Por Da redação Em Notícias

Coleta da Solidariedade é realizada em todo país

Fraternidade: Igreja e SociedadeEu vim para servir (cf. Mc 10, 45). Essa é a temática da Campanha da Fraternidade (CF) 2015, lançada oficialmente no dia 18 de fevereiro, Quarta-feira de Cinzas, pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

 

A Campanha da Fraternidade deste ano recorda a vocação e a missão de todo o cristão e das comunidades de fé, a partir do relacionamento com a sociedade, proposto pelo Concílio Vaticano II. “O objetivo central é aprofundar o diálogo e a colaboração entre Igreja e sociedade como serviço ao povo brasileiro, para a edificação do Reino de Deus”, diz o texto-base.

Foto de: CNBB

Cf - Campanha da Fraternidade 2015

Coleta da Solidariedade é feita durante
encerramento da campanha

O documento reflete ainda sobre a dimensão da vida em sociedade, que se baseia na convivência coletiva, com leis e normas de conduta, organizada por critérios e com entidades que cuidam do bem-estar das pessoas.

A CF vem para ajudar as comunidades perceber que, pela participação, pelas orações, pelas celebrações e pela Eucaristia o cristão tem o dever de servir em todas as dimensões da sociedade, em prol da edificação do Reino. “A Igreja é chamada a prestar essa grande contribuição à sociedade para que cada vez mais corresponda ao projeto de Deus. E que isso se reverta em dias melhores de vida para as pessoas”, conclui o secretário executivo da CF, padre Luiz Carlos Dias.

O dia 29 de março, domingo de Ramos, também é a última oportunidade para participar da Coleta da Solidariedade, campanha que é um ato concreto da CF, e que se expressa pela oferta de doações em dinheiro. É um sinal real de fraternidade, partilha e solidariedade, feito em âmbito nacional, em todas as comunidades cristãs católicas, paróquias e dioceses. A Coleta da Solidariedade é parte integrante da Campanha da Fraternidade. O dia Nacional da Coleta da Solidariedade é realizado sempre no Domingo de Ramos e os recursos da Coleta são aplicados para apoiar projetos da Igreja. Os envelopes da Campanha da Fraternidade devem ser levados e colocados no ofertório da Santa Missa.

Para onde vai o dinheiro?

Do total arrecadado pela coleta 40% constituem o Fundo Nacional Solidariedade (FNS) e se destinam a apoiar projetos de Políticas Públicas, cujas ações revertam em benefícios da saúde de pessoas e comunidades. A CNBB recebe os projetos, analisa a viabilidade de cada um em parceria com a Cáritas Brasileira e, ambas, acompanham o desenvolvimento dos mesmos; os outros 60 %, ficam nas dioceses formando o Fundo Diocesano de Solidariedade (FDS), para o atendimento de projetos locais.

O Fundo Nacional de Solidariedade e os Fundos Diocesanos de Solidariedade nasceram a partir da reflexão e da constatação das dificuldades enfrentadas pelos grupos comunitários para obtenção de financiamentos para seus empreendimentos locais, baseados em suas necessidades, práticas e culturais. Assim, em 1998, em sua 36ª Assembleia Geral, a CNBB institui o FNS e os FDS para atendimento de demandas a projetos sociais.

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Da redação, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.