Por Alexandre Santos Em Notícias

Campanha da Fraternidade discute relação entre Igreja e sociedade

Fraternidade: Igreja e Sociedade – Eu vim para servir (cf. Mc 10, 45). Essa é a temática da Campanha da Fraternidade (CF) 2015, que será lançada oficialmente no próximo dia 18, quarta-feira de cinzas. A cerimônia de abertura acontecerá às 10h45, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília (DF).

Foto de: CNBB / Divulgação

cartaz campanha da fraternidade 2015

Campanha reflete sobre diálogo e
colaboração entre Igreja e sociedade
propostas pelo Concílio Vaticano II

De acordo com o secretário executivo da CF, padre Luiz Carlos Dias, a cerimônia será simples e deve durar cerca de 30 minutos. “Nós vamos ter, primeiramente, a leitura de uma carta, uma comunicação do Papa Francisco, que se une à Igreja do Brasil nesse momento. Depois teremos a fala de dom Leonardo (Steiner, secretário-geral da CNBB) e também de duas outras pessoas, uma relacionada ao ponto de vista religioso da sociedade, com o viés do ecumenismo. A outra falará sobre o ponto de vista do serviço que a Igreja presta à sociedade por meio da assistência aos mais necessitados”, adianta.

Padre Luiz Carlos revela ainda que a cerimônia será transmitida por emissoras de TV de inspiração católica. “A geração será feita pela Rede Vida. A TV Aparecida também já confirmou a transmissão. Estamos empenhados para que haja uma espécie de rede católica de TV e rádio na cobertura do evento”, conta.

Este ano, a Campanha da Fraternidade recorda a vocação e a missão de todo o cristão e das comunidades de fé, a partir do relacionamento com a sociedade, proposto pelo Concílio Vaticano II. “O objetivo central é aprofundar o diálogo e a colaboração entre Igreja e sociedade como serviço ao povo brasileiro, para a edificação do Reino de Deus”, diz o texto-base.

O documento reflete ainda sobre a dimensão da vida em sociedade, que se baseia na convivência coletiva, com leis e normas de conduta, organizada por critérios e com entidades que cuidam do bem-estar das pessoas. Na apresentação do texto, em outubro do ano passado, o bispo auxiliar de Brasília e secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, explicou que a Campanha da Fraternidade 2015 será uma oportunidade de retomar os ensinamentos do Concílio, que levam a Igreja a ser atuante, participativa, consoladora, misericordiosa e samaritana. “Todas as pessoas que formam a sociedade são filhos e filhas de Deus. Por isso, os cristãos trabalham para que as estruturas, as normas e a organização da sociedade estejam a serviço de todos”, disse.

Segundo o padre Luiz Carlos, o que a Igreja realmente quer é justamente propor às comunidades, à luz do Evangelho, perspectivas de diálogo. “A Igreja se aproximou e passou a se integrar totalmente à sociedade, à história. Dessa forma, testemunhando Jesus Cristo, anunciando o Evangelho, procura operar para a edificação da sociedade, para que seja mais justa e mais fraterna”, defende.

O secretário executivo ressalta ainda a importância de recordar a essência primeira da Campanha da Fraternidade. “Trata-se de um grande projeto de evangelização da Igreja, que está a serviço das comunidades, nesse itinerário que todos nós somos chamados a percorrer: a necessidade de conversão rumo à Páscoa, celebrando com alegria a ressurreição de Jesus, vitorioso sobre a morte e sobre todos os males. Então a CF vem como um estímulo, uma ajuda no sentido de catalisar ou apontar essa conversão”, afirma.

Eu vim para servir

Foto de: CNBB / Assessoria de Imprensa

Pe. Luiz Carlos Dias - CNBB Assessoria de Imprensa

Padre Luiz Carlos Dias: "A Igreja não é para ser uma
espécie de clubinho, uma fraternidade ou uma reunião
de comadres e compadres; a Igreja é uma realidade
convocada por Deus para o serviço do Reino, testemunhar
o Reino, para que sirva à sociedade e, sobretudo com a luz
do Evangelho, aponte o caminho da vida de fato, da justiça,
da fraternidade, para que não haja exclusões nem excluídos
na comunidade. Esse é o grande serviço que a Igreja é
chamada a prestar"

O padre Luiz Carlos ressalta ainda a importância do lema da campanha deste ano. “É muito significativo para nós, porque a Igreja não é para ser assim uma espécie de clubinho, uma fraternidade ou uma reunião de comadres e compadres; a Igreja é uma realidade convocada por Deus para o serviço do Reino, testemunhar o Reino, para que sirva à sociedade e, sobretudo, com a luz do Evangelho, aponte o caminho da vida de fato, da justiça, da fraternidade, para que não haja exclusões nem excluídos na comunidade. Esse é o grande serviço que a Igreja é chamada a prestar”, argumenta. 

Ele também aponta dois dos principais temas nos quais a Igreja tem estado em intensa colaboração e diálogo com diversos setores da sociedade. “A Campanha chega num momento em que a Igreja do Brasil está empenhada numa coalizão que concentra esforços em prol de uma reforma política. Isso é um ponto. O segundo, muito importante também, é que nesse momento a Igreja volta-se para a sociedade preocupada com a situação da violência. Há uma campanha pela construção de relações de paz. Em especial, esses dois projetos ajudam a perceber os grandes serviços que a Igreja é chamada a prestar à sociedade hoje”, aponta.

Segundo ele, CF vem para ajudar as comunidades perceber que, pela participação, pelas orações, pelas celebrações e pela Eucaristia o cristão tem o dever de servir em todas as dimensões da sociedade, em prol da edificação do Reino. “A Igreja é chamada a prestar essa grande contribuição à sociedade para que cada vez mais corresponda ao projeto de Deus. E que isso se reverta em dias melhores de vida para as pessoas”, conclui.

Texto-base

O subsídio está organizado em quatro partes. No primeiro capítulo, é apresentado um histórico das relações entre Igreja e sociedade no Brasil. Além desse panorama, o texto também traz à tona as características da sociedade atual e seus desafios, os exemplos dessa relação no Brasil e também pontos de convergência e divergência nesse diálogo.

Na segunda parte, o documento busca aprofundar o tema à luz da palavra de Deus, do magistério da Igreja e da doutrina social.

Já o terceiro capítulo debate uma visão social, além de refletir sobre a dignidade humana, o bem comum e a justiça social. Com base nesses três pilares, o texto analisa o serviço da Igreja à sociedade e aponta sugestões pastorais para a vivência da CF nas dioceses, paróquias e comunidades.

No último capítulo, são apresentados os resultados da Campanha da Fraternidade 2014, que teve como tema Fraternidade e Tráfico Humano. O documento faz ainda a prestação de contas do Fundo Nacional de Solidariedade de 2013 e das contribuições enviadas pelas dioceses, além de um histórico das últimas Campanhas e dos temas discutidos em anos anteriores.

O que é uma Igreja a serviço da sociedade?

Foto de: Arquivo Pessoal

Carlos Henrique Torres - Arquivo Pessoal

Carlos Henrique Torres, músico,
Fortaleza (CE)

“Acho que a Igreja poderia ser mais presente. Entenda: não acho a Igreja ausente. Ela está presente, só que deveria ser bem mais. Acho sim que a Igreja presta um serviço social (refere-se a todos os serviços que as igrejas ou os cristãos prestam a fim de assistir as vítimas de problemas sociais). Mas falha na ação social mais ampla, cujo alvo é corrigir as estruturas e processos sociais e políticos que provocam os problemas de uma sociedade”

 

 

 

 

 

Foto de: Arquivo Pessoal

Ana Lúcia Galdino - Arquivo Pessoal

Ana Lúcia Galdino, jornalista,
João Pessoa (PB)

“Uma Igreja a serviço da sociedade é a que serve ao próximo, acolhendo, cuidando e prestando assistência. Mas, acima de tudo, levando o Evangelho a toda criatura. Servir é preceito bíblico e foi Jesus Cristo quem ordenou que fosse assim. Essa missão é do cristão, que é quem faz a Igreja e que deve ter seus valores e condutas pautados nas Sagradas Escrituras” 

 

 

 

 

 

 

Foto de: Arquivo Pessoal

Naiana Borges - Arquivo Pessoal

Naiana Borges, médica, João Pessoa (PB)

“A Igreja deve ter um papel importante na formação do indivíduo, introduzindo-os nos valores cristãos, éticos e morais. Também exerce um importante papel social, ajudando os mais carentes, mobilizando muitas vezes os trabalhos profissionais dos leigos em favor dos mais necessitados nas áreas da saúde, da educação dentre outras”

 

 

 

 

 

Foto de: Arquivo Pessoal

Assis Júnior - Arquivo Pessoal

Assis Júnior, padre, Campinas (SP)

“Quando se pensa em serviço à sociedade, logo se associa à imagem relacionada a obras de caridade, filantropia. Algo concreto, visível. No entanto, imagino um serviço eclesial indispensável à sociedade dos nossos dias, que tem a ver com oferecer caminhos, onde não há luz, onde faltaram horizontes. Isso tem a ver com a dimensão existencial do ser humano. No dizer de Paulo VI, a Igreja é perita em humanidade. Munida do Evangelho e na força do Espírito, a Igreja, humildemente, pode oferecer aos homens e mulheres dos nossos dias um sentido novo e libertador para suas vidas. Para mim, isto é servir” 

 

 

 

 

Foto de: Arquivo Pessoal

Davidson Silva - Arquivo Pessoal

Davidson Silva, cantor, Belo Horizonte (MG)

“Uma Igreja a serviço da sociedade é uma Igreja extramuros. Ou seja, que sai da fé vivida só dentro do templo para viver a fé concreta, indo ao encontro dos que são desprezados, dos que estão perdidos pelo caminho, em busca da tão sonhada felicidade. Aqueles sem-pão material e espiritual, atrás das grades, nas filas a espera de atendimento médico, até os da nossa família que precisam da vivência concreta da nossa fé em Cristo Jesus”

 

 

 

 

Foto de: Arquivo Pessoal

Wilde Fábio Alencar - Arquivo Pessoal

Wilde Fábio Alencar, produtor artístico,
Fortaleza (CE)

“Para mim, é uma Igreja que vai ao encontro da sociedade, que conhece suas lutas, suas dores e vive junto com ela essas realidades. Mais do que uma Igreja que lute por pobres, negros, excluídos em geral, penso numa Igreja que vai ao encontro do homem e vive junto com ele suas lutas. Aí então, nesse lugar, ela o serve. Nesse serviço ela oferece a sua riqueza, que é Cristo, o Evangelho, a Palavra. E aí sim, depois disso, naturalmente, ela se compromete com o homem em suas realidades humanas, físicas, sociais. O aspecto social deve vir depois, em primeiro lugar o anúncio do Evangelho”

 

 

 

 

Foto de: Arquivo Pessoal

Thiago Basei Cardoso - Arquivo Pessoal

Thiago Basei Cardoso, empresário,
Gramado (RS)

“A Igreja precisa ser não apenas uma instituição que leva a palavra de Deus para a sociedade. Deve também sim ser a família da sociedade, entender os problemas e ajudar a encontrar as soluções” 

 

 

 

 

 

 

 

Foto de: Arquivo Pessoal

Ana Coli - Arquivo Pessoal

Ana Coli, dentista, Cachoeira Paulista (SP)

“Servir significa estar aberto, disponível ao outro, colocando os talentos a disposição. Não podemos, como Igreja, fecharmo-nos naquilo que achamos ser o essencial da Igreja e não é. Como diz o Papa, precisamos ir, sem preconceitos, sem ideias fechadas, ao encontro do homem, que quer Deus, mas não sabe como encontrá-lo. Evangelizar também é ouvir. Vemos a Igreja, em muitos lugares, sem espaço para jovens e crianças. Isso porque nos fechamos naquilo que achamos ser bom para eles, sem que os tenhamos ouvido. Quais são as dúvidas, os desejos, os medos, as alegrias da juventude?”

 

 

Foto de: Arquivo Pessoal

Milene Rodrigues - Arquivo Pessoal

Milene Rodrigues, radialista, Rio de
Janeiro (RJ)

“Significa uma Igreja que se preocupa em ir ao encontro do outro, como o Papa Francisco mesmo nos aconselha. Sair das ‘paredes’ do templo e, com o coração sensível, escutar, acolher e ajudar a quem quer que seja. É uma Igreja que não tem medo de viver a unidade com todos. Uma Igreja que ama sem reservas e serve sem medo” 

 

 

 

 

Oração da Campanha da Fraternidade

Ó Pai, alegria e esperança de vosso povo, vós conduzis a Igreja, servidora da vida, nos caminhos da história. A exemplo de Jesus Cristo e ouvindo sua palavra, que chama à conversão, seja vossa Igreja testemunha viva de fraternidade e de liberdade, de justiça e de paz. Enviai o vosso Espírito da Verdade para que a sociedade se abra à aurora de um mundo justo e solidário, sinal do Reino que há de vir. Por Cristo Senhor nosso. Amém!

 

 

 

 

 

 

4 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Alexandre Santos, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.