Por Deniele Simões Em Notícias

Em meio à crise, Grito dos Excluídos reafirma lutas sociais

Cerca de 2.000 pessoas participaram da 21ª edição do Grito dos Excluídos, em Aparecida (SP), no último dia 7 de setembro, segundo dados da organização. A Polícia Militar contabilizou 800 manifestantes.

O tradicional evento, que reúne movimentos populares e as Pastorais Sociais da Igreja Católica, este ano abordou o tema Vida em primeiro lugar e o lema Que país é esse que mata gente, que a mídia mente e nos consome?

Foto de: Deniele Simões / JS

Grito excluídos_1 - Deniele Simões JS

Tradicional manifestação em Aparecida (SP) reúne movimentos populares, Pastorais Sociais
e acontece em conjunto com a Romaria dos Trabalhadores

 

Em Aparecida, o Grito acontece com a Romaria dos Trabalhadores, desde 1987. Na 28ª edição, a Romaria trabalhou as injustiças sociais, por meio do lema Mãe Negra Aparecida – A classe trabalhadora tem sede e luta pelo mundo justo.

Os participantes, vindos dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, apresentaram reivindicações, como moradia, emprego, reforma agrária, reforma, além de protestar contra a corrupção, a violência e as injustiças sociais.

O Grito teve início às 6h30, com uma concentração no Porto Itaguaçu, seguida de caminhada até o Santuário Nacional.

Na Tribuna Papa Bento XVI, os manifestantes ostentaram faixas e cartazes apresentando as reivindicações mais urgentes para o país. Gilmar Ferreira, de Volta Redonda (RJ), participa do Grito há 20 anos e manifestou-se a favor do processo democrático. “Vim pela democracia e pelo direito de igualdade de todos nós”, conta.

Já a camponesa Michele da Silva, do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra de Tremembé (SP), veio para dar continuidade à luta pela reforma agrária.

Há 10 anos, ela está assentada em uma área na região, mas diz que as condições são precárias. “A nossa reivindicação é pelos nossos direitos: água, energia e terra”, explica a camponesa, que considera os últimos anos como os piores em relação ao número de assentamentos.

Para Cida Costa, da Pastoral Operária, a manifestação deste ano pode ser uma oportunidade de alerta. “Infelizmente, temos um governo que é de esquerda, mas não atende totalmente às necessidades do trabalhador e quem dá as cartas na mesa é o capital”, adverte.

A representante da Pastoral alerta também para as perdas de direitos dos trabalhadores e para a precariedade de serviços básicos, sobretudo nas periferias, como educação, saúde e segurança. “Tudo isso é precário e a gente vem com essas reivindicações”, acrescenta.

Missa

O ponto alto da Romaria dos Trabalhadores e do Grito dos Excluídos foi a celebração eucarística na Basílica, presidida pelo bispo diocesano de Nova Iguaçu (RJ), dom Luciano Bergamin.

Na homilia, ele ressaltou que a Igreja tem o dever de promover a justiça, base indispensável do amor ao próximo. “Também temos o sagrado dever de indicar caminhos que levem à realização de uma sociedade na qual todos tenham seus direitos fundamentais assegurados”, disse. 

Foto de: Deniele Simões / JS

Grito excluídos_2 - Deniele Simões JS

Celebração eucarística na Basílica, presidida pelo bispo diocesano de Nova Iguaçu (RJ), foi ponto alto
da Romaria dos Trabalhadores e do Grito dos Excluídos

 

O prelado também fez um alerta sobre as notícias que a mídia propaga, lembrando que o cidadão precisa ser crítico para discernir as informações que chegam, com a consciência de que “a vida das pessoas vale mais do que a economia e qualquer outra realidade”.

Dom Luciano também exaltou o papel da classe trabalhadora ao falar sobre o lema da Romaria, que exorta todos a colocar em prática aquilo que o Papa Francisco pediu recentemente no encontro que teve com os movimentos populares da América Latina, em julho, na Bolívia. Na ocasião, o Pontífice cobrou mais acesso à moradia, trabalho digno e dignidade a todos os povos.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Deniele Simões, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.