Por Roberto Girola Em Artigos

Vamos deixar de ser chatos! Por que falar em sofrimento?

Sofrimento, tristeza, angústia e medo. Como se pode diferenciar um sentimento do outro? (Marcos António Figueredo – Curitiba – PR) 

Nem sempre é fácil definir exatamente qual é o mal-estar que assombra a nossa alma. Percebemos que há um sofrimento interno, mas não sabemos exatamente dizer se é tristeza, depressão, angústia ou medo ou uma mistura de tudo isso.

Nomear os próprios sentimentos pode parecer uma tarefa fácil, mas não é. Os conteúdos do nosso mundo interno são em grande parte inconscientes, o que distorce a nossa percepção consciente. Isto acontece de maneira especial na presença de conteúdos psíquicos que são aflitivos e que, portanto, tendem a ser “recalcados”, ou seja, ocultados justamente para aliviar o sofrimento.

Além disso, existe uma pressão social para afastar esses conteúdos aflitivos como algo indesejado e inoportuno para o ser humano “normal”. A necessidade de afastar tais sensações que remetem a “falhas psíquicas” se torna cada vez mais operante, apesar dos cenários humanos serem cada vez mais ambíguos e conturbados.

Nos ambientes corporativos isso é particularmente evidente. Um bom funcionário não deve carregar consigo seus problemas. Ele é convidado, até pelos vários coachs de plantão, a participar do “teatro corporativo”, vestindo o papel de um personagem, cujo script foi definido pela empresa. Quem não segue o script é demitido.

Infelizmente isso não acontece apenas no mundo corporativo. Nas redes sociais e até entre amigos há uma silenciosa cobrança para sermos “leves”, “para cima”, “para frente”, ou então “alinhados” com os sentimentos que circulam no momento. Uma manifestação subjetiva da personalidade parece ser inoportuna, mais ainda se for atravessada por sentimentos negativos.

Naturalmente não faltam médicos e laboratórios dispostos a corroborar essa cobrança sob o pretexto que todo ser humano tem o direito de “ser feliz”. Direito ou dever? Cabe perguntar.

Enquanto isso o mundo externo, que ainda não se alinhou com essa “moda”, manda sinais preocupantes: terrorismo, guerras, catástrofes ecológicas, crises econômicas e políticas...Mesmo assim as notícias ruins chegam mitigadas pelos comerciais, que evocam um mundo fantástico, onde tudo é glamoroso e sedutor.

Roberto Girola é psicanalista e terapeuta familiar

Escrito por
Roberto Girola
Roberto Girola

Roberto Girola é psicanalista e terapeuta familiar

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jornal Santuário, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.