Por Deniele Simões Em Jornal Santuário

Mais de 16 mil alunos cegos aguardam acesso a máquinas de Braille

Mais de 16,5 mil alunos cegos matriculados em escolas públicas e instituições aguardam para ter acesso a uma máquina de Braille, no Brasil.

A estimativa é da Associação Brasileira de Assistência à Pessoa com Deficiência Visual – Laramara, que atribui a falta de acesso ao alto custo das máquinas.

Segundo o gestor de projetos e parcerias da Laramara, Cristiano Gomes, a máquina é a “caneta” da pessoa com deficiência visual e uma importante ferramenta educacional.

Foto de:Digitaltrends.com

pastoral_pessoa_com_deficiencia_visual

Deficientes visuais têm dificuldades tanto de locomoção
como de acesso a máquinas de Braille

“Tendo o acesso a esse equipamento, as crianças com deficiência visual e as sem deficiência terão as mesmas oportunidades e o mesmo tempo de aprendizagem”, pontua.

O problema é que, para aprender a ler, escrever e conhecer o método Braille, o deficiente visual precisa gastar cerca de R$ 4.500 para adquirir o equipamento, que é importado.

Devido ao alto custo, muitos alunos cegos ficam sem acesso ao equipamento e perdem a oportunidade de garantir instrução de qualidade.

O vigário do Santuário São Judas Tadeu, padre Marco Antonio Gonçalves Porto é o primeiro sacerdote com deficiência visual ordenado em Belo Horizonte (MG) e concorda que a situação de quem precisa ter acesso a esses equipamentos é um pouco complicada.

O sacerdote, que também atua na Pastoral da Pessoa com Deficiência da arquidiocese de Belo Horizonte (MG), defende a redução dos impostos de importação desses produtos como forma de baratear os custos, ampliando o acesso como consequência.

“São equipamentos que, na verdade, vão ajudar na inclusão do número de pessoas que são potencialmente capazes de dar o que tem, o que sabem em favor do país”, pontua.

Ainda de acordo com o sacerdote, quanto mais acesso os deficientes tiverem à tecnologia assistiva, maior será a acessibilidade aos recursos, bem como a capacidade de essas pessoas mostrarem suas potencialidades.

Cadastro e outras formas de acesso

A Laramara disponibiliza um equipamento nacional a estudantes que não têm condições financeiras para adquirir uma máquina Braille. A dica da instituição é fazer o cadastro em um banco de dados.

Após o cadastro, é necessário aguardar numa fila de espera. A distribuição acontece graças a projetos sociais, campanhas e parcerias.

Desde 2004, quando o equipamento começou a ser produzido no Brasil pela associação, mais de 7.000 crianças e jovens com deficiência visual já foram beneficiados.

Padre Marco Antonio  esclarece que, embora não haja divulgação, os deficientes podem entrar com pedido junto ao Ministério público para solicitar ao Estado a aquisição de equipamentos de forma gratuita. “Pode até demorar um pouco, só que muitos já conseguiram dessa forma”, esclarece.

Outra dica do sacerdote é procurar as bibliotecas públicas para garantir a impressão de materiais de estudo e livros. Segundo ele, esse tipo de recurso é mais acessível nas grandes cidades.

Padre Marco Antonio também defende melhorias constantes nas vias públicas e implantação de recursos de acessibilidade nas calçadas e entornos de prédios públicos, estabelecimentos e igrejas. “Principalmente piso tátil nas áreas centrais, nos lugares de maior movimentação, porque auxilia onde a gente pode ir, onde tem de parar”, conclui.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Deniele Simões, em Jornal Santuário

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.