Por Deniele Simões Em Notícias

Cerco de Jericó em Taubaté reúne cerca de 38 mil fiéis

Cerca de 38 mil fiéis acompanharam, entre os dias 12 e 18 de janeiro, a sexta edição do Cerco de Jericó, em Taubaté (SP). A celebração, promovida pela Paróquia São Sebastião firma-se como uma das maiores da região do Vale do Paraíba, no interior de São Paulo.

Foto de: Deniele Simões / JS

Pe. Rodrigo Natal e Sueli Baracho - Deniele Simões JS

Padre Rodrigo Natal e pregadora Sueli Baracho
conversam com o público sobre os Dons de Deus

Com o tema O meu milagre vai chegar, a celebração registrou momentos de grande participação de público, como a bênção do Santíssimo Sacramento, na quinta-feira, dia 15, e a missa de encerramento, no domingo, dia 18, que atraiu 10 mil pessoas.

Também foram destaques as participações de pregadores, como o professor Felipe Aquino, Sueli Baracho, da cantora Adriana Arydes e do Grupo Canthares, levando muita reflexão e música católica ao público.

O pároco da Paróquia São Sebastião e organizador do evento, padre Rodrigo Natal, avalia esta edição do Cerco como bastante positiva. “Estamos muito satisfeitos com tudo aquilo que vimos e Deus realizou, porque tínhamos uma expectativa de público em torno de 35 mil pessoas nos sete dias de evento”, salienta.

Ainda de acordo com padre Rodrigo, o grande público comprova que o povo de Deus está “sedento”, já que tem buscado experimentar ainda mais a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, por crer que a vitória é certa e as muralhas vão cair, revelando a terra prometida.

Em relação à participação da comunidade, o religioso ressalta que, ao longo das últimas edições, tem sido bem abrangente, atraindo não só moradores de Taubaté mas de outras cidades do Vale do Paraíba. “Para nós, é uma alegria poder acolher e ajudar também esses que não moram na nossa cidade, mas que vêm rezar com a gente”, justifica. Ele também ressalta a presença de muitos jovens e até de pessoas que não têm religião nas celebrações.

Oração em família

O jovem Atila Ricardo dos Santos diz que a experiência de participar do Cerco é “extraordinária”. “É muito bom e venho pela fé, pois gosto de estar envolvido na programação”, conta.

Atila acompanha todos os dias do Cerco com muita alegria. Ela ajuda a organização nos momentos de música e louvor, fazendo coreografias no palco e animando o público.

Já Terezinha Odete de Paula acompanha a família nas celebrações e participa do Cerco em busca de bênçãos e cura. “É muito bom, já tive graças alcançadas pela vinda aqui”.

Foto de: Deniele Simões / JS

Isabela Isaías e Leonardo - Deniele Simões JS

Isabela Graziela, Isaías Bueno e o filhinho Leonardo:
Cerco de Jérico em família

O casal Isabela Graziela e Isaías Bueno também aproveitou a semana para frequentar o Cerco em família, levando o filho Leonardo, de apenas cinco meses. “É muito gostoso estar aqui, porque traz muitas coisas boas para a família”, conta Isabela, que participou de outras edições e pretende voltar em julho. 

O fiel Nelson Luiz Marcelo acredita que a celebração é uma oportunidade muito boa os fiéis e a cidade de Taubaté. “O povo foi glorificado porque o Cerco veio para esse lugar onde tudo é maravilhoso e vai continuar sendo”, ressalta. Para Nelson, todos os que participam comparecem em busca do melhor, mas é preciso acreditar para voltar renovado para casa.

A adesão do povo de Deus à celebração reflete o compromisso de renovação da Igreja manifestado pelo Papa Francisco, conforme explica padre Rodrigo. “O Papa diz que a gente precisa abrir para um novo frescor. Eu acho que a Palavra é intocável, porque veio do coração de Deus e é sempre atual. A gente precisa se abrir mais à Graça do Espírito Santo, sempre, para que a linguagem atinja a nossa sociedade de hoje”, opina.

O que é o Cerco de Jericó?

A prática do Cerco de Jericó surgiu na Polônia, no final da década de 1970, e consiste na oração incessante de Rosários, durante sete dias e seis noites, diante do Santíssimo Sacramento exposto.

A celebração é inspirada no capítulo seis do livro de Josué. O texto sagrado conta que, antes de chegar à terra prometida, o povo de Israel viu-se diante das grandes muralhas de Jericó, que impediam a continuidade da caminhada.

Josué, sucessor de Moisés e líder do povo, convidou os israelitas a orarem durante sete dias e sete noites rodeando as muralhas de Jericó, tendo à frente a Arca da Aliança, sinal da presença de Deus que caminha com seu povo.

A partir de então, a prática foi espalhando-se pelo mundo e, no Brasil, existem várias experiências bem sucedidas.

Padre Rodrigo teve a inspiração de criar o Cerco em Taubaté a partir de sua experiência de evangelização em outras regiões.

Foto de: Deniele Simões / JS

Felipe Aquino - Deniele Simões JS

Felipe Aquino, da Canção Nova, ministrou palestra
no domingo, dia 18

A primeira edição foi em 2011 e acontecia anualmente. A partir de 2014, a celebração passou a acontecer duas vezes por ano, a primeira em janeiro e a segunda, em julho.

Foi na Paróquia São Sebastião que o evento ganhou fôlego para registrar recordes de público a cada edição. O religioso atribui parte do sucesso à estrutura da paróquia. “Hoje a gente consegue acolher 3.000 pessoas sentadas, mas é grande a quantidade de pessoas que ficam em pé ou trazem banquinhos e cadeiras”, frisa.

O crescimento do número de fiéis em relação à edição anterior, realizada em julho do ano passado, foi de 90%. Na ocasião, cerca de 20 mil pessoas acompanharam os sete dias de programação.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Deniele Simões, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.