. Portanto, a resposta mais usual é: “depende”.

E no Brasil, “depende” é uma medida quântica, porque envolve várias incógnitas e, todas elas, desfavoráveis. Em algumas situações, “depende” pode até significar imediatamente. Mas esse tipo de resultado, até hoje, só foi conseguido com cobaias, em testes de laboratório.

Outra resposta é “já, já”. Para quem ouve, “já já” pode parecer uma medida de tempo mais rápida do que “já”. Mas é o contrário. “Já” quer dizer agora. “Já já” quer dizer “assim que eu terminar o que estou fazendo, vou pensar a respeito”.

E tem também o “logo”, que quer dizer que uma providência pode levar entre cinco minutos e centenas de anos. Por exemplo, “logo chegaremos a Marte”.

E tem também o “um minutinho”, que é um intervalo de tempo que nada tem a ver com 60 segundos e raramente leva menos que 20 minutos.

Como se vê, nós não somos um povo muito complicado. Nós até que nos entendemos muito bem. Quem vem de fora é que não compreende que “amanhã sem falta” significa “preciso de mais um dia para pensar numa boa desculpa.”

Gosto muito desse texto e encarando as divertidas respostas, podemos ter menos estresse, procurando manter todos os nossos compromissos em dia de uma maneira mais leve.

Mas, no mundo corporativo, lembre-se que seu tempo pode valer ouro. Por isso, não espere nem mais um minutinho para cumprir seus prazos e cronogramas. Afinal, o tempo não pode parar. E ele passa depressa!

Sidney Oliveira é empresário, presidente da Ultrafarma

Escrito por
Sidney Oliveira
Sidney Oliveira

Sidney Oliveira é empresário, presidente da Ultrafarma

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jornal Santuário, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.